Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Coronavírus motiva famílias a buscarem imóveis fora das grandes cidades

Coronavírus motiva famílias a buscarem imóveis fora das grandes cidades

25/03/2020 Dr. Carlos Ely Eluf

O cenário atual tem feito com que a população mude drasticamente a sua maneira de viver.

Um fenômeno que está ocorrendo, especialmente entre famílias mais abastadas, é a procura por refúgios em cidades pequenas no interior e no litoral.

O objetivo é óbvio: ficar distante dos grandes centros, onde há maior aglomeração de pessoas.

Para 2020, de acordo com a Abrainc (Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias), o segmento de médio e alto padrão deve representar um crescimento de mais de 30% no mercado imobiliário.

Desde o anúncio da pandemia, famílias passaram a procurar imóveis para períodos de, no mínimo, 120 dias em condomínios de luxo fechados, bem como outros existentes no litoral.

A locação ou compra desses imóveis, utilizados em decorrência do temor das cidades com superpopulação, foi uma decisão emergencial para buscar mais tranquilidade nesse período de reclusão obrigatória a que foram submetidas.

De fato, é muito mais lógico permanecer no interior, em sítios, fazendas e condomínios fechados, principalmente para pessoas que estão no grupo de risco.

Com essas providências de saírem das grandes capitais, as famílias procuram obter segurança nesses tempos de inquietação e apreensão, conseguindo fugir, inclusive, de preços abusivos praticados pelos oportunistas nas grandes metrópoles.

Com os colégios investindo maciçamente em aulas virtuais, o distanciamento não será problema, apesar de algumas escolas ainda estarem em processo de ajustes, já que este será o modelo a ser adotado por tempo indeterminado.

É possível que um quadro epidêmico mais grave no Brasil não possa ser evitado. O governo fala em operação de guerra, mas batalhas importantes já foram perdidas.

Dessa forma, a fuga de famílias para regiões mais isoladas parece realmente ser a melhor solução. Sabe-se lá até quando.

* Dr. Carlos Ely Eluf é advogado titular do Eluf Advogados Associados, coordenador e conselheiro de prerrogativas da OAB-SP.

Fonte: Flávia Vargas Ghiurghi



Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


O Brasil, a logística e os “voos de galinha”

Parcerias público-privadas, com base no tripé da sustentabilidade podem proporcionar excelentes projetos para a logística no Brasil.


Eça e a famosa estatueta

Nos derradeiros anos do século transacto, tive a oportunidade de conhecer e entrevistar, D. Emília Eça de Queiroz.


Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.


Liderança: Arte e Ciência

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?


Reflexões éticas em tempos de Coronavírus

Atualmente, vivemos num cenário de turbulências e preocupações com os impactos sociais e econômicos atuais que virão em decorrência da pandemia do vírus Covid-19.


O direito de ser pedra e o direito de ser vidraça em tempos de pandemia

O pior nessa história toda, desse período de pandemia da Covid-19, tem sido a guerra violenta de versões apresentadas sobre o problema.


O oxigênio da vida

Eles moravam em um dos bairros mais violentos de São Paulo. Estavam perto dos 20 anos. Eram três amigos de infância.