Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Como identificar um funcionário improdutivo?

Como identificar um funcionário improdutivo?

21/09/2016 Christian Barbosa

O primeiro passo é entender que podemos tornar qualquer pessoa mais produtiva.

Como identificar um funcionário improdutivo?

Frequentemente sou questionado sobre como identificar um profissional com problemas de produtividade e de que maneira é possível resolver isso.

Essa pergunta tem várias respostas e diversas abordagens, porém sempre ressalto que o primeiro passo é entender que podemos tornar qualquer pessoa mais produtiva.

Isso ocorre porque, da mesma maneira que conseguimos transformar o planejamento das atividades e renovar a energia diária, podemos interferir na forma como uma pessoa produz.

Basta identificar o problema e investir em técnicas que ajudem a estimular o desenvolvimento profissional. Para auxiliar nessa tarefa, selecionei algumas maneiras de identificar um profissional improdutivo e destaquei ações que vão corrigir esse problema. Confira:

Mais desculpas do que resultados – As pessoas produtivas dão um jeito de fazer as coisas acontecerem, diferentemente daquelas que não fazem e procuram desculpas, culpam os outros ou, simplesmente, deixam passar. Essa é a grande diferença entre os profissionais.

Tendência a ser medroso - O funcionário improdutivo é muito medroso. Geralmente, ele tem o hábito de dizer que não realizou determinada tarefa por conta de inúmeros problemas ou que achou melhor fazer diferente. No entanto, em grande parte das vezes, esse medo é um perfeccionismo, uma forma de não querer errar, o que prejudica a produtividade. Por isso, é papel do líder definir o caminho que o profissional deve seguir, às vezes esse medo surge porque o gestor não ajuda a criar confiança.

Faz hora extra muitas vezes – O profissional que não consegue realizar suas atividades no horário de expediente acaba fazendo hora extra. No entanto, existe uma linha tênue entre a falta de horas e a falta de produtividade. É difícil entender isso, a recomendação é fazer uma análise básica de quanto tempo você demoraria para realizar determinado trabalho, acrescentar mais 30% ao tempo total e avaliar se o profissional está dentro dessa linha base.

Converse e encoraje a melhora - Ao entender os pontos que levam o profissional à improdutividade, chame para uma conversa e dê argumentos para ele performar melhor no ambiente de trabalho. Entenda que é preciso dar mais confiança, delegar melhor as tarefas e deixar claro como as coisas devem acontecer.

Dê um treinamento de produtividade – Essa é uma iniciativa que ajudará o profissional a criar um modelo produtivo. Um curso de produtividade mostrará ao profissional como é possível tornar todas as tarefas viáveis e, consequentemente, resultará em uma melhora na execução diária.

Dê chances para essa pessoa – Antes de desligar o profissional da equipe, converse com ele uma, duas, três vezes. Chamo isso de regra tríade da admissão e da demissão: quando a pessoa tem muitos problemas, dê três feedbacks. Caso isso não resolva, aí sim é hora de demitir. Essa é uma ação importante para não prejudicar os demais, pois, ao manter um funcionário que não apresenta resultados eficientes, você favorece aquele que não é produtivo e desamina os bons profissionais.

Essas são apenas algumas dicas para avaliar o seu profissional e entender como é possível acabar com a improdutividade. Claro que o assunto é extenso e existem inúmeras estratégias, no entanto, é importante identificar quem são aqueles que não apresentam resultados eficientes na sua equipe e trabalhar na solução disso, evitando que os demais sejam contaminados pelo baixo rendimento.

*Christian Barbosa é especialista no Brasil em administração de tempo e produtividade.



Startups ampliam o mercado de trabalho jurídico

Segundo a Associação Brasileira de Startups (Abstartups), temos atualmente no Brasil 12.700 dessas empresas, número 20 vezes superior se compararmos com 2011, quando eram contabilizadas 600.


Aprendizados durante a pandemia e a importância da inovação para o mercado

O momento atual tem sido de muito aprendizado para todos.


Eca 30 anos: o que mudou nas nossas vidas?

No bojo da redemocratização do país nas décadas de 1980, 1990, muitas mudanças ocorreram para a melhoria da sociedade que vivemos.


Como músico, advogado e padre, saíram de boa

Quando, em 1945, os americanos ocuparam Garmish, um jeep, cheio de soldados, estacionou, à porta da casa de Richard Strauss.


Queremos mesmo extinguir o dinheiro?

Com o aumento do uso de meios de pagamentos digitais, não raras vezes se ouve no debate público a afirmação de que, no futuro, o ideal seria extinguir o dinheiro em espécie.


Assalto a banco, prisão perpétua e pena de morte

O país volta a ser sacudido pelos ataques de grupos armados a agências bancárias, transportadoras de valores, carros-fortes e outros lugares onde são armazenadas elevadas somas em dinheiro.


Empresas existem para cuidar das suas comunidades

Certa vez, me pediram para dar aula de Teoria Geral da Administração para uma turma de 1º ano de graduação.


Como fazer o planejamento financeiro pós-pandemia e para 2021

O planejamento financeiro tornou-se fundamental no mundo pós-pandemia.


Pandemia, juros baixos e a retomada do setor imobiliário

Assim como em outros setores, entre a segunda quinzena de março e o fim de maio, ocorreu um bloqueio total do mercado imobiliário por conta do desconhecimento da pandemia.


Feliz Dia do Síndico

Em comemoração ao Dia do Síndico, este artigo de opinião procura estimular uma profunda reflexão sobre o verdadeiro papel do síndico e do próprio comportamento na figura do representante do condomínio junto à sociedade.


A saúde mental dos seus colaboradores pede atenção

O ano de 2020 foi muito conturbado, com diversos acontecimentos.


A diferença entre o artista e o empresário

Em primeiro lugar, deixe-me esclarecer: quando se fala em artista no mundo dos negócios, se fala no profissional ou técnico que tem determinado conhecimento específico ou habilidade.