Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Consumo de informação: o desafio da Geração Millennial

Consumo de informação: o desafio da Geração Millennial

21/07/2017 Tania Magalhães

Está na hora de entendermos como esses jovens pensam, se comunicam e consomem informação.

Eles são uma geração diferente de tudo o que já vimos em relação à sociedade de produção e de consumo que permeou os últimos três séculos. No decorrer da história humana recente, os agricultores ficaram presos a seus campos e pastagens; os industriais, a suas fábricas; e os famosos "mad men", a seus escritórios.

Mas os Millennials não estão presos a absolutamente nada - ou melhor, apenas a seus devices conectados à torre de celular mais próxima ou a uma "wi-fi zone". Também conhecida como Geração Y, ela é composta por aquelas pessoas que nasceram entre o começo dos anos 80 e o final dos anos 90 - e representa, atualmente, cerca de 20% da população mundial - no Brasil, são 55 milhões de pessoas, entre os 18 e os 34 anos de idade, dados do IBGE.

Ou seja, você tem, com certeza, muitos amigos nessa faixa etária e nem havia percebido suas características. Por definição, são jovens que nasceram com a certeza de que é possível colocar a vida inteira (incluindo relacionamentos, entretenimento e todo tipo de dados pessoais ou profissionais) em seu bolso - literalmente.

Foi pensando nas necessidades e novas formas de consumo de informação dos Millennials que o PayPal Brasil, no último mês de abril, encomendou à MindMiners, especializada em big data, uma pesquisa específica a respeito do assunto - divulgada integralmente na edição 2017 do Anuário Brasileiro da Comunicação Corporativa, publicado pela MegaBrasil. O estudo traz resultados bastante interessantes.

O WhatsApp, por exemplo, lidera quando o assunto é "veículo de comunicação mais usado". Já o Google foi o mais citado como fonte de informação e veículo de conhecimento/aprendizado. Não por acaso, as chamadas mídias tradicionais (principalmente revistas e jornais impressos e online) apresentaram índices bem mais modestos.

Um dado inusitado: cerca de um terço dos entrevistados pela MindMiners passa mais de 3 horas por dia no Facebook, mas menos de 3% avaliam que a rede social é um veículo de comunicação confiável. E 95% garantem que verificam a veracidade das notícias antes de compartilhá-las em seus perfis.

Será mesmo? Também de acordo com o estudo, o veículo mais usado pelos Millennials como fonte de informação é o Google (66,3%), seguido por Facebook (55%) e pela TV (51,3%). Do outro lado da balança, jornais impressos foram citados por somente 9,7% e revistas impressas, por 7,7%. O veículo mais usado como fonte de conhecimento/aprendizado é o Google (para fazer pesquisas), com 75,7%, seguido por YouTube (71,3%), TV (31,3%) e Facebook (26%).

Do outro lado da balança, revistas impressas e rádios foram citadas por 8,7% (cada). Os jornais impressos ficaram em último lugar, com 7,3%. Dentre as páginas do Facebook mais acessadas porque confiáveis, os líderes (em ordem decrescente) são G1/Globo, UOL, Folha de S. Paulo, Veja e Exame.

Já dentre os jornais diários mais lidos, Folha, Estadão e O Globo lideram. E dentre as revistas mais lidas estão Veja, Exame, Superinteressante e Época nesta ordem. Mas um fato preocupa bastante: 88,4% dos entrevistados que disseram acessar a edição online de jornais não têm assinatura do veículo. Ou seja, usam acessos de amigos e/ou familiares. Quando a fonte de informação são revistas online, essa porcentagem cai para 82%.

De maneira geral, 38% dos Millennials garantem que, ao clicar no link de uma matéria, fazem questão de ler o texto inteiro; e 5,7% confessam que só leem o título e o primeiro parágrafo. Outros 56% dizem que o nível de leitura depende da matéria. Os temas campeões de leitura, segundo a MindMiners, são: variedades/entretenimento (52,7%); saúde (47,3%); mundo (46,3%); e ciência (37,1%).

Os temas que geram menor índice de leitura completa são fashion (15,2%); sustentabilidade (16,6%); e turismo (18,4%). Já os temas campeões de leitura do título e do primeiro parágrafo são: política (39,5%); economia (38,4%); saúde (29,7%); variedades/entretenimento (29,2%); e ciência (28,6%).

Como você pode ver, a pesquisa é bastante ampla (os dados acima são highlights somente) e fomenta uma série de indagações pertinentes. Isso porque comunicar é um desafio constante para todos nós que trabalhamos nessa área, e o estudo da MindMiners nos mostra que esse desafio é ainda maior quando o público a ser impactado são os Millennials.

Mais do que nunca, informação de qualidade sobre esse público é fundamental para que as empresas possam se manter à frente (ou pelo menos no mesmo passo) de suas demandas.

Para encerrar, outro dado que precisa ser levado em consideração, quando olhamos mais atentamente para esta geração, vem de pesquisa da Accenture anunciada no início deste ano: daqui a uma década, ela representará mais de 75% da força de trabalho no mundo inteiro. Ou seja, estará dando as cartas. Está mais do que na hora de entendermos como esses jovens pensam, se comunicam e consomem informação.

* Tania Magalhães é diretora de Comunicação do PayPal para a América Latina.



Insetos na dieta

Aproximadamente dois bilhões de pessoas em 130 países já comem insetos regularmente.


Habilidades socioemocionais podem ser aprendidas

Desde o início da infância, as pessoas aprendem um conjunto de comportamentos que são utilizados nas diferentes interações sociais.


Entenda porque amor é diferente de paixão

Você sabe diferenciar o amor da paixão?


A finalidade e controle das ONGs

O mais adequado não é combatê-las, mas manter sob controle as suas ações como forma de evitar desvio de finalidade, corrupção e outras distorções.


A reforma da máquina pública

A aprovação da reforma da Previdência, pela Câmara dos Deputados, é um avanço do governo.


Os desafios da maternidade e do mercado de trabalho

Ter filhos não é fator de impedimento para uma mulher trabalhar.


Todos querem ser ricos…

Mais vale pobreza, com paz e consciência limpa, que riqueza, sem sossego, alma escurecida, e pesados de remorsos.


A importância de empoderar nossas meninas

Fatores culturais de valorização do masculino, enraizados desde sempre na nossa sociedade, afetam a autoestima e a confiança feminina.


Advogados e Cursos jurídicos

Onze de Agosto é o Dia da Fundação dos Cursos de Direito e é também o Dia do Advogado.


Empresas e paternidade: uma mudança a ser nutrida

Daqui a cinco ou dez anos, nem você nem ninguém se lembrará com precisão da tarefa que está fazendo no trabalho neste minuto.


Ética de advogados e juízes

A advocacia e a magistratura têm códigos de ética diferentes.


Quem se beneficia da coisa pública é corrupto

Coisa pública não pode ser confundida com coisa privada.