Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Compliance como aliado na estratégia ESG das organizações

Compliance como aliado na estratégia ESG das organizações

21/09/2020 Jefferson Kiyohara

A temática que atende aos princípios ambientais, sociais e de governança, ou seja, o ESG (Environmental, Social and Governance), está em forte evidência.

Apesar de termos ilhas de excelência como a Natura, reconhecida por suas ações nestes três pilares, e alguns bons exemplos e iniciativas em setores como financeiro, agronegócio, automobilístico, energia, mineração e aéreo, infelizmente ainda não estamos num momento em que o ESG está presente e consolidado nas organizações públicas e privadas do Brasil.

E já vimos isto antes. Por exemplo, o compliance anticorrupção e, mais recente, a privacidade com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), não havia nas organizações, mas passou a ter.

Quando pensamos na temática sustentabilidade, este não é um assunto recente e já se faz presente.

Por isso, algumas empresas já possuem o responsável pela temática ESG, enquanto em outras organizações há atribuições descentralizadas e ainda há aquelas que não têm nada estruturado.

Em todos estes cenários, se a organização tiver, ao menos, um gestor de Compliance, ela já tem um importante aliado que pode ser aproveitado.

No pilar "G" de Governança, por exemplo, o Compliance atua de forma direta. Esta é a área responsável pelo código de ética e, tipicamente, pelo canal de denúncias.

O código pode ser um instrumento estratégico para fortalecer e promover as diretrizes corporativas, fomentando uma cultura ética e de respeito ao meio ambiente, à diversidade e às minorias, por exemplo.

O canal de denúncias é chave para a empresa identificar os casos de não conformidade. Em volume de relatos, tipicamente, a maior parte se concentra em casos de assédio e de desvio de comportamento.

A organização precisa ter condições para apurar adequadamente as denúncias recebidas e aplicar as sanções cabíveis.

Ações preventivas, como treinamento, comunicação e pesquisa de cultura de compliance podem suportar a organização no combate ao racismo, à intolerância e ao bullying.

O profissional de Compliance, que já está acostumado a trabalhar em conjunto com outras áreas, como RH e Auditoria Interna, também pode trabalhar em parceria com a área de ESG, Sustentabilidade ou Diversidade. São esforços que se somam quando feitos de forma harmônica e coordenada.

Quando pensamos no pilar "S", de Social, há diversas formas do Compliance ajudar na realização de processos seguros e efetivos.

Ações de responsabilidade social, como doações e patrocínio, por exemplo, devem ser respaldadas por políticas especificas, assim como as mitigações de riscos de terceiros devem ocorrer por meio do processo de due diligence, tendo a devida formalização e prestação de contas.

Sempre que necessário, auditorias devem acontecer para comprovar a aplicação correta dos recursos aportados.

O Compliance tem a preocupação com o atendimento das legislações, das regulamentações aplicáveis ao negócio e com a proteção da reputação da organização, mas não se limita a elas, pois há ainda a questão de ética nos negócios como balizador.

Existem diversas leis e regulamentos que tratam de questões ambientais e trabalhistas e, nestes momentos, assim como o Jurídico, o Compliance pode ser um aliado no atendimento dos pilares ambientais ("E") e sociais ("S"), assim como no mapeamento dos riscos associados.

Sim, é importante lembrar que as organizações precisam mapear e gerenciar os riscos de negócio e a temática ESG precisa estar contida nestes trabalhos.

E os principais riscos listados no último Fórum Econômico Mundial reforçam a necessidade de ter esta preocupação e responsabilidade.

E quando uma organização não tem uma estrutura de ESG? Nestes casos, o Compliance, que tem acesso ao Conselho e à Alta Direção da empresa, pode, a partir do seu trabalho, apontar os caminhos e primeiros passos a serem dados, em especial nos pilares de governança e social.

Pode também empregar a sua experiência prévia em estruturação de Programa de Compliance para ajudar no desenho e adoção deste novo Programa, com foco na questão ESG, e também na estruturação da governança deste Programa.

Sua experiência com ações de engajamento e gestão da mudança também podem ajudar a inserir a temática ESG na cultura organizacional.

E este é um trabalho que pode ser feito em conjunto de outras áreas, como RH, SSMA, Jurídico, Relações Institucionais e Governança.

O Compliance não tem por objetivo a sustentabilidade, mas o seu trabalho colabora para que os negócios sejam sustentáveis e perenes. A ética e o respeito permeiam o Programa de Compliance efetivo, assim como as ações ESG.

E, já que é importante as organizações adotarem o ESG, que isto seja feito usando os melhores recursos disponíveis. E certamente o Compliance pode ser um parceiro relevante nesta nova jornada.

* Jefferson Kiyohara é diretor de compliance na ICTS Protiviti.

Fonte: IMAGE Comunicação



Mutilações Subjetivas: Holocausto Escolar

Indignar-se! Envergonhar-se! Esperançar-se! Já dizia o poeta Walter Franco, “viver é afinar o instrumento (que somos nós!), de dentro pra fora, de fora pra dentro”.


Longevidade e perspectivas na oncologia

As campanhas como Outubro Rosa e Novembro Azul têm o papel essencial de alertar a população para as doenças oncológicas.


Um verdadeiro estadista

Agora, aos 85 anos, completados em maio, a pandemia fez com que Mujica decidisse pela renúncia a um cargo que, como explicou, exige muito contato com a população.


A participação política dos profissionais da educação

Precisamos ser voz daqueles que não tem voz, usar nossa influência para que os parlamentares saibam que sem o voto, eles não podem continuar na vida pública.


O Líder da Consciência Empresarial Humanizada

Iniciei este trabalho sem muita clareza sobre o tema “Quem são os nossos líderes no mundo novo?”.


Aprender português com o Eça

Não sou filólogo nem purista, nem sequer escritor. Limito-me a ser modesto cronista, e deixo fugir – para minha vergonha, – calinadas, que muito me desgostam.


Uma paz ruim é melhor do que uma boa guerra

Em uma edição recente de um jornal, o Embaixador do Azerbaijão fez um esforço para justificar a agressão de seu país – a guerra mais feroz por enquanto do século XXI – contra Nagorno-Karabakh.


O stress e a inadimplência

O cenário econômico brasileiro não é dos melhores.


Fatos, opiniões e a sorte da Democracia

Comecemos com uma afirmação: “verdade é aquilo que não podemos modificar”.


Homenagem a um dos maiores professores de todos os tempos

Uma das mais belas passagens da literatura universal é a descrição do jovem ateniense que pergunta ao seu mestre:


The supreme appointment e seus questionamentos

No dia 18 de setembro, a juíza da Suprema Corte dos EUA desde a década de 1990, Ruth Ginsburg, faleceu em decorrência de um câncer, deixando vago seu lugar.


Uma pandemia…

Vejam algumas das propostas que ganharam relevância na crise e que, se aprovadas, certamente auxiliarão na retomada econômica.