Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Como ser mãe e empresária em tempos de epidemia?

Como ser mãe e empresária em tempos de epidemia?

22/07/2020 Simone Las Casas

Desde a chegada da pandemia, minha vida e rotina mudaram completamente.

Cheguei em meu sítio em meados de março e aqui estou até hoje, trabalhando de forma remota. Confesso que nos primeiros 15 dias foi difícil ajustar a rotina, horários e a sensação de estar de "férias".

Logo quando percebi que não iríamos embora tão cedo, resolvi me atentar para alguns detalhes que deveriam ser modificados para que eu pudesse ser produtiva e ao mesmo tempo, aproveitar este momento único que a pandemia nos proporciona.

Trabalho com redes sociais há mais de 5 anos e ainda sou diretora de marketing da Ecogranito faz 3 anos. Sou completamente apaixonada pelo meu trabalho.

Conciliar a rotina de mãe e a carreira profissional não é tarefa fácil. Nossos filhos nos demandam o tempo todo, principalmente, quando estamos próximos.

Eu tenho a sorte de contar com uma babá, que me auxilia a cuidar do meu filho durante o dia e também tenho um marido muito participativo. Mas quando o filho está perto da mãe, ele quer somente a mãe.

Existe uma ligação muito forte e bela nesta relação. No meu caso, o dia tem menos horas, uma vez que Yuri acorda muito a noite e eu acabo tendo que dormir até mais tarde para recuperar o sono perdido.

Acordo então às 8h30 e vou logo fazer algo por mim pela manhã. Minha prática de yoga ou atividade física são essenciais para trazer a energia que eu preciso para o dia.

Estes dias no sítio têm sido maravilhosos, pois posso caminhar ao ar livre, sentindo o sol e observando a natureza. Saio para uma volta, sempre que possível.

Assim que acordo, depois de meditar e tomar o café da manhã com calma e aproveitando um pouco o momento de conexão com o Yuri, olho a agenda do dia e o horário da primeira reunião.

Se não tem nada marcado para a manhã, faço uma atividade física mais completa. Duas ou três vezes por semana, as reuniões vão de 10h ao 12h. E à tarde, de 14h as 17h.

E mesmo que não tenha algum agendamento online, fico em meu "escritório" conferindo os e-mails e pensando em algumas estratégias.

Estar em casa favorece ainda mais a relação com o meu filho e marido. É muito bom poder estar com eles durante o almoço, olhar nos olhos, brincar e esquecer o celular. E então, já é hora de voltar ao trabalho novamente.

Nestes últimos meses, senti que fiquei mais produtiva. Por mais que existam muitas distrações em casa, não ter que me deslocar ou comparecer a vários compromissos pessoais durante a semana, fez com que eu ficasse mais focada no que era preciso ser feito no trabalho.

Consegui colocar a "casa em ordem" e desenvolver vários planos de marketing. Ainda foi possível reestruturar todo o fluxo de automação de e-mails, o que pode gerar um reflexo bastante positivo no setor comercial.

Com um bom planejamento e uma rotina estrutural sendo seguida, ficou bem mais fácil coordenar a agência de marketing e os trabalhos de minha estagiária e de outros colaboradores, que são essenciais para o alcance e sustentação dos resultados positivos da empresa.

Acontece que às vezes, o pequeno só quer o colo da mãe. Não almoça, não quer dormir, chora e faz birra por horas sem parar.

A mãe empresária, que nem sempre está disposta a ouvir tanto choro, pede uma licença da reunião e vai olhar para a sua cria.

Poucas vezes não consegui voltar para a reunião, mas já aconteceu. Nos períodos em que as crianças adoecem ou estão sentindo algum incômodo, o desafio é ainda maior.

Eles exigem cuidado e carinho o tempo todo e só querem a mãe. Sabendo que ela está por perto, porque então não chorar até ser atendido?

Logo no primeiro mês da pandemia, descobri uma nova gravidez. Isso me deixou mais mole, com sono e muito enjoada, mas agora com 4 meses, me sinto bem melhor. Percebo que a minha produtividade já voltou a aumentar.

Vejo que um dos grandes desafios na vida de uma mãe, principalmente, na pandemia, é manter a rotina. Tenho um plano traçado tanto para o dia quanto para a semana, mas me permito ser flexível.

Entretanto, é preciso ficar atento para que esta flexibilidade não se torne relaxamento, o que pode acabar desviando o foco de nossas demandas do dia a dia.

A maternidade é transformadora para a mulher. Não há nenhum aspecto que permanece o mesmo depois que temos filhos. Tudo muda.

E nossa profissão precisa acompanhar esta mudança, que arrisco dizer ser a mais importante de nossas vidas. Muitas mulheres abandonam os seus empregos e profissões para se dedicarem completamente à maternidade.

Outras, desenvolvem grandes projetos e se tornam autônomas de sucesso depois de terem filhos. E isto é a expressão mais autêntica da mudança interna que acontece individualmente.

A pandemia foi uma boa oportunidade de me aperfeiçoar um pouco mais em alguns cursos, que já estava há tempos desejando fazer.

Espero sair de tudo isso mais forte, com mais conhecimento e cheia de vitalidade. Tenho certeza que nada mais será como antes.

No entanto, estou super feliz por ter a oportunidade de enxergar este "novo normal", em que empresas e organizações conseguem ter um olhar mais humano para as famílias e todo o contexto feminino.

* Simone Las Casas é diretora da empresa de revestimentos sustentáveis Ecogranito.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Gestão empresarial e perspectivas para 2022

Após mais um ano de pandemia, a alta administração das empresas priorizou a sobrevivência enquanto teve de lidar com expectativas frustradas.


O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.