Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Concessões ou privatizações?

Concessões ou privatizações?

16/06/2015 João Luiz Mauad

Com previsão de investimentos de R$ 198,4 bilhões nos próximos anos, o governo federal anunciou no dia 9 de junho a nova fase do Programa de Investimento em Logística (PIL), que vai privatizar aeroportos, rodovias, ferrovias e portos.

Desse total, R$ 69,2 bilhões devem ser aplicados entre 2015 e 2018, durante o segundo mandato da presidente Dilma Rousseff.

O pacote de investimentos é mais uma tentativa da presidente de modernizar parte da infraestrutura do país.

Espera-se que esta segunda fase seja menos mal sucedida do que a primeira, anunciada em agosto de 2012, em que havia a previsão de investimentos de R$ 133 bilhões em rodovias e ferrovias.

Entretanto, dos nove trechos de estradas, apenas seis foram leiloados, e, dos projetos de ferrovias, nenhum saiu do papel.

A melhor notícia do “programa”, entretanto, como lembrou a colunista Miriam Leitão, é que o governo de Dilma Rousseff parece ter abandonado as ideais atrasadas que marcaram o primeiro mandato, onde tudo que não fosse estatizado era ruim e contrário aos interesses do país.

Questionado pela oposição – que viu no programa uma enorme contradição, principalmente em relação às duras críticas que o PT sempre fez ao Governo de FHC, acusado por eles, desde sempre, de “neoliberal” e “privatista” -, o ministro Nelson Barbosa saiu em defesa do governo, afirmando que “concessão não é privatização” – o ministro só esqueceu que, naquela época, o próprio PT tratava as duas coisas indistintamente.

De resto, o ministro tem toda razão: de fato, tratam-se de duas coisas diferentes. Embora as concessões sejam um avanço, privatizar é uma política muito melhor e mais eficiente.

Aquelas, como têm um horizonte limitado, incentivam os concessionários a investir o mínimo possível no negócio, e dele retirar o máximo, durante o período de vigência da concessão.

Pela mesma razão, os investimentos normalmente ficam concentrados no início do contrato (e mesmo assim somente se o retorno esperado pode ser embolsado dentro do prazo contratual), pois não vale à pena investir no seu final, algo análogo a “colocar azeitona na empada alheia”.

Alguns dirão que isso só ocorrerá se o contrato for muito frouxo ou pouco detalhado quanto aos deveres e obrigações do concessionário. Esses, provavelmente, nunca ouviram falar de “Captura Regulatória” ou “Teoria da Escolha Pública”.

Por outro lado, a política de concessões também inibe a concorrência, normalmente transformando monopólios públicos em monopólios privados. Isso se dá porque, ao promover uma concessão, o governo não raro bloqueia qualquer possibilidade de um terceiro interessado prestar o mesmo serviço, ainda que deseje investir recursos próprios no negócio.

Assim, o concessionário da uma rodovia terá a certeza de que nenhuma outra estrada ligará aqueles dois pontos. O mesmo acontece com os portos e aeroportos de determinada localidade.

* João Luiz Mauad é Administrador de Empresas e Diretor do Instituto Liberal.



Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira