Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Como se preparar para o mercado de trabalho: novos desafios

Como se preparar para o mercado de trabalho: novos desafios

25/08/2016 Dulce Braz

Preparar é “deixar pronto”, “trazer à frente”, “fazer aparecer”.

Como se preparar para o mercado de trabalho: novos desafios

E é isso que a Leaders Intelligence Outplacement e Transição de Carreiras vem fazendo há 20 anos no mercado de recolocação de executivos, ao identificar, através das variadas ferramentas de assessment, o diferencial dos seus candidatos, mas também os seus “gaps”, seja na apresentação dos currículos, nas competências, na comunicação, na apresentação pessoal/profissional, em seu networking.

Claro que os executivos que ali chegam, já estiveram preparados para o mercado de trabalho. No entanto, muitas das vezes, essas pessoas passam um tempo significativo dentro de empresas e, na maioria dos casos, se acomodam no seu fazer e no seu nicho de conhecimento e prática.

Com a velocidade das informações e mudanças próprias da nossa atualidade, quando esse profissional volta para o banco daqueles que precisam ser recolocados no mercado, surge uma insegurança em vários aspectos.

Exemplo: o profissional que, por 10 anos, ficou em um fazer profissional que não lhe exigia inglês (ou outro idioma) fluente e, agora, muitas das vagas que lhe surgem, requerem o domínio avançado do idioma. No mercado profissional, um segundo idioma é uma exigência básica.

Na maioria dos casos, é inglês, tanto que isso deixou de ser diferencial. A Education First, em uma pesquisa com diretores de Recursos Humanos, revelou que, para os 80% dos 100 diretores entrevistados, a fluência em inglês é essencial para assumir cargos exponenciais.

Um outro exemplo, agora na área de gestão, por exemplo, pode deixar alguns candidatos preocupados com sua performance e exige reposicionamento e preparação teórica e de interiorização de conceitos. É o caso, por exemplo, de candidatos que passaram muitos anos em cargos de chefias, em empresas que privilegiam um estilo de dominância autocrática e foco prioritário em processo e, agora, em período de transição, esse tipo de candidato se depara com empresas modernas que buscam um estilo de liderança mais interativo e empático com seus liderados, foco nas pessoas, pela simples constatação de que pessoas envolvidas e tratadas como parceiras e não subordinadas dão mais lucros e menos problemas paralelos e consequentes como desinteresse, apatia, absenteísmo, prejuízos na produção.

Como mostra o Relatório Situacional do local de trabalho do Instituto Gallop (2013), liderança é um serviço que os funcionários de uma organização compram ou não compram. Nesse caso, quem fornece a vaga para o profissional em transição de carreira, é a empresa de Outplacement e, sabendo das particularidades das suas empresas parceiras que estão contratando, vai preparar o cliente que busca recolocação, nos aspectos comportamentais, com as ferramentas que dispõe de verificação de perfil comportamental e de possibilidade de desenvolvimento de novas concepções, de desenvolvimento de potencialidades e novas habilidades para lidar com seus pontos fracos.

Esse período de transição, se bem usado, é um excelente tempo de conhecimento de si mesmo, desenvolvimento de novas reflexões, leituras, estudos, análise do mercado, reformulação do currículo, rede de contatos, projetos pessoais e profissionais mais alinhados com outros aspectos de suas vidas, como família, lazer e saúde.

* Dulce Braz – Leaders Outplacement – Transição de Carreiras.



Educação e civilidade faltam a parlamentares federais

Educação e civilidade são o mínimo que se espera de um parlamentar.


O brasileiro e o contexto sociopolítico

O brasileiro é conhecido por sua alegria e seu jeito de lidar com as adversidades.


A sub-representação no Congresso Nacional

No Congresso Nacional somente 10% dos representantes na Câmara dos deputados são mulheres.


A moralização do Brasil é muito difícil

Ser político no Brasil é um grande negócio, é como acertar na loteria, dadas as vantagens auferidas no presente e no futuro.


Uma análise do acordo Mercosul e União Europeia

As consequências do acordo Mercosul – União Europeia ainda são especulativas


Ordem no Parlamento!

Desde os tempos do impeachment da presidente Dilma Rousseff, o Congresso Nacional tem imposto espetáculos degradantes aos brasileiros.


O lavrador, e o filho Doutor

Quando era moço, muitas vezes ouvi contar a velha história ou anedota, do transmontano, que mandara o filho, estudar, para Coimbra.


Peso Real: moeda única, infortúnio coletivo

Brasil e Argentina são parceiros de longa data.


Benefícios fiscais: concessão e requisitos

O custo fiscal sempre é objeto de discussão, críticas e polêmicas.


O que o Brasil precisa

Todos os brasileiros hoje estão preocupados com os destinos do Brasil.


Cadeirinha: por que a segurança infantil não pode ser item opcional?

Proteger as crianças pequenas e a infância é uma responsabilidade de todos nós


O uso do Crowdfunding para o desenvolvimento de M.V.Ps de startups

O processo de consolidação do chamado Capital de Risco (Venture Capital) é uma realidade cada vez mais evidente no ecossistema empreendedor brasileiro.