Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Como se preparar para o mercado de trabalho: novos desafios

Como se preparar para o mercado de trabalho: novos desafios

25/08/2016 Dulce Braz

Preparar é “deixar pronto”, “trazer à frente”, “fazer aparecer”.

Como se preparar para o mercado de trabalho: novos desafios

E é isso que a Leaders Intelligence Outplacement e Transição de Carreiras vem fazendo há 20 anos no mercado de recolocação de executivos, ao identificar, através das variadas ferramentas de assessment, o diferencial dos seus candidatos, mas também os seus “gaps”, seja na apresentação dos currículos, nas competências, na comunicação, na apresentação pessoal/profissional, em seu networking.

Claro que os executivos que ali chegam, já estiveram preparados para o mercado de trabalho. No entanto, muitas das vezes, essas pessoas passam um tempo significativo dentro de empresas e, na maioria dos casos, se acomodam no seu fazer e no seu nicho de conhecimento e prática.

Com a velocidade das informações e mudanças próprias da nossa atualidade, quando esse profissional volta para o banco daqueles que precisam ser recolocados no mercado, surge uma insegurança em vários aspectos.

Exemplo: o profissional que, por 10 anos, ficou em um fazer profissional que não lhe exigia inglês (ou outro idioma) fluente e, agora, muitas das vagas que lhe surgem, requerem o domínio avançado do idioma. No mercado profissional, um segundo idioma é uma exigência básica.

Na maioria dos casos, é inglês, tanto que isso deixou de ser diferencial. A Education First, em uma pesquisa com diretores de Recursos Humanos, revelou que, para os 80% dos 100 diretores entrevistados, a fluência em inglês é essencial para assumir cargos exponenciais.

Um outro exemplo, agora na área de gestão, por exemplo, pode deixar alguns candidatos preocupados com sua performance e exige reposicionamento e preparação teórica e de interiorização de conceitos. É o caso, por exemplo, de candidatos que passaram muitos anos em cargos de chefias, em empresas que privilegiam um estilo de dominância autocrática e foco prioritário em processo e, agora, em período de transição, esse tipo de candidato se depara com empresas modernas que buscam um estilo de liderança mais interativo e empático com seus liderados, foco nas pessoas, pela simples constatação de que pessoas envolvidas e tratadas como parceiras e não subordinadas dão mais lucros e menos problemas paralelos e consequentes como desinteresse, apatia, absenteísmo, prejuízos na produção.

Como mostra o Relatório Situacional do local de trabalho do Instituto Gallop (2013), liderança é um serviço que os funcionários de uma organização compram ou não compram. Nesse caso, quem fornece a vaga para o profissional em transição de carreira, é a empresa de Outplacement e, sabendo das particularidades das suas empresas parceiras que estão contratando, vai preparar o cliente que busca recolocação, nos aspectos comportamentais, com as ferramentas que dispõe de verificação de perfil comportamental e de possibilidade de desenvolvimento de novas concepções, de desenvolvimento de potencialidades e novas habilidades para lidar com seus pontos fracos.

Esse período de transição, se bem usado, é um excelente tempo de conhecimento de si mesmo, desenvolvimento de novas reflexões, leituras, estudos, análise do mercado, reformulação do currículo, rede de contatos, projetos pessoais e profissionais mais alinhados com outros aspectos de suas vidas, como família, lazer e saúde.

* Dulce Braz – Leaders Outplacement – Transição de Carreiras.



Direita ou esquerda? Atenção aos atalhos!

Você deve estar pensando: lá vem mais um textão sobre reflexões políticas. Mas não é disso que vamos tratar aqui.


George Floyd: o racismo não é invencível

Na cidade de Minneapolis nos Estados Unidos, no dia 25 de maio de 2020, assistimos mais um triste e vergonhoso capítulo da violência policial contra um homem negro.


Quem lê para os filhos compartilha afetos

Neste momento em que tantas crianças aqui e mundo afora estão isoladas em casa, longe de colegas, amigos e com uma nova rotina imposta, é muito importante que os pais leiam para elas.


SUS: o desafio de ser único

Começo pedindo licença ao economista Carlos Octávio Ocké-Reis, que é doutor em saúde coletiva, para usar o nome de seu livro como título deste artigo.


Poderes em conflito – Judiciário x Executivo

Os Poderes da união que deveriam ser independentes e harmônicos entre si, cada qual com suas funções e atribuições previstas na Constituição, nos últimos dias, não têm se mostrado tão harmônicos.


A Fita Branca

Em março de 1963, um ano antes do golpe que defenestrou o governo populista de João Goulart, houve um episódio que já anunciava, sem ranhuras, o que estava por vir.


Como ficarão as aulas?

O primeiro semestre do ano letivo de 2020 está comprometido, com as crianças, adolescentes e jovens em casa, nem todos entendendo bem o que está acontecendo, principalmente as crianças menores.


Dizer o que não se disse

A 3 de Janeiro de 1998, Fernando Gomes, então Presidente da Câmara Municipal do Porto, apresentou o livro de Carlos Magno: “O Poder Visto do Porto - e o Porto Visto do Poder”.


Pegando o ônibus errado

Certo dia, o cidadão embarca tranquilamente na sua costumeira condução e, quadras depois da partida, em direção ao destino, percebe que está dentro do ônibus errado.


Resiliência em tempos de distanciamento social

Em meio à experiência que o mundo todo está vivendo, ainda não é possível mensurar o impacto do distanciamento social em nossas vidas, dada a complexidade desse fenômeno e a incerteza do que nos aguarda.


Nasce a organização do século 21

Todos sabemos que a vida a partir de agora – pós-epidemia ou período de pandemia, até termos uma vacina – não será a mesma.


Luto e perdas na pandemia: o que estamos vivendo?

Temos presenciado uma batalha dolorosa em todo o mundo com o novo coronavírus (COVID-19).