Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Como estimular a “boa” política e evitar que a politicagem domine a sua empresa

Como estimular a “boa” política e evitar que a politicagem domine a sua empresa

26/03/2021 Niviani Rudek

Muitas empresas buscam ser bem-sucedidas em suas atividades e projetos e, para isso, buscam recursos humanos, financeiros e a estrutura necessária para realizá-los.

Mas para o bom andamento da resolução de problemas em uma empresa, há outras dificuldades, especialmente em relação à convivência e ao comportamento entre os profissionais.

Seja para a aceitação de uma determinada ideia, projeto ou até mesmo para a adoção de medidas efetivas para o futuro de uma empresa, a política está presente.

Afinal, faz parte da política a boa capacidade técnica, poder de convencimento e persuasão e boa capacidade de negociação, articulação e diálogo. Mas é preciso tomar cuidado para que isso não se transforme em politicagem.

A politicagem diz respeito a utilizar do famoso “jeitinho” para que uma determinada ideia ou projeto se sobressaia e para que atenda a um determinado projeto individual ou de um grupo específico.

Ela também diz respeito ao abuso de uma determinada “autoridade” sobre outra na mesma empresa ou à utilização de práticas antiéticas.

Para que isso a empresa possa superar isso, os líderes precisam estar atentos às suas equipes, competências e personalidades e mostrar os benefícios e contribuições para que as ações voltadas para o bem comum podem trazer.

A partir disso, quatro pontos são importantes para que a “boa política” ganhe espaço na empresa.

- O primeiro é a coerência entre o discurso e a realidade. As novas gerações buscam transparência e exigem que a teoria esteja aplicada à prática em relação às atividades do dia a dia, aos princípios e à missão da empresa.

Os colaboradores cobram por isso e precisam estar alinhados ao que a empresa pensa e à forma como age.

- No segundo ponto é importante que os colaboradores deixem o ego de lado e busquem o melhor para a empresa. Por mais que uma determinada pessoa esteja em um nível hierárquico maior ou tenha mais experiência não vai estar necessariamente certa o tempo inteiro.

É importante não se preocupar em ganhar sempre (uma discussão ou uma ideia), mas ter empatia e reconhecer a capacidade da equipe.

- Em terceiro, é essencial a capacidade de ouvir. Ao ouvir novas ideias e compreender novas visões de mundo de maneira sincera e agregadora, um líder aumenta significativamente a chance de influenciar e ser influenciado. Todos sempre têm algo a acrescentar e, dessa maneira, toda a empresa evolui.

- Por último, é importante lembrar que não se deve confundir as diferenças de ideias profissionais com a questão pessoal.

Uma discordância em uma questão profissional, especialmente, com um líder, deve ser vista como uma divergência apenas naquele determinado ambiente e não como uma ofensa. Separar os dois ambientes proporciona a diversidade de ideias e crescimento profissional das equipes.

A existência desses atritos pode ser identificada com certa facilidade mas a resolução desses problemas pode ser mais difícil.

Os métodos da Gestão de Mudanças podem trabalhar isso de maneira eficiente, buscando identificar problemas e superar conflitos através de técnicas de comunicação e gestão de pessoas.

Dessa maneira, o objetivo é que os colaboradores e líderes se tornem mais engajados, com foco na superação de limitações e oferecendo elementos para que as diferentes capacidades técnicas das equipes possam se complementar.

É importante que a política esteja presente nas ações da empresa, mas que seja aquela que possa causar uma influência com ética e de forma legítima, com valores e propósitos que beneficiarão a todos.

Quando colaboradores e líderes trabalham em conjunto e são valorizados e devidamente ouvidos, o resultado será um melhor desempenho e o crescimento comum da empresa (e, consequentemente, crescimento profissional de todos os envolvidos).

* Niviani Rudek é diretora de operações da Gateware.

Para mais informações sobre gestão clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Assessoria de imprensa Gateware



Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?


Anedotas com pouca graça

Uma anedota, de vez enquanto, cai sempre bem; como o sal serve para temperar a comida, a anedota também adoça a conversa ou o texto.