Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Comportamento de cliente influencia em fraudes eletrônicas

Comportamento de cliente influencia em fraudes eletrônicas

29/11/2012 Jeferson D'Addario

Segundo a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) a ocorrência de fraudes eletrônicas bancárias, em 2012, chegará a gerar um prejuízo de R$ 1,4 bilhões aos bancos brasileiros, e o principal fator para este acontecimento é o comportamento do cliente.

Segundo a entidade, por descuido ou falta de conhecimento, os clientes bancários ainda são o alvo principal e as fraudes deste segmento acontecem por meio deles mesmos. Mas, isto ainda é novidade? Ou desculpa para justificar as altas taxas de juros ou de operação?

Com o crescimento do uso da Internet, desde 2000, ou seja, há mais de uma década, compras realizadas por meios eletrônicos, além de outros serviços e funções sendo migrados de TIC (Tecnologia da Informação e Comunicação) para TICI (Tecnologia da Informação, Comunicação e Interatividade) nos próximos 10 anos, creio que esta desculpa não pode mais ser tão simples assim.

É óbvio que os clientes precisam aumentar as defesas nos computadores pessoais, além de mudarem o comportamento em alguns casos. Porém, os bancos precisam mudar as técnicas de conscientização, que são em grande parte textos não muito simples de entender em websites ou cartilhas, semelhantes às distribuídas em agências.

Os bancos precisam entender que apesar da grande maioria já saber utilizar computadores e internet, segurança é algo muito diferente. Eles precisam ser mais ativos e menos orientativos. Bancos viraram commodities, e precisam ser cada vez mais invisíveis. A invisibilidade será sinônimo de confiabilidade e tranquilidade.

Ser menos aparente e ter tecnologias interativas com mais controles biométricos, por exemplo, farão o usuário ser uma opção inviável aos fraudadores. Creio que em um futuro próximo, biometrias e outros dispositivos, como tokens bancários e certificados digitais nativos e integrados, serão mandatórios para clientes, que não precisam entender nada sobre isso, durante ações do dia a dia que envolvem transações financeiras.

Com isso, taxas bancárias precisarão ser reduzidas. Hoje, muitos bancos justificam o investimento nestas novas tecnologias de proteção do patrimônio e do cliente, através destas taxas, por isso que há a justificativa. Isto é teoria do CAOS?

Enfim, clientes são o elo mais fraco, portanto não se trabalha em segurança da informação para o elo mais fraco ou justificando-se através dele. Proteja-o partindo do princípio que é fraco, antecipe, crie meios sinérgicos com o dia a dia dele, para que ele nem saiba que está sendo protegido.

*Jeferson D'Addario, sócio fundador da DARYUS Consultoria.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.