Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Como o tempo influencia nas suas decisões e vice-versa?

Como o tempo influencia nas suas decisões e vice-versa?

17/09/2016 Luciano Zorzal

Quem tem tempo hoje em dia? Praticamente, ninguém. Estamos sempre correndo, executando.

Afinal, “atitude” é a palavra do momento. Contudo, parar um pouco, respirar e fazer algumas reflexões básicas é uma atitude extremamente importante que você deve adotar agora mesmo.

Você sabe onde quer chegar? Quais são seus objetivos? Quais rumos deseja para sua carreira? Para tomar decisões acertadas é preciso fazer uma leitura correta tanto do mundo à sua volta, quanto de você mesmo, pois no mercado não há lugar para profissionais medianos.

É preciso ousar e ter conteúdo, mas esses valores só são possíveis se buscados com propósito e dedicação. Por isso, é tão importante amar o que se faz. Quando vivemos na correria, as coisas vão acontecendo e, muitas vezes, não paramos para pensar sobre nossas decisões.

Isso, talvez, porque temos a falsa sensação de que, agindo assim, não nos sentiremos responsáveis caso algo dê errado. Com a reflexão, o peso fica maior, a responsabilidade aumenta. Afinal, foi uma escolha e, portanto, existe uma relação direta de responsabilidade.

As decisões podem ser tomadas por você ou pelos outros. Você que decide qual risco quer assumir. Se a decisão for sua, experimente separar um tempo, ainda que pouco, para refletir sobre sua carreira. Muitos investem anos em uma faculdade, sem talvez, ter pensado pelo menos algumas horas, se é aquilo mesmo que queriam.

A boa notícia é que, por incrível que pareça, sempre há tempo para reavaliarmos. Como você já sabe, o tempo é relativo. Portanto, tudo depende do referencial que você adotar. Estamos falando do tempo que teremos para viver e não do que já vivemos.

Não interessa quando nascemos, mas sim quando concluiremos nossa missão aqui na Terra, o que felizmente, não sabemos. Portanto, há tempo! Imagine, por exemplo, um profissional de 40 anos. Insatisfeito com suas atividades e seus resultados, ele decide mudar o rumo de sua carreira.

Escolhe fazer um novo curso superior, uma decisão acertada e madura. Estuda cinco anos e, graças a qualidade da sua escolha, passa a trabalhar mais motivado. Passam 24 anos e ele ainda tem 70 e muito mais para viver ainda.

Com a atual dinâmica do mercado de trabalho e o aumento da expectativa de vida, esse personagem só comprova uma tendência cada vez mais forte, a de trocar de carreira ao longo da vida. Você mesmo pode ser prova disso, visto que é bem provável que você tenha mais de uma profissão ao longo da sua vida. Bem vindo ao mercado de trabalho!

* Luciano Zorzal é palestrante, consultor, diretor de expansão da Zorzal Franquias e sócio-fundador da Zorzal Consultores & Auditores Associados.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.