Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Comunicar para melhor auditar

Comunicar para melhor auditar

19/10/2017 Paulo Gomes

Auditar é a arte de comunicar.

Comunicar para melhor auditar

Poucos relacionam o perfil de um auditor interno como um profissional capaz de mostrar predicados no papel estratégico de transmitir informações.

Mas entre as inúmeras revelações desvendadas pela Lava Jato, umas das mais importantes - e quase não abordada pela mídia - é o binômio falta de integração e redundância nas ações dos organismos de controle e fiscalização.

Há um imenso paradoxo entre os maciços investimentos realizados nas últimas duas décadas, em controles e regulações para evitar fraudes, com a enxurrada de barbaridades reveladas pela icônica investigação.

A conta não fecha, mas há explicações: temos muitos organismos não falando a mesma língua e com lampejos perigosos de atuarem ao redor de fogueiras de vaidade. Há um emaranhado de infelizes atropelamentos burocráticos, aliado a absurdos retrabalhos que resultam na ineficácia de diversos sistemas de fiscalização e controle, gerando custos além do necessário.

Qualquer grande empresa está sujeita a avaliação de inúmeros órgãos de revisão, sendo que se for estatal, a checagem quase dobra. Transações, processos, compras e vendas, quase tudo passa por gestores da área, pelo controle interno, compliance e pela própria auditoria interna, que testa o que foi fiscalizado anteriormente, além de fazer uma avaliação abrangente de toda a empresa.

Ela deve interagir com todos esses organismos citados, inclusive pelo comitê de ética e pela ouvidoria. Entram agora no time de combatentes contra desvios de condutas, organismos externos como: auditoria externa, órgãos reguladores e as controladorias municipal, estadual e federal, representadas pela CGU (no âmbito federal) e por tribunais dos municípios (TCM), dos estados (TCE) e da federação (TCU).

Há ainda o Ministério Público, a Polícia Federal, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF), entre diversos outros. Com todo esse aparato para combater irregularidades, parece que vivemos em um cenário seguro, só que não. No país onde o termo miscelânea é fator cultural, não se torna surpresa perceber que a falta de comunicação e integração entre cada poder, dificulta o efetivo combate a corrupção.

Os atributos com a definição de quem é responsável por determinada ação precisam ser mais claros e objetivos. Em meio a tantos coadjuvantes envolvidos nos processos de análise e investigação, surgem brechas que são usadas estrategicamente por fraudadores. Apesar da competência técnica dos órgãos fiscalizadores, a falta de comunicação cria uma colcha de retalhos, repleta de falhas que retratam um sistema de controle amplo, mas incapaz de dar o resultado que a sociedade espera.

O excesso de burocracia também surge como um dos culpados pela fraqueza dos sistemas de controles de riscos. Enquanto áreas ficam travadas, outras se aproveitam do vácuo deixado por atuações incoerentes para cometer os mais criativos e danosos atos ilícitos, desde fraudar licitações até maquiar resultados e balanços.

O retrabalho é tônica cultural em nossa sociedade. Falta agilidade em dar respostas positivas em operações e é preciso evitar que os organismos de controle se esbarrem em processos de avaliações idênticos, reduzindo atropelos e disputas de “egos”.

Se não houver qualidade em comunicação, processos e procedimentos importantes ficarão sem fiscalização, formando um limbo, um terreno vazio que criará margem para oportunidades de desvios de conduta. Em um jogo equivocado, quem perde, claro, é a sociedade que já não aguenta mais tanta ineficácia.

Após a Lava Jato os órgãos fiscalizadores deverão rever a forma de atuar, em busca de uma fórmula que evite sacrificar as áreas produtivas, com excesso de pedidos redundantes e retrabalho.

Se não houver um projeto macro e coeso de comunicação, com treinamento adequado, com uso de tecnologia e integração entre esses órgãos de controle, a ducha de limpeza da Lava Jato terá apenas retirado um pouco da sujeira do caos ético que atinge o país.

Temos que clamar por auditorias integradas, para que sejam efetivas e que não sejam vistas apenas como geradoras de custos, incapazes de evitar graves enfermidades concebidas por fraudes corporativas.

* Paulo Gomes é diretor do Instituto dos Auditores Internos do Brasil – IIA Brasil.



A violência e o exemplo dos parlamentos

O péssimo exemplo que os políticos, em geral, dão nos parlamentos, insultando, ridicularizando os antagonistas, leva, por certo, a população a comportar-se de modo semelhante.


Brasileiro residente no exterior, por que fazer um planejamento previdenciário?

É muito comum no processo emigratório para o exterior ter empolgação e expectativas sobre tudo o que virá nessa nova fase da vida.


LGPD: é fundamental tratar do sincronismo de dados entre todas as aplicações

Se um cliente solicita alteração nos dados cadastrais ou pede a sua exclusão da base de dados que a empresa possui, o que fazer para garantir que isso ocorra em todos os sistemas e banco de dados que possuem os dados deste cliente ao mesmo tempo e com total segurança?


As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.