Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Cigarro e bebida

Cigarro e bebida

28/04/2009 Pedro Cardoso da Costa

Titularia este artigo com a famosa frase é proibido proibir. Ninguém esquece Caetano Veloso vociferando contra essa rotina no período da ditadura militar no Brasil.

Pois, o Planeta repete contra os fumantes. Como tudo, pode ser boa a luta, mas peca pelo exagero. Pois proibir atos individuais tornou-se uma mania mundial, e especial no Brasil. Quanto às ações contra os fumantes, o erro está em querer proibir o cidadão de fumar. O correto é proibi-lo de fazer mal aos outros. Mas a questão principal seria a diferença de tratamento entre fumante e beberrão. E ambos trazem problemas, mas os da bebida parecem ser mais amplos e com menores chances de defesa às vítimas. No entanto, a bebida recebe tratamento de muito glamour.  Sempre vem o estímulo gigante e depois uma frase tímida, quase inaudível, a recomendar que encha a cara, mas não dirija. Como se o mal estivesse só em dirigir.

Quem fuma, prejudica com o cheiro da fumaça, quem bebe, com o da bebida. Quem fuma pode prejudicar o outro com o ardor nos olhos; quem bebe, com as cusparadas indesejadas.  O fumante suja a cidade com suas pontas de cigarro, facilmente evitadas se usassem cinzeiro portáteis ou jogassem no lugar devido; quem bebe, fala alta, vomita em qualquer lugar. Uma reação orgânica sem controle.  O fumante fica consciente, já o embriagado perde quase sempre a consciência. Somente fumar, mataria individualmente, caso fosse evitado o repasse aos fumantes passivos. Ninguém pode evitar o suicídio desejado de ninguém. Mas, quem não quer receber a fumaça afasta-se; ao menos tem essa chance. Já do bêbado é difícil de se defender.

Ele vem pra cima de qualquer um, ofende, provoca, agride. Em casa, geralmente aterroriza. E ambos matam milhões ao ano. O cigarro, pelas doenças que provoca. Os bêbados. pelos acidentes que causam. São centenas de casos de assassinatos coletivos em função de acidentes provocados pela bebedeira. Todos docilmente tratados como crime culposo, sem nenhum assassino na cadeia. Ninguém pode se defender de uma carreta dirigida por um bêbado. Ele é muito mais pernicioso à sociedade. Mais pela violência de que se utiliza, muito em função da bebida. É só levantar as estatísticas de assassinatos que envolvem embriaguez. Bebida causa um mal muito mais amplo, imediato, e com nenhuma chance de defesa. E não sofre crítica veemente nem ações contrárias por parte das autoridades.

Ao contrário, sempre está em qualquer horário nas novelas, nos filmes, nos comerciais.  Enquanto só cresce o cerco ao cigarro. Quanto à onda de proibir, agora são as cantinas das escolas de São Paulo que não podem vender salgadinhos, além de outras guloseimas. Alimentar-se corretamente tem que vir da educação de cada um, não pela imposição estatal. Às autoridades caberia sempre a orientação informativa, com vista a educar. Nada mais. E é preciso dar tratamento à bebida semelhante ao dado ao cigarro. Tal como as imagens fortes nos maços, as de carros aos farelos e de pessoas empastadas  e decapitadas poderiam estar nos rótulos das garrafas.

*Pedro Cardoso da Costa



Que ingratidão…

Durante o tempo que fui redactor de jornal local, realizei numerosas entrevistas a figuras públicas: industriais, grandes proprietários, políticos, artistas…


Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?