Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Como escolher em que empresa trabalhar

Como escolher em que empresa trabalhar

01/06/2015 Eduardo Ferraz

Todos os anos, pesquisas comprovam o aumento da insatisfação das pessoas com a vida profissional.

Recentemente, um estudo do Instituto de Pesquisa e Orientação da Mente (IPOM) revelou que, de cada 10 profissionais consultados, 7 dizem estar insatisfeitos com a carreira ou o emprego e gostariam de trocar de função ou empresa. Na prática, a produtividade e a satisfação profissional têm forte relação com a adequação do perfil de cada um ao cargo que ocupa e com a sua motivação. Para ser bem-sucedido, você deve priorizar um trabalho que dê condições de satisfazer suas motivações não apenas no curto, mas no médio e longo prazos.

As empresas oferecem quatro grandes fatores motivacionais: dinheiro, segurança, aprendizado e reconhecimento. Cada indivíduo tem necessidades em diferentes intensidades. Alguns desejam ganhar mais dinheiro, outros preferem um trabalho que proporcione segurança, com uma carreira mais estável. Outros julgam o aprendizado como fator mais importante e há aqueles que veem o reconhecimento como condição mais importante. Portanto, é fundamental identificar a fórmula que a companhia realmente oferece.

O problema é que a maioria das empresas não deixa isso claro e é você quem terá de analisar a importância de cada motivador que lhe é oferecido. A fórmula para isso tem a ver com a estrutura, os valores e a cultura da organização, e não com o discurso. Antes de aceitar uma proposta de emprego, pesquise o funcionamento da empresa. Há casos de bons profissionais que abandonaram um emprego estável e seguro em virtude de uma proposta de salário melhor, de promessas de ascensão meteórica ou de treinamento intensivo, mas, meses depois, descobriram que haviam entrado em uma furada.

Infelizmente, há pessoas sem escrúpulos que costumam recrutar profissionais de primeira linha apenas para aproveitar sua expertise por alguns meses e depois os dispensam sem direito a quase nada do que foi prometido. Assim sendo, fique atento! Depois da última entrevista de seleção (logo após receber a proposta de trabalho), peça para conversar com algumas pessoas da empresa, sobre como funcionam as coisas por lá. Procure descobrir há quanto tempo trabalham os funcionários mais antigos.

Analise o perfil de quem tem dado certo, como é a cultura, quais são os benefícios oferecidos, quem são os clientes e qual é a reputação da instituição no mercado. Empresas sérias não se opõem e muitas até incentivam esse tipo de iniciativa. Munido de todas essas informações, será muito mais fácil entrar em uma companhia que tenha relação com seu perfil e com seus motivadores profissionais.

*Eduardo Ferraz é consultor em Gestão de Pessoas há 25 anos e autor do recém-lançado Negocie qualquer coisa com qualquer pessoa, pela Editora Gente.



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa