Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Comissão Parlamentar de Inquérito ou palco da oposição?

Comissão Parlamentar de Inquérito ou palco da oposição?

25/05/2021 Bady Curi Neto

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CF/88, art.58 § 3º) possui poderes de investigação próprios das autoridades judiciais, dotadas, inclusive, das funções fiscalizadoras sobre os demais Poderes da República, fazendo valer o sistema de freios e contra freios, na apuração de fatos determinados.

Atualmente temos vivenciado a denominada CPI da Covid-19, que objetiva investigar ações e omissões do Governo Federal no combate à pandemia.

A comissão deveria, a meu ver, examinar também, a destinação das verbas repassadas aos Governos Estaduais e Municipais.

Importante saber se o dinheiro fora utilizado para os fins que se destinavam, se houve desvios ou superfaturamento de contratos na compra de equipamentos para o tratamento da Covid-19, etc.

Porém, segundo o Relator, Senador Renan Calheiros, em entrevista ao site da Uol, este não é o foco do colegiado, o objetivo limita a apurar as ações e omissões do Governo Federal. Destaca-se que a CPI tem por finalidade apurar e investigar, não de punir quem quer que seja.

Constatado quaisquer irregularidades ou mesmo responsabilidade penal, deverá ser redigido relatório, com as devidas conclusões, e encaminhado ao Ministério Público ou a Advocacia Geral da União para que promovam a responsabilização civil ou criminal dos infratores.

Infelizmente, o que temos visto hoje desvirtua, totalmente, do objetivo de uma Comissão Parlamentar de Inquérito, desmoralizando um Instituto de extrema relevância para um Estado Democrático de Direito.

A Comissão Parlamentar de Inquérito, pelas atitudes de alguns Senadores, poderia ser chamada de CPI (Circo com Palco para Imprensa), onde aquele que tem a função de investigar, colher depoimentos de testemunhas, está mais preocupado em aparecer nas mídias sociais e jornalísticas do que cumprir o seu mister.

O tratamento desrespeitoso às testemunhas salta aos olhos. Acusam-nas de mentirosos, aumentam o tom de voz, fazem a mesma pergunta dezena de vezes, não aceitam as respostas, quando não as ameaçam de prisão, como fez Renan Calheiros com o ex-secretário de comunicação do Governo Federal, tudo isto televisionado em um verdadeiro espetáculo midiático.

A CPI não poder ser palco para politicalha, de campanha política antecipada, de acusações e agressões às testemunhas ou mesmo de perseguição oposicionista ao Governo, como parece estar ocorrendo.

Se porventura as testemunhas mentiram ou se há contradições em seus depoimentos que as apontem no relatório final e encaminhem à autoridade competente. Investigar não é sinônimo de achincalhar, interrogar não se confunde com acusar.

Um parlamentar capixaba, ao dirigir ao ex-Ministro da Saúde, General Pazuello, com o dedo em riste, disse textualmente: “Se não fosse esse comportamento inadequado, omissivo e criminoso que vocês fizeram, nós não teríamos esses 441 mil mortos”. “A digital do senhor está nessas mortes aqui”.

Já a Senadora Mara Gabrielle de São Paulo, pasmem, acusou o ex-Ministro da Saúde de espalhar o vírus no país, ao resgatar pacientes em estado grave nos hospitais lotados de Manaus e levá-los para outros nos demais Estados.

Ao tentar responder à infundada e absurda acusação, a Senadora disse que não estava interessada na resposta.

As arbitrariedades de alguns interrogandos demonstram cabalmente, que o intuito da CPI não é apurar fato algum, mas de demonstrar oposição ao Governo Federal transformando a pandemia e os mortos da Covid-19 em palanque eleitoral.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Para mais informações sobre CPI da Covid-19 clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



O bullying retorna a sala de aula

Os últimos anos trouxeram intensa mudança para o universo escolar.

O bullying retorna a sala de aula

Ser mãe é padecer… de cansaço?

Há um ditado que afirma que “ser mãe é padecer no paraíso”, remetendo às contraditórias emoções que seriam desencadeadas pelas vivências cotidianas da maternidade.

Ser mãe é padecer… de cansaço?

Polícia liberada para trabalhar como sabe

Os contumazes amantes da desordem e defensores intransigentes dos criminosos torceram o nariz quando o governador Rodrigo Garcia determinou o aumento do número de policiais nas ruas (a cidade de São Paulo aumentou de 5 mil para 9.740 o número de policiais em ação) e declarou que quem levantar arma contra a polícia vai levar bala.


Eleições e os bélicos conflitos entre os Poderes

O Presidente da República, Jair Bolsonaro, e, agora, as Forças Armadas estão aumentando a ofensiva contra a transparência e a segurança do processo eleitoral no Brasil.


Os amores de Salazar

O conceito que se tem de Salazar, é de político solitário, déspota e por vezes impiedoso. Mas seria o estadista, realmente, assim?


Expectativa de grande crescimento

Em função da pandemia causada pela covid-19, os anos de 2020 e 2021 foram bastante desafiadores, particularmente para a indústria de máquinas e equipamentos.


A importância da diversificação de investimentos em diferentes segmentos

Mesmo com os desafios impostos por dois anos de pandemia, o volume de investimentos para iniciativas brasileiras em 2021 foi expressivo.


Muito além do chip da beleza

Você, com certeza, nos últimos meses já ouviu falar do famoso “chip” da beleza.


Educação para poucos é o avesso de si

Intitulado “Reimagining our futures together: A new social contract for education”, um estudo recente da Unesco é categórico logo nas primeiras páginas: “Nossa humanidade e Planeta Terra estão sob ameaça”.


Mãe: Florescer é não se esquecer de viver!

Tenho experimentado que o “traço de mãe”, plantado por Deus no coração de cada mulher que Ele criou, vai além da capacidade de gerar filhos, biologicamente.

Mãe: Florescer é não se esquecer de viver!

Bullying: da vítima ao espectador

O bullying é um tipo particular de violência, caracterizado por agressões sistemáticas, repetitivas e intencionais, contra um ou mais indivíduos que se encontram em desigualdade de poder, gerando sofrimento para as vítimas, agressores e comunidade.


Desafios e oportunidades para o saneamento

Considerado um dos menos atrativos na infraestrutura, o setor de saneamento passa por uma profunda mudança de paradigma com a aprovação da Lei 14.026/2020.

Desafios e oportunidades para o saneamento