Portal O Debate
Grupo WhatsApp


CORONAVAC – Para quem nada tem, metade é o dobro!

CORONAVAC – Para quem nada tem, metade é o dobro!

18/01/2021 Bady Curi Neto

Diante da manifesta politização da Covid-19, que deveria ser alvo de debates científicos e esclarecedores para a população brasileira, sobre as perdas lastimáveis de vidas humanas, surge uma esperança no fim do túnel, a tão sonhada Vacina.

Dúvidas, preconceitos e desinformações são difundidos por alguns políticos, no intuito claro e evidente, que corpos de seres humanos, são apenas escadas para um palanque maior eleitoral, o que é de todo vergonhoso e lamentável.

O surgimento da CoronaVac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e fabricada pelo Instituto Butantan, foi revestida de preconceitos, por ser um laboratório de nacionalidade comunista, como se a eficiência da Vacina dependesse da cor da bandeira do país e não de dados científicos.

A população brasileira, por total desinformação, critica a eficácia geral de uma Vacina acima de 50% contra um vírus devastador, mas acredita que irá ficar rico jogando em uma loteria, apostando um jogo de seis dezenas, com probabilidade de ganho de míseros 0,000002%.

Pergunta-se: Esta dicotomia se deve a que? Respondo: À crença, à esperança de ficar rico, à propaganda em volta dos jogos e, por obvio, à desinformação.

É chegada a hora, mesmo que tardiamente, do Governo, em todos seus entes da federação (União, Estado e Município) esquecerem das divergências políticas/partidárias, e firmarem uma campanha de esclarecimento da importância da Vacinação em massa.

Apenas a título de esclarecimento, apesar de ser da área jurídica, mas em pesquisas e reportagens a respeito da CoronaVac, verifica-se que os cálculos para chegar a uma eficiência geral de mais de 50% são complexos.

Na realidade ao fazer o teste da eficácia da Vacina (fase 3 da pesquisa), o laboratório ou instituto que irá produzi-la dividem dois grupos de pessoas voluntárias com maior risco de contaminação pela Covid 19. O primeiro grupo recebe um placebo, já o segundo recebe a vacina propriamente dita.

Do primeiro Grupo Placebo (que não recebeu a vacina) – 4.599 voluntários compunham um grupo, sendo que 167 indivíduos desenvolveram a doença, e, 18,5% manifestaram de forma moderada e/ou grave.

Do segundo Grupo (que recebera a vacina) – 4.653 voluntários compunham grupo, sendo que 85 indivíduos desenvolveram a doença (50% do primeiro grupo), e, 8% manifestaram de forma leve, com atendimento médico, mais sem precisar internação.

A eficácia é o resultado comparativo entre os dois grupos que, segundo cálculos matemáticos/ científicos, alcançam o percentual de eficácia geral de 50,4%.

Destaca-se que no grupo que recebeu a vacina não houve sequer um caso de internação, apesar de ter um percentual pequeno de indivíduos que contraíram a doença, mesmo que vacinados.

Em suma, o ideal seria que toda vacina tivesse 100% de eficácia geral, mas do ideal para o mundo real há uma distância abissal.

Se a eficácia da vacina fosse apenas para evitar o agravamento da doença já seria altamente salutar para a população, mesmo que não imunizada.

Votando ao título do artigo, para quem nada tem, metade é o dobro!

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Fonte: Naves Coelho Comunicação




Prisão do deputado Daniel Silveira

A toda ação corresponde uma reação.


Exportações de minério de ferro cresceram 9% em janeiro

O mês de janeiro registrou uma alta de 9% na quantidade de minério de ferro exportado do Brasil para o exterior, tendo por comparação o mesmo período do ano passado, segundo dados do Ministério da Economia.


A dificuldade de cassar mandato político

A imoral prerrogativa constitucional que confere somente ao Congresso o poder de cassar o mandato de um parlamentar por cometimento de ilegalidade, à vista de qualquer cidadão de mediana cultura, constitui-se de medida irrazoável que fere o princípio da igualdade de tratamentos.


Ainda não nos preocupamos com o combate à pobreza

Um dos piores anos da história recente do país, 2020 também foi o ano em que a taxa de pobreza atingiu 8%, seu menor patamar em 44 anos.


Um ano de pandemia

A Covid-19 apareceu causando surpresa e aflição em todas as instâncias da sociedade, seja para a economia, a política, a educação, ou para as pessoas, no que se refere aos relacionamentos, sentimentos próprios, etc.


Como os paradigmas determinam nossos resultados

Você sabia que os nossos comportamentos habituais são moldados por paradigmas?


Ferrovias para poucos

Está em curso no Congresso, de forma quase silenciosa, mais um atentado à soberania brasileira.


Recomeço? Primeiro, o porquê

Existe um texto - às vezes atribuído ao Carlos Drummond de Andrade, embora não seja de sua autoria - que corre na internet há bastante tempo. Diz assim:


Tributação no e-commerce: a importância do regime tributário

O e-commerce tem crescido vertiginosamente nos últimos anos, em todos os países, a despeito das crises e solavancos da economia.


Em tempo de pandemia

Nestes tristes dias de pandemia, em que os médicos do Serviço de Saúde, lamentam que não se tem o devido cuidado, protegendo-se e protegendo o semelhante, lembrei-me de antigo chefe, que tive, quando era menino e moço.


2021, o ano em que seremos melhores

Nos últimos 20 anos as empresas fizeram altos investimentos em tecnologia e marketing para capturar dados de seus clientes e prospects e armazená-los em grandes repositórios de dados.


Navegar é preciso, viver não é preciso

“Navigare necesse, vivere non est necesse.”