Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Comissão de Justiça e Paz

Comissão de Justiça e Paz

06/06/2019 João Baptista Herkenhoff

A CJP de Vitória foi criada em 1978 pelos Bispos Dom João Baptista da Motta e Albuquerque e Dom Luís Gonzaga Fernandes.

O Brasil vivia sob regime ditatorial, pois estava em vigor o Ato Institucional Número 5 (AI 5), imposto ao país em 13 de dezembro de 1968.

Não havia garantias, era o primado do arbítrio. Opositores do regime eram torturados e lançados no alto-mar onde alimentavam os peixes.

A Comissão de Justiça e Paz de Vitória, embora criada sob a égide de Bispos, não era uma instituição católica. Dentre os seus primeiros membros havia dois ministros evangélicos – o Pastor Claude Labrunie e o Pastor Jaime Wright.

Nem era mesmo uma instituição integrada, obrigatoriamente, por crentes, por pessoas que professavam a fé em Deus. Um dos membros supunha ser ateu, mas eu contestei seu ateísmo.

Disse-lhe certo dia:

Você não é ateu, querido companheiro. Você tem colocado sua vida em perigo defendendo a Justiça. Não é crente quem beija o anel do Bispo, ajoelha-se nos bancos da catedral, mas não pratica a Justiça e explora o irmão. Tem Fé, uma Fé autêntica, que não precisa ser explicitada, aquele que faz do zelo pela Justiça um Evangelho. Quisera eu ter sua Fé.
Ele ficou emocionado, mas contestou – eu não sou isto não.

Esta pessoa, que estou relembrando, assumiu mais tarde uma Fé explícita. Passou a frequentar Missas. Trata-se do Advogado Ewerton Montenegro Guimarães.

Ocorre-me neste momento a lembrança desse lutador, hoje falecido. Ele nao gostava de elogio público. Se estivesse vivo, este artigo lhe traria desconforto.

Dirijo meu pensamento a Ewerton pedindo que, lá na mansão de Deus, onde ele está, peça  por nós, que ainda estamos aqui.

A CJP procurou ser a voz de quem não tinha voz. Opôs-se a despejos coletivos que mandavam para a rua dezenas de famílias miseráveis. Denunciou abusos contra presos e torturas praticadas nas prisões. Apelou a advogados voluntários para que defendessem pobres, antes de ser instituída, com muito atraso, a Defensoria Pública.

Fui membro da Comissão de Justiça e Paz. Considero isto muito mais importante do que se tivesse sido ministro do Supremo Tribunal Federal.

Escrevo esta página porque não se pode perder a História. Um Povo sem História é um Povo sem alma.

* João Baptista Herkenhoff é juiz de Direito aposentado (ES) e escritor.

Fonte: João Baptista Herkenhoff



Insetos na dieta

Aproximadamente dois bilhões de pessoas em 130 países já comem insetos regularmente.


Habilidades socioemocionais podem ser aprendidas

Desde o início da infância, as pessoas aprendem um conjunto de comportamentos que são utilizados nas diferentes interações sociais.


Entenda porque amor é diferente de paixão

Você sabe diferenciar o amor da paixão?


A finalidade e controle das ONGs

O mais adequado não é combatê-las, mas manter sob controle as suas ações como forma de evitar desvio de finalidade, corrupção e outras distorções.


A reforma da máquina pública

A aprovação da reforma da Previdência, pela Câmara dos Deputados, é um avanço do governo.


Os desafios da maternidade e do mercado de trabalho

Ter filhos não é fator de impedimento para uma mulher trabalhar.


Todos querem ser ricos…

Mais vale pobreza, com paz e consciência limpa, que riqueza, sem sossego, alma escurecida, e pesados de remorsos.


A importância de empoderar nossas meninas

Fatores culturais de valorização do masculino, enraizados desde sempre na nossa sociedade, afetam a autoestima e a confiança feminina.


Advogados e Cursos jurídicos

Onze de Agosto é o Dia da Fundação dos Cursos de Direito e é também o Dia do Advogado.


Empresas e paternidade: uma mudança a ser nutrida

Daqui a cinco ou dez anos, nem você nem ninguém se lembrará com precisão da tarefa que está fazendo no trabalho neste minuto.


Ética de advogados e juízes

A advocacia e a magistratura têm códigos de ética diferentes.


Quem se beneficia da coisa pública é corrupto

Coisa pública não pode ser confundida com coisa privada.