Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Código de Defesa do Consumidor completa 20 anos

Código de Defesa do Consumidor completa 20 anos

17/09/2010 Eliana Saad

Neste mês de setembro, o Código de Defesa do Consumidor completa 20 anos de existência. Desde sua criação até a atual formação de suas leis, muitas modificações se fizeram necessárias para que o consumidor esteja cada vez mais protegido. Publicidade enganosa, produtos vendidos com defeito, contratos realizados com letras quase impossíveis de se enxergar, entre outros, passaram a ter disposições legais que protegem o consumidor de prejuízos como estes.

No decorrer da história da humanidade e suas relações em sociedade, a necessidade de permutar mercadorias se tornou cada vez mais presente. Assim nasceram as relações de consumo, e com o tempo, foi possível observar o desequilíbrio existente entre consumidores e fornecedores. Desta forma, a criação de leis voltadas a limitar esta relação se tornou imprescindível.

Muitas alterações já ocorreram. Hoje a empresa é obrigada a cumprir o prazo de entrega, instalação ou montagem de qualquer produto, oferecer garantia contra defeitos de fabricação, exibir o prazo de validade e o telefone do SAC nas embalagens dos produtos, entre outros benefícios. Tais modificações foram possíveis a partir do momento em que se consolidou o entendimento de que o elo mais frágil desta relação é o consumidor. Assim, o ônus da prova passou a ser do fornecedor que deve assegurar a entrega do produto ou serviço de acordo com o combinado, caso o cliente reclame. Com relação à publicidade enganosa podemos verificar outro avanço. Os fornecedores passaram a ser responsáveis pela qualidade do que vendem, proporcionando ao cliente o direito de levar para casa exatamente o que estava sendo anunciado.

Entretanto, ainda se faz necessária uma melhor adaptação do Código. O parágrafo 3º do artigo 54 passou a ter a seguinte redação: “Os contratos de adesão escritos serão redigidos em termos claros e com caracteres ostensivos e legíveis, cujo tamanho da fonte não será inferior ao corpo 12, de modo a facilitar sua compreensão pelo consumidor”. Embora a intenção do legislador tenha sido a melhor, a especificação do corpo 12 não assegura a boa visualização e leitura do contrato uma vez que, dependendo da fonte utilizada, o mesmo corpo pode ter dimensões bastante relativas. Esta “falha” na legislação pode gerar má conduta por parte do contratado, que tem em suas mãos o poder de definir qual fonte será usada, portanto, qual o tamanho visual das letras, independente do corpo.

Outra alteração realizada no artigo 33 diz respeito à proibição de qualquer tipo de publicidade quando a ligação for onerosa ao consumidor. Ou seja, a legislação apenas abrange ligações geradas pelo consumidor para SACs (Serviço de Atendimento ao Consumidor) pagos. Portanto, se o SAC não for pago, ou mesmo se a ligação não partir do consumidor, a publicidade está permitida. Ou seja, há ainda uma lacuna no que tange a liberdade do cliente em buscar o que for de seu interesse, ao invés de ser “metralhado” com promoções e ofertas.

Já existe um projeto criado pelo deputado Regis de Oliveira que prevê a inclusão da disciplina “Direito do Consumidor” na grade curricular de escolas públicas. Projeto de grande valia. Afinal, ter tal conhecimento gerará maior facilidade de as partes negociarem, e pode também minimizar o número de processos judiciais neste aspecto.

* Dra. Eliana Saad Castelo Branco - Graduada pela Faculdade de Direito da Universidade Mackenzie de São Paulo em 1987. Pós–graduada em Direito do Trabalho. Participou em cursos e congressos de Direito do Trabalho e na área de Responsabilidade Civil, dentre outros. É Conselheira da Associação dos Advogados Trabalhistas de São Paulo – AATSP, gestão 1999/2000. Diretora Cultural gestão 2004/2006, 2006/2008, no Sindicato dos Advogados de São Paulo.



Vencido o primeiro desafio da LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) regulamenta o tratamento de dados de pessoas físicas nas suas mais variadas aplicações e ambientes.


Telemedicina, fortalecimento do SUS e um primeiro balanço da pandemia

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, alertou Camões. Todo o mundo é feito de mudanças.


Médico: uma profissão de risco

Estudar medicina é o sonho de muito estudantes, desde o cursinho o futuro médico se dedica a estudar para conseguir entrar no super concorrido curso de medicina.


Como a quarentena provocou o êxodo urbano para cidades que oferecem mais qualidade de vida

A pandemia e as medidas de isolamento social fizeram com que as pessoas precisassem adaptar a rotina de trabalho, estudos, lazer e até de saúde, trazendo estas atividades para dentro de casa.


A era do fogo chegou

Pantanal, um dos biomas com maior biodiversidade do mundo, já teve 16% de todo território queimando.


Autoconhecimento: uma regra de ouro da vida

Há quem os critique, há quem os ame; eles já me resgataram do fundo poço e lhes sou grata: os livros de autoajuda.


Você tem curso universitário?

Naquela macia manhã de domingo, fui com meu pai, à missa, na igreja de Santíssima Trindade.


Voto é interesse. Não é direito, nem dever…

A partir desta quarta-feira (16), os mais de 5600 municípios brasileiros já conhecem os homens e mulheres que pretendem governá-los ou ser vereadores entre 01/01/2021 e 31/12/2025.


7 tendências em Analytics que estão mudando a área financeira

Segundo a consultoria McKinsey, mais de 90% dos 50 principais bancos do mundo utilizam, de forma avançada, a tecnologia de análise de dados, também conhecida como Analytics.


Para matar a sede por informação, Estatística!

É quase um clichê em Administração afirmar que a gestão e a tomada de decisão devem ter suporte em dados e informações.


Surgem os candidatos. Escolham o melhor…

Termina na quarta-feira, dia 16, o prazo para as coligações e partidos políticos escolherem, em convenção, seus candidatos a prefeito e vereador, para as eleições que este ano, por conta da Covid 19, foram adiadas de outubro para novembro.


Pela manutenção do teto de gastos

Limitar as despesas públicas para evitar que o Governo gaste mais do que tenha capacidade de arrecadar e de pagar.