Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Como proceder em caso de erros médicos?

Como proceder em caso de erros médicos?

10/04/2015 Sérgio Almeida Ribeiro

Medicina avançada e profissionais competentes não impede que alguém seja vítima de erro médico.

Primeiro, é preciso saber que há dois tipos de responsabilidade civis que podem ser aplicadas em casos de erros médicos. Na subjetiva, denominação jurídica, é preciso provar que o profissional foi imprudente, negligente ou incompetente no trabalho que se propôs a fazer. Já na responsabilidade objetiva, basta que tenha havido o dano, sem comprovação de culpa, para conseguir a indenização.

Os eventuais erros decorrentes das relações de prestação de serviço que se dão diretamente entre o profissional (médico) e o consumidor (paciente), se enquadram nos casos de responsabilidade subjetiva, ou seja, o paciente deve comprovar que sofreu dano e a existência da ligação entre o dano sofrido e a culpa do médico. Vale destacar que enquadram-se em responsabilidade do médico os erros de técnica e diagnóstico, erros de prognóstico, preenchimento inadequado do prontuário, insuficiência de documentação dos procedimentos e a chamada iatrogenia, que nada mais é do que qualquer sequela ou consequência negativa para o paciente, derivada de tratamento médico.

Tais condutas são impróprias do médico e podem determinar sua responsabilidade pelos danos causados ao paciente. É importante ressaltarmos que o paciente também deve prestar todas as informações ao médico para que ele possa se assegurar e evitar todos os riscos que possam ser causados pelo uso de medicamentos ou por procedimentos. Por exemplo, em casos de realização de alguma cirurgia, caso o paciente tenha feito uso previamente de algum tipo de droga ilícita, tal informação deve ser repassada ao médico, já que alguns anestésicos causam reações indesejáveis, podendo, inclusive, levar a morte.

E, neste caso, a sonegação de informação por parte do paciente exclui qualquer responsabilidade do clínico. No caso do erro médico ser decorrente da prestação de serviço coberta por alguma operadora de plano de saúde, a Justiça entende que a responsabilidade civil é solidária, ou seja, o profissional e a empresa respondem juntos. Nesses casos, para que se configure o pagamento de indenização, é obrigatório ao paciente comprovar a culpa do médico. Já quanto à empresa, a demonstração de culpa é dispensável. Por fim, o paciente vítima de erro médico tem que estar atento ao prazo de prescrição, que nos termos da lei civil é de três anos. É importante guardar todos relatórios e exames indicados pelo médico, como também, obter junto à clínica e/ou hospital o prontuário médico. Esses documentos auxiliam o juiz na hora de julgar o caso.

* Sérgio Almeida Ribeiro é Doutorando em Direito Processual Civil pela PUC/SP e Mestre em Direito Processual Civil na PUC/SP.



Vencido o primeiro desafio da LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) regulamenta o tratamento de dados de pessoas físicas nas suas mais variadas aplicações e ambientes.


Telemedicina, fortalecimento do SUS e um primeiro balanço da pandemia

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, alertou Camões. Todo o mundo é feito de mudanças.


Médico: uma profissão de risco

Estudar medicina é o sonho de muito estudantes, desde o cursinho o futuro médico se dedica a estudar para conseguir entrar no super concorrido curso de medicina.


Como a quarentena provocou o êxodo urbano para cidades que oferecem mais qualidade de vida

A pandemia e as medidas de isolamento social fizeram com que as pessoas precisassem adaptar a rotina de trabalho, estudos, lazer e até de saúde, trazendo estas atividades para dentro de casa.


A era do fogo chegou

Pantanal, um dos biomas com maior biodiversidade do mundo, já teve 16% de todo território queimando.


Autoconhecimento: uma regra de ouro da vida

Há quem os critique, há quem os ame; eles já me resgataram do fundo poço e lhes sou grata: os livros de autoajuda.


Você tem curso universitário?

Naquela macia manhã de domingo, fui com meu pai, à missa, na igreja de Santíssima Trindade.


Voto é interesse. Não é direito, nem dever…

A partir desta quarta-feira (16), os mais de 5600 municípios brasileiros já conhecem os homens e mulheres que pretendem governá-los ou ser vereadores entre 01/01/2021 e 31/12/2025.


7 tendências em Analytics que estão mudando a área financeira

Segundo a consultoria McKinsey, mais de 90% dos 50 principais bancos do mundo utilizam, de forma avançada, a tecnologia de análise de dados, também conhecida como Analytics.


Para matar a sede por informação, Estatística!

É quase um clichê em Administração afirmar que a gestão e a tomada de decisão devem ter suporte em dados e informações.


Surgem os candidatos. Escolham o melhor…

Termina na quarta-feira, dia 16, o prazo para as coligações e partidos políticos escolherem, em convenção, seus candidatos a prefeito e vereador, para as eleições que este ano, por conta da Covid 19, foram adiadas de outubro para novembro.


Pela manutenção do teto de gastos

Limitar as despesas públicas para evitar que o Governo gaste mais do que tenha capacidade de arrecadar e de pagar.