Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Como usar o Big Data para alavancar negócio

Como usar o Big Data para alavancar negócio

30/05/2014 Ankur Prakash

Se questionarmos executivos e profissionais de tecnologia, marketing e de gestão podemos afirmar com toda certeza que todos eles possuem muitas expectativas em relação ao Big Data.

Diversas organizações ao redor do mundo começam a criar estruturas e maneiras de aplicar esse conceito inovador e, como consequência, obter retornos significativos para seus negócios. Segundo o estudo de tendências globais de Big Data, publicado pela Tata Consultancy Services (TCS) em 2013, a busca por esse termo no Google passou de praticamente zero e explodiu nos últimos quatro anos.

Os países mais interessados nessa busca são Estados Unidos, Canadá, Índia, Coreia do Sul, Austrália e Brasil, assim como boa parte da Europa Ocidental. Apesar disso o estudo apontou que os investimentos em Big Data ainda estão abaixo do necessário, já que o valor médio por empresa não ultrapassou US$ 10 milhões. Para os executivos a principal característica que dificulta a aplicação de Big Data é cultural, seguida por tecnológica e por último como interpretar os dados e aplicar os resultados nas decisões de negócios.

Então qual o segredo para utilizar o Big Data para produzir grandes negócios? A tecnologia é um desafio, mas esse setor tem crescido muito nas últimas décadas, o que possibilita maior volume, velocidade e variedade para aplicação de Big Data. Hoje temos know how tecnológico suficiente para desenvolver com satisfação esse conceito nas empresas. Mas, para gerar grandes resultados precisamos transpor as barreiras culturais e, principalmente, saber como gerar negócios com tantas informações coletadas. As empresas norte-americanas são as que registram as maiores iniciativas do segmento, sendo que 68% das pesquisadas haviam aplicado Big Data já em 2012.

No Brasil esse número chegou a 46%, um pouco abaixo da média mundial, que atingiu 53%. Porém se levarmos em consideração a verba investida percebemos que esse crescimento ainda está muito aquém do necessário. Naquela época o Brasil investiu somente US$ 3,8 milhões, quase três vezes menos que as potências mundiais. Temos alguns desafios pela frente para conquistar grandes resultados, mas as perspectivas são boas, afinal, segundo esses mesmos executivos, já em 2015 a média de dólares aplicados em Big Data será US$ 17,5 milhões por empresa, um crescimento de 75% se comparado com 2012.

A utilização do Big Data possibilita o crescimento de tal forma que mesmo com poucos investimentos, 80% das empresas que aplicaram essa técnica conseguiram utilizar as informações para melhorar seus negócios e obter maior lucratividade. Além disso, Big Data não é só para os países mais ricos, tampouco para setores específicos. O segmento de energia e recursos é um dos exemplos a serem seguidos. As empresas desse segmento são as que menos investiram nos últimos anos, mas as que mais obtiveram retorno.

Conseguiram criar um modelo que apresentasse resultados significativos. Os números da pesquisa mostra um futuro promissor para o Big Data e os retornos em volume de negócios podem ser imensos. O que é preciso é enxergar o real potencial do conceito e unir os profissionais de tecnologia, os executivos e todos os demais profissionais das organizações, propiciando assim que a grande quantidade de informações coletadas agregue valor à companhia e norteie o rumo dos negócios. Dessa forma entramos na geração do Big Data e do Big Business.

*Ankur Prakash é vice-presidente para a América Latina da Tata Consultancy Services (TCS), empresa líder em serviços de TI, consultoria e soluções de negócios.



Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.