Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Congressistas, digam a que vieram…

Congressistas, digam a que vieram…

13/04/2016 Dirceu Cardoso Gonçalves

Ao cidadão comum interessa o fim da crise. Cabe aos congressistas, com ações, responder a essa aspiração popular.

O dr. Ulysses Guimarães costumava dizer que “burro não chega até aqui”. Tradução: na opinião do velho e festejado líder, quem não tem o discernimento, não se elege. Partindo desse raciocínio, é de se esperar que no próximo fim-de-semana, todos os 513 deputados federais estejam presentes ao plenário da Câmara para votar a admissibilidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

É inadmissível o não comparecimento daqueles que têm o dever de decidir sobre esse momento crítico da nacionalidade. Independente do lado em que estejam – se vão votar pelo processo de impeachment ou contra ele -, os srs. deputados têm a obrigação de comparecer e explicitar sua posição. Nem mesmo a abstenção – que é regimental – deve ser admitida nesse momento, quando a população clama por uma definição.

Os deputados que, na definição de Ulysses, não são bobos, têm, mais do que a condição intelectual, o dever cívico de verificar o inteiro teor das denúncias que levam ao processo de impedimento da governante, ouvir e analisar a defesa da acusada e decidir conforme seu entendimento e o interesse do povo, que eles não podem esquecer, é o seu patrão. Tudo o que fizerem fora da perspectiva do interesse público, será indevido e certamente trará graves consequências que poderão se estender até pelas próximas gerações.

Ao povo não filiado a partidos ou agremiações e movimentos com atuação político-ideológica, que apenas é levado a votar nas eleições, pouco importa o nome de quem está governando. O interesse é que esse governante cumpra as leis, não permita atos de corrupção e desenvolva políticas que levem o país à ordem e ao desenvolvimento e, com isso, induzam ao bem-estar dos cidadãos. Tudo o que fugir a essas premissas populares, é interesse de grupos, não do povo.

Ao cidadão comum interessa o fim da crise. Cabe aos congressistas, com seu discernimento e ações, responder a essa aspiração popular. Depois de superada a fase do impeachment, não podem se esquecer das reformas que o país necessita para recobrar o desenvolvimento e fortalecer a democracia.

Esse momento de ruptura é apenas o ponto de partida de um grande número de providências sem as quais o Brasil jamais chegará ao grande destino sonhado pela população. Agora é a hora dos deputados federais demonstrarem a que vieram. Logo, se o processo de afastamento for aprovado pela Câmara, os senadores também terão sua oportunidade de se confraternizarem com o povo.

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa