Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Criatividade: da teoria à prática

Criatividade: da teoria à prática

12/07/2018 Oscar D'Ambrosio

Todos falam que é necessário ser criativo.

E muito se fala sobre a importância de apresentar soluções fora da caixa. E mais ainda se discute como apenas aqueles que tiverem essa capacidade irão sobreviver nos mercados do futuro.

Analogamente, verifica-se que a sociedade como um todo parece caminhar por vertentes mais conservadoras, tanto no exterior, como mostra os EUA, como no Brasil. Existe, portanto, uma certa incongruência entre essas duas forças.

É lindo estimular a criatividade e construir um discurso em torno disso, mas as forças que desejam manter o status quo se fazem presentes e de uma maneira nada desprezível. A distância entre teoria e prática parece então se fazer onipresente.

E como conviver com isso? A passagem da ideia para a ação envolve numerosas questões. A primeira delas reside em ter a convicção que ser criativo implica em mexer nas estruturas existentes. E isso não costuma gerar simpatia.

Enquanto se fala em mudar, todos são a favor, mas, quando se deseja implementar, as resistências começam. E são de várias ordens. Incluem desde ignorar encaminhamentos para alguma alteração de procedimento até apresentar tantas dificuldades para implementar alguma novidade, que a melhor alternativa parece ser a de nada fazer.

E assim se mantém tudo como está. O fato é que todos gostam de falar em mudança, mas tirá-la do projeto e colocá-la para funcionar não é tarefa corriqueira - nem tão fácil como muitos gostariam ou acreditam.

* Oscar D´Ambrosio é mestre em Artes Visuais e doutor em Educação, Arte e História da Cultura, é Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Fonte: Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo



A comunicação educativa no processo de retomada social

Alguns governos municipais e estaduais, a partir desse mês, começam a criar e implementar um plano de retorno às atividades comerciais, culturais, educacionais, entre outras.


Direita ou esquerda? Atenção aos atalhos!

Você deve estar pensando: lá vem mais um textão sobre reflexões políticas. Mas não é disso que vamos tratar aqui.


George Floyd: o racismo não é invencível

Na cidade de Minneapolis nos Estados Unidos, no dia 25 de maio de 2020, assistimos mais um triste e vergonhoso capítulo da violência policial contra um homem negro.


Quem lê para os filhos compartilha afetos

Neste momento em que tantas crianças aqui e mundo afora estão isoladas em casa, longe de colegas, amigos e com uma nova rotina imposta, é muito importante que os pais leiam para elas.


SUS: o desafio de ser único

Começo pedindo licença ao economista Carlos Octávio Ocké-Reis, que é doutor em saúde coletiva, para usar o nome de seu livro como título deste artigo.


Poderes em conflito – Judiciário x Executivo

Os Poderes da união que deveriam ser independentes e harmônicos entre si, cada qual com suas funções e atribuições previstas na Constituição, nos últimos dias, não têm se mostrado tão harmônicos.


A Fita Branca

Em março de 1963, um ano antes do golpe que defenestrou o governo populista de João Goulart, houve um episódio que já anunciava, sem ranhuras, o que estava por vir.


Como ficarão as aulas?

O primeiro semestre do ano letivo de 2020 está comprometido, com as crianças, adolescentes e jovens em casa, nem todos entendendo bem o que está acontecendo, principalmente as crianças menores.


Dizer o que não se disse

A 3 de Janeiro de 1998, Fernando Gomes, então Presidente da Câmara Municipal do Porto, apresentou o livro de Carlos Magno: “O Poder Visto do Porto - e o Porto Visto do Poder”.


Pegando o ônibus errado

Certo dia, o cidadão embarca tranquilamente na sua costumeira condução e, quadras depois da partida, em direção ao destino, percebe que está dentro do ônibus errado.


Resiliência em tempos de distanciamento social

Em meio à experiência que o mundo todo está vivendo, ainda não é possível mensurar o impacto do distanciamento social em nossas vidas, dada a complexidade desse fenômeno e a incerteza do que nos aguarda.


Nasce a organização do século 21

Todos sabemos que a vida a partir de agora – pós-epidemia ou período de pandemia, até termos uma vacina – não será a mesma.