Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Como evitar o endividamento familiar?

Como evitar o endividamento familiar?

15/05/2018 Dora Ramos

Ainda sofrendo com os reflexos da crise econômica no país, muitas pessoas apresentam dificuldades para quitar as dívidas e sair do vermelho.

 De acordo com a Pesquisa Nacional de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), divulgada em abril pela Confederação Nacional do Comércio (CNC), 60% das famílias brasileiras estão endividadas e não conseguirão pagar as contas deste mês.

Já o percentual de famílias inadimplentes, ou seja, que já têm contas atrasadas, chega a 25% do total. A maioria das despesas, segundo a pesquisa, vem do cartão de crédito: 76,1% dos entrevistados afirmam que têm dívidas em abril. A falta de um planejamento financeiro estruturado é uma das razões que pode explicar o endividamento das famílias. Mas como se organizar e evitar o acúmulo de contas?

O primeiro passo é evitar gastos desnecessários e supérfluos que podem comprometer o orçamento familiar. Apesar de ser uma tarefa difícil, é essencial resistir às ofertas do comércio e cortar os exageros para reduzir as despesas atuais.

Uma dica é colocar todos os gastos essenciais no papel para entender o que pode ser abandonado e o que é imprescindível para a família. Mensure em uma planilha de custos quanto do seu rendimento vai para o pagamento de contas básicas (luz, água, telefone, supermercado); quanto vai para outros gastos constantes (impostos, prestação do apartamento/carro, combustível, plano de saúde); e quanto sobra para o “poder de compra”. Neste momento, o ideal é ter uma conversa com todos os membros da família para que, juntos, consigam chegar a um acordo.

Mas, para garantir que esse processo funcione dentro de casa, é necessário ter um controle de gastos e um bom planejamento durante o ano inteiro. Afinal, é comum que apareçam despesas imprevistas que exijam desprender um valor maior do que o esperado. Nestes casos, uma reserva financeira para situações de urgência poderá fazer toda a diferença.

As compras com cartão de crédito também têm papel decisivo no comprometimento do orçamento. Por isso, o ideal é evitar ao máximo as parcelas infinitas oferecidas pelo comércio, já que elas podem prejudicar a organização das finanças.

Para sair do vermelho e ter um ano mais tranquilo, o importante é garantir que as despesas da família nunca sejam maiores do que os ganhos. Isso só é possível quando todos os integrantes colaboram com o controle de gastos e conseguem traçar um bom planejamento para evitar o acúmulo de dívidas.

* Dora Ramos é especialista em Contabilidade, orientadora financeira e diretora responsável pela Fharos Gestão Empresarial.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.