Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Como ler o Articulista

Como ler o Articulista

26/11/2020 Humberto Pinho da Silva

Teixeira de Pascoais, grande poeta de Amarante, que faleceu em 1952, dizia: “Escrevendo, cedo apenas a uma necessidade espiritual de revelação ou confissão.” - “S. Jerónimo”

É a “necessidade” da maioria dos que escrevem, em prosa ou verso. Escrever é comunicar; conversar com o leitor.

Várias vezes ouvi, o grande jornalista Costa Barreto, de: “O Comércio do Porto”, afirmar: “O jornal não tem leitores, mas sim os colaboradores”.

Também Lopez-Pedraz, disse: “As razões convencem o homem, mas é o homem que escolhe as razões, que o convencem. E, naturalmente as escolhe de acordo com aquilo que quer convencer-se.”

Eu sei, ao emitir opiniões posso influenciar os que possuem sensibilidade igual ou semelhante à minha. São os cronistas, muitas vezes, a voz, dos que não têm ou não querem ter voz.

Não é fácil escrever, para o público. Havia, no tempo de meus avós, velho adágio, que rezava, mais ou menos, assim: “Quem edificou na praça, a muito se aventurou: uns dizem, que alta é; outros, de baixa não passou”.

Nem tudo que escrevo, agradará ao leitor. Mas também não escrevo para agradar ou convencer, seja quem for. Cada qual, ao ler-me, deve pensar assim: concordo ou não, com o que diz, e reflectir.

Certa ocasião, jovem estudante, referindo-se às minhas crónicas, publicadas in: “O Correio do Ribatejo”, enviou-me carta aberta, dizendo assim:

“Quando o leio, nem sempre concordo com o que diz; mas faz-me pensar. Confronto, então, com o meu parecer. Isso torna-me mais madura, e faz-me crescer e reflectir."

“Quantas vezes, concluo: estava equivocada! Nunca analisei, o tema, por essa faceta…” É o jeito inteligente, como se deve ler os meus textos, e dos outros cronistas; com espírito crítico: “Está certo ou errado?”

Este modo de ler, chamo: ler com inteligência, e ajuda a melhor compreender a colectividade.

* Humberto Pinho da Silva




Ações mais comuns na Justiça do Trabalho

O ano que passou não foi fácil para o trabalhador. O desemprego aumentou.


Síndrome de Tourette: o popular tique nervoso

A Síndrome de Tourette é pouco conhecida e atinge apenas 0,6% da população em geral. É popularmente conhecida como “tique nervoso”.


Quanto você pagaria por uma vacina contra a Covid-19?

A Constituição brasileira prevê que a saúde é direito de todos e dever do Estado (art. 196), mas permite expressamente a atuação da iniciativa privada no setor (art. 199).


Janeiro Branco

Todo cuidado conta! Em 2014, na cidade de Uberlândia, Minas Gerais, o psicólogo Leonardo Abrahão idealizou a companha conhecida como "Janeiro Branco".


A arte de escrever para crianças

Escrever para crianças, é arte delicada que poucos dominam.


2021, o ano das bolsas

O ano de 2021 deverá ser um dos melhores anos para os investidores do mercado de ações; entretanto, existe uma combinação de fatores que devem ser analisados ainda em 2020, principalmente para os que desejam começar a investir ainda neste ano.


Agro é vida – Adube um meio ambiente melhor

Os adubos são caminho seguro para aumentar a produção das culturas e, assim, colocar mais alimento à mesa.


A CPMF e o imposto da janela

Em 1696, os britânicos encontraram uma maneira criativa de um novo imposto e começaram a taxar as janelas.


Sementes de esperança

Em 1500, quando, na carta-relatório do Descobrimento do Brasil ao rei português D. Manoel, o escriba Pero Vaz de Caminha relatou que "aqui em se plantando tudo dá", jamais poderia imaginar que, 520 anos depois, um bem intangível de imenso valor também estaria brotando de nossa abençoada terra: a esperança.


Antes inimigos declarados, bancos começam a flertar com o Bitcoin

Estamos vivenciando um momento único na humanidade e também na história do Bitcoin.


São Sebastião, o mártir da perseverança

São Sebastião foi martirizado na última e pior perseguição do Império Romano, que foi a de Diocleciano, por volta do ano 300 d.C.


Vidas perdidas por falta de gestão profissional

Esperança é o sentimento deste início de 2021.