Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Comissão de Justiça e Paz

Comissão de Justiça e Paz

06/06/2019 João Baptista Herkenhoff

A CJP de Vitória foi criada em 1978 pelos Bispos Dom João Baptista da Motta e Albuquerque e Dom Luís Gonzaga Fernandes.

O Brasil vivia sob regime ditatorial, pois estava em vigor o Ato Institucional Número 5 (AI 5), imposto ao país em 13 de dezembro de 1968.

Não havia garantias, era o primado do arbítrio. Opositores do regime eram torturados e lançados no alto-mar onde alimentavam os peixes.

A Comissão de Justiça e Paz de Vitória, embora criada sob a égide de Bispos, não era uma instituição católica. Dentre os seus primeiros membros havia dois ministros evangélicos – o Pastor Claude Labrunie e o Pastor Jaime Wright.

Nem era mesmo uma instituição integrada, obrigatoriamente, por crentes, por pessoas que professavam a fé em Deus. Um dos membros supunha ser ateu, mas eu contestei seu ateísmo.

Disse-lhe certo dia:

Você não é ateu, querido companheiro. Você tem colocado sua vida em perigo defendendo a Justiça. Não é crente quem beija o anel do Bispo, ajoelha-se nos bancos da catedral, mas não pratica a Justiça e explora o irmão. Tem Fé, uma Fé autêntica, que não precisa ser explicitada, aquele que faz do zelo pela Justiça um Evangelho. Quisera eu ter sua Fé.
Ele ficou emocionado, mas contestou – eu não sou isto não.

Esta pessoa, que estou relembrando, assumiu mais tarde uma Fé explícita. Passou a frequentar Missas. Trata-se do Advogado Ewerton Montenegro Guimarães.

Ocorre-me neste momento a lembrança desse lutador, hoje falecido. Ele nao gostava de elogio público. Se estivesse vivo, este artigo lhe traria desconforto.

Dirijo meu pensamento a Ewerton pedindo que, lá na mansão de Deus, onde ele está, peça  por nós, que ainda estamos aqui.

A CJP procurou ser a voz de quem não tinha voz. Opôs-se a despejos coletivos que mandavam para a rua dezenas de famílias miseráveis. Denunciou abusos contra presos e torturas praticadas nas prisões. Apelou a advogados voluntários para que defendessem pobres, antes de ser instituída, com muito atraso, a Defensoria Pública.

Fui membro da Comissão de Justiça e Paz. Considero isto muito mais importante do que se tivesse sido ministro do Supremo Tribunal Federal.

Escrevo esta página porque não se pode perder a História. Um Povo sem História é um Povo sem alma.

* João Baptista Herkenhoff é juiz de Direito aposentado (ES) e escritor.

Fonte: João Baptista Herkenhoff



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.