Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Crime cibernético: não seja a próxima vítima

Crime cibernético: não seja a próxima vítima

22/09/2017 Marcos Aurélio Pereira

O Brasil ocupa lugar de destaque no cenário global de ataques cibernéticos.

Apesar do último ano ter feito 42,4 milhões de vítimas, muitos brasileiros ainda não protegem seus dados corretamente. Não podemos ignorar esse número, visto que a segurança das informações é considerada um dos pilares para o bom funcionamento dos negócios.

Para se uma ter ideia, só no último ano, a perda financeira com essa prática no país foi de US$ 10,3 bilhões. São cada vez mais raras as pessoas que não possuem pelo menos um endereço de e-mail, de onde realizam comunicações importantes.

Seja na vida profissional ou pessoal, ignorar a utilização de mecanismos de armazenamento e segurança dos dados acarretam grandes riscos pois, ao mesmo passo que o alcance das informações está mais fácil e rápido, também é verdade que a segurança na “web” se tornou ainda mais complexa.

Nos endereços eletrônicos, por exemplo, recebemos diariamente abordagens de bancos, lojas e propagandas. O fato é que somos vigiados constantemente e as pesquisas feitas na rede podem cair nas mãos de indivíduos mal-intencionados e empresas como a Google.

Esse mapeamento de dados é interessante para facilitar “compras online”, mas é malicioso em situações que o usuário fornece o número do CPF, número de identidade e senhas pessoais. Para não sofrer ataques cibernéticos é necessário manter atualizados os sistemas operacionais e, mais do que isso: acessar sites confiáveis e que não resultem futuras dores de cabeça.

A pirataria de softwares também está entre os motivos que levam a insegurança para o ambiente digital. A prática tem forte presença na indústria brasileira e a prova disso são os recentes estudos, que revelam também seus impactos na economia nacional. De acordo com um estudo realizado pela BSA (“Business Software Aliance”, também conhecida domo “The Software Alliance”), hoje, quase metade dos softwares instalados no Brasil não são licenciados.

A falsificação de programas usados em computadores e em outras tecnologias tornam as informações mais vulneráveis e favorece a incidência de ataques cibernéticos. Outro problema e razão recorrente para que as pessoas não adquiram softwares originais é que a maioria são alugáveis e exigem investimentos cíclicos. Ninguém quer pagar por um serviço e renová-lo periodicamente.

É nesse prazo de “não atualização” que está a brecha para a entrada de vírus e outras ameaças. Nunca se esqueça: Em tempos de “informações em apenas um clique”, todas as decisões a favor da segurança são importantes para resguardar e garantir a idoneidade e utilização adequada dos seus dados.

Não subestime a internet, as pessoas que a usam ou ache elevado o investimento em softwares legalizados. O Brasil avança a cada dia na oferta de soluções que previnem crimes virtuais, mas ainda estamos longe do ideal, já que à medida em que as pessoas se acham imunes aos ataques, muitas máfias pelo mundo se especializam para violar seu conteúdo.

* Marcos Aurélio Pereira é CEO da maisDADOS Tecnologia.



A comunicação educativa no processo de retomada social

Alguns governos municipais e estaduais, a partir desse mês, começam a criar e implementar um plano de retorno às atividades comerciais, culturais, educacionais, entre outras.


Direita ou esquerda? Atenção aos atalhos!

Você deve estar pensando: lá vem mais um textão sobre reflexões políticas. Mas não é disso que vamos tratar aqui.


George Floyd: o racismo não é invencível

Na cidade de Minneapolis nos Estados Unidos, no dia 25 de maio de 2020, assistimos mais um triste e vergonhoso capítulo da violência policial contra um homem negro.


Quem lê para os filhos compartilha afetos

Neste momento em que tantas crianças aqui e mundo afora estão isoladas em casa, longe de colegas, amigos e com uma nova rotina imposta, é muito importante que os pais leiam para elas.


SUS: o desafio de ser único

Começo pedindo licença ao economista Carlos Octávio Ocké-Reis, que é doutor em saúde coletiva, para usar o nome de seu livro como título deste artigo.


Poderes em conflito – Judiciário x Executivo

Os Poderes da união que deveriam ser independentes e harmônicos entre si, cada qual com suas funções e atribuições previstas na Constituição, nos últimos dias, não têm se mostrado tão harmônicos.


A Fita Branca

Em março de 1963, um ano antes do golpe que defenestrou o governo populista de João Goulart, houve um episódio que já anunciava, sem ranhuras, o que estava por vir.


Como ficarão as aulas?

O primeiro semestre do ano letivo de 2020 está comprometido, com as crianças, adolescentes e jovens em casa, nem todos entendendo bem o que está acontecendo, principalmente as crianças menores.


Dizer o que não se disse

A 3 de Janeiro de 1998, Fernando Gomes, então Presidente da Câmara Municipal do Porto, apresentou o livro de Carlos Magno: “O Poder Visto do Porto - e o Porto Visto do Poder”.


Pegando o ônibus errado

Certo dia, o cidadão embarca tranquilamente na sua costumeira condução e, quadras depois da partida, em direção ao destino, percebe que está dentro do ônibus errado.


Resiliência em tempos de distanciamento social

Em meio à experiência que o mundo todo está vivendo, ainda não é possível mensurar o impacto do distanciamento social em nossas vidas, dada a complexidade desse fenômeno e a incerteza do que nos aguarda.


Nasce a organização do século 21

Todos sabemos que a vida a partir de agora – pós-epidemia ou período de pandemia, até termos uma vacina – não será a mesma.