Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Como a tecnologia analítica está conquistando espaço no futebol

Como a tecnologia analítica está conquistando espaço no futebol

13/08/2020 Celso Oliveira

Com a atual pandemia, os apaixonados por futebol ficaram alguns meses sem ver a bola rolando.

Contudo, para alegria de muitos brasileiros – eu me incluo aqui – tivemos o retorno do Campeonato Brasileiro de futebol agora no começo do mês de agosto.

Fazendo uma rápida pesquisa em alguns sites de notícias especializados e programas esportivos na televisão, percebi que cada vez mais os dados estão sendo usados para embasar opiniões, ilustrar melhor os fatos ocorridos nos jogos realizados e até para ajudar na tentativa de prever o que vem pela frente.

A análise de dados ou Analytics, como é chamado lá fora, já há algum tempo é bastante utilizada por ligas e equipes de vários esportes em todo o mundo. Os torcedores americanos, por exemplo, adoram ver as estatísticas dos jogos, seus times e jogadores.

Da mesma forma, os profissionais que trabalham nas comissões técnicas dos times e seus dirigentes fazem uso dos dados para tomar decisões importantes como escalar ou não um atleta em uma partida e até para ajudar a definição de negociação de jogadores.

No Brasil, nos últimos anos, está ocorrendo um maior uso de dados pelos jornalistas e comentaristas esportivos para uma leitura mais realística dos jogos de futebol e isso tem contribuído para que os aficionados do esporte também se tornem cada vez mais interessados por números e estatísticas.

Hoje, é comum vermos nas análises dos jogos, dezenas de dados sobre equipes e jogadores como números de acertos e erros de passes, chutes a gol, roubadas de bola etc.

Já com relação às equipes de futebol profissional, houve um aumento da utilização de tecnologias para melhorar o desempenho dos times.

Muitos deles profissionalizaram suas estruturas, criando áreas específicas de análise e contratando profissionais especializados em extrair informações relevantes dos dados coletados de treinos e, principalmente, partidas oficiais. Isso é o que chamamos de análise de desempenho.

Com ajuda de softwares que analisam e permitem a visualização de enormes volumes de dados, os profissionais das comissões técnicas ganharam um ótimo recurso para dissecar partidas através de números.

Assim, podem analisar melhor, taticamente, seus times para planejar como jogar, além de ter acesso a informações dos adversários.

A tecnologia tornou-se uma aliada dos times. Milhares de dados podem ser compilados durante os 90 minutos dos jogos de futebol, possibilitando à comissão técnica uma análise mais assertiva de estatísticas individuais e coletivas, inclusive do time oponente.

Com isso, é possível saber, dentre outros dados relevantes para a tomada de decisão, quanto cada jogador percorreu de distância, média de posse de bola e quais partes do campo os atletas mais ocuparam nos jogos.

Na Europa e nos Estados Unidos, o Analytics já faz parte do cotidiano dos times. Por aqui, a adoção de tecnologias computacionais para ajudar a melhorar o desempenho de atletas e equipes como um todo está em evolução.

Tenho visto cada vez mais dirigentes de clubes brasileiros interessados em adotar a tecnologia como um diferencial competitivo.

Isso é ótimo para o nosso futebol não ficar muito atrás do europeu, principalmente, afinal alguns times – e seleções – locais já fazem uso de recursos analíticos para obterem melhores resultados.

Lá, a tecnologia está sendo muito utilizada para aprimorar a preparação e acompanhamento dos jogadores e até para diminuir riscos de lesões dos atletas.

Mesmo com todos os benefícios que o Analytics proporciona, a tecnologia ainda pode causar um certo receio em algumas pessoas.

Para quem acha que tudo isso pode acabar tirando a graça da imprevisibilidade dos resultados dos jogos de futebol, não precisa se preocupar.

A tecnologia está aí para ajudar a melhorar os aspectos físicos, táticos e técnicos. Os dados não ganham as partidas. A função do Analytics é, essencialmente, para ajudar na etapa de preparação.

O fator humano continua e continuará sendo o diferencial para as equipes definirem os jogos.

Sempre haverá a possibilidade de os times considerados mais fracos arrancarem um empate ou mesmo ganhar do seu oponente.

Essa imprevisibilidade é o que nos faz ser apaixonados pelo futebol.

* Celso Oliveira é diretor geral da empresa de tecnologia MicroStrategy Brasil.

Fonte: ModoCon Comunicação



Vencido o primeiro desafio da LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) regulamenta o tratamento de dados de pessoas físicas nas suas mais variadas aplicações e ambientes.


Telemedicina, fortalecimento do SUS e um primeiro balanço da pandemia

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, alertou Camões. Todo o mundo é feito de mudanças.


Médico: uma profissão de risco

Estudar medicina é o sonho de muito estudantes, desde o cursinho o futuro médico se dedica a estudar para conseguir entrar no super concorrido curso de medicina.


Como a quarentena provocou o êxodo urbano para cidades que oferecem mais qualidade de vida

A pandemia e as medidas de isolamento social fizeram com que as pessoas precisassem adaptar a rotina de trabalho, estudos, lazer e até de saúde, trazendo estas atividades para dentro de casa.


A era do fogo chegou

Pantanal, um dos biomas com maior biodiversidade do mundo, já teve 16% de todo território queimando.


Autoconhecimento: uma regra de ouro da vida

Há quem os critique, há quem os ame; eles já me resgataram do fundo poço e lhes sou grata: os livros de autoajuda.


Você tem curso universitário?

Naquela macia manhã de domingo, fui com meu pai, à missa, na igreja de Santíssima Trindade.


Voto é interesse. Não é direito, nem dever…

A partir desta quarta-feira (16), os mais de 5600 municípios brasileiros já conhecem os homens e mulheres que pretendem governá-los ou ser vereadores entre 01/01/2021 e 31/12/2025.


7 tendências em Analytics que estão mudando a área financeira

Segundo a consultoria McKinsey, mais de 90% dos 50 principais bancos do mundo utilizam, de forma avançada, a tecnologia de análise de dados, também conhecida como Analytics.


Para matar a sede por informação, Estatística!

É quase um clichê em Administração afirmar que a gestão e a tomada de decisão devem ter suporte em dados e informações.


Surgem os candidatos. Escolham o melhor…

Termina na quarta-feira, dia 16, o prazo para as coligações e partidos políticos escolherem, em convenção, seus candidatos a prefeito e vereador, para as eleições que este ano, por conta da Covid 19, foram adiadas de outubro para novembro.


Pela manutenção do teto de gastos

Limitar as despesas públicas para evitar que o Governo gaste mais do que tenha capacidade de arrecadar e de pagar.