Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Consumidores defendem novos hábitos

Consumidores defendem novos hábitos

05/10/2018 Rodrigo Berté

A mudança de comportamento e os novos hábitos dos consumidores poderão ter efeito positivo.

Após amargar mais de três anos de recessão, agravada, entre outros fatores, pelo desemprego, consumo apertado ou estreitado por contas, dívidas e queda de classes, as pessoas começam a se recompor aos poucos e trazem hábitos novos de brasilidade. É comum encontrarmos pessoas nas ruas, ou mesmo as que conhecemos, que passaram por muitas dificuldades, ou ainda estão passando. Elas nos contam como viraram o jogo e como estão olhando para o futuro.

Há um comportamento diferente no consumidor, tornando-o mais exigente e mais consciente na hora de comprar. Na mesma sintonia vieram empresas baixando custos, abarcando novas tecnologias e que têm passado por estratégias de revisão no atendimento ao consumidor, com o objetivo de entender melhor o cliente atual e como ele está se comportando.

Chegamos a mais de 61 milhões de brasileiros inadimplentes, segundo a Serasa Experian, o que vem gradativamente baixando aos poucos. A retomada do consumo vem acontecendo aos poucos, como também a mudança de comportamento do consumidor.

O consumidor das crises anteriores não era tão empoderado como o atual, tendo em vista a grande quantidade de informações. Nas situações de recessão anteriores, para pesquisar preços ele tinha que ir até a loja ou ao supermercado, agora, tudo está facilitado com a internet. Outro ponto de destaque é que se deixou de lado a compulsividade, inimiga do consumo consciente, e passou-se a comprar o que realmente é necessário, evitando o desperdício.

Por outro lado, e muito mais importante, é a avaliação do impacto dos produtos sobre o meio ambiente e os aspectos sociais. Os novos hábitos vão além do planejamento das compras: hoje são mais comuns as pesquisas feitas na internet para comparação de produtos e ofertas, a análise de como são obtidos, e até a verificação mais minuciosa da real necessidade de compra.

A crise atual afetou todas as classes sociais. A mudança de comportamento e os novos hábitos dos consumidores poderão ter efeito positivo na próxima década, com baixa no endividamento e o empoderamento na tomada de decisão para se efetuar a compra.

* Rodrigo Berté é Diretor da Escola Superior de Saúde, Biociências, Meio Ambiente e Humanidades do Centro Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Página 1 Comunicação



A CPMF e a saída do seu autor

A CPMF foi mal porque, em vez de substituir outros impostos, constituiu-se em mais um.


CPMF: o que foi e como poderá ressurgir na reforma tributária

O Imposto sobre Transações Financeiras (ITF) poderá ser a recriação antiga CPMF.


O Brasil e a agropecuária sustentável

A pecuária brasileira tem se pautado ao longo dos anos pela sustentabilidade em toda cadeia produtiva e pela qualidade e segurança dos alimentos.


“Tô de férias, cadeia é férias pra mim”

É uma vergonha que delinquentes ainda venham desdenhar do sistema carcerário e das autoridades penais.


Locações de curta temporada em aplicativos

Saiba os direitos e deveres da propriedade imobiliária.


O Século das Cidades

“Não somos melhores, nem piores, somos iguais… melhor mesmo é a nossa causa…” (Thiago Mello)


Hollywood e o mundo real

Uma abordagem psiquiátrica do filme Gente como a Gente.


A liderança feminina e seus potenciais

Companhias que possuem, pelo menos, uma mulher em seu time de executivos são mais lucrativas.


A bolsa brasileira é a bola da vez

O ano de 2019 tem sido de recordes para o investidor brasileiro.


Dia do Profissional de Educação Física

No dia 1º de setembro é comemorado o dia do profissional que promove a saúde e a qualidade de vida da população, o profissional de educação física.


A complexidade do saneamento

O Congresso Nacional tem a grande missão de dar um rumo certo para o saneamento brasileiro.


Como a constelação familiar te ajuda nos negócios?

A constelação familiar acredita que somos produto da nossa ancestralidade.