Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Crimes Vagos e a Teoria Tripartite do Crime

Crimes Vagos e a Teoria Tripartite do Crime

05/10/2014 Luiz Elídio Menezes

Motivado por uma discussão estúpida com uma professora tão autoritária, que diante de qualquer sinal de discórdia diante do que ela diz, parte para a humilhação de seus alunos dizendo a obviedade de que todos tem o direito de discordar dela, mas que devem ter em mente que ela sabe mais.

Obviedade sim, pois nossa Constituição Federal garante o direito à liberdade de expressão e de pensamento, e, se ela tivesse um domínio inferior ao de seus alunos na matéria em questão, não haveria por que remunera-la para assistir sua aula. Desabafos a parte, a maçã da discórdia foi a definição apresentada do que é um crime vago.

A professora diz ser um crime cuja vítima é toda sociedade, enquanto eu teimosamente insisto que é um crime que não possui vítima alguma. Ela fundamenta sua posição dizendo que esta é a definição dada por grandes juristas, como Damásio de Jesus, Luiz Flávio Gomes e Cia ltda. Eu fundamento minha posição na lógica, e na teoria tripartite (ou bipartite para os que querem ser chatos) do crime. Sem entrar em detalhes, esta teoria define o crime como sendo fato típico, antijurídico e culpável.

Ou seja, fato descrito em lei, defeso e o qual se pode demandar conduta diversa. Tal lição é dada de cara nas aulas introdutórias de direito penal, e creio eu que não haja divergências sérias quanto a esta definição. Pois bem, como diria Paulo Leminsky, preste muita atenção no que não digo. O que é que a teoria tripartite não diz? Pois é, ela não diz "vítima". Não é possível encontrar na definição de crime, nem deduzir a partir das premissas de tipicidade, antijuridicidade e culpabilidade a existência de uma vítima.

Portanto, a teoria tripartite prevê a existência de crimes sem vítima. Apesar disso, causa certa espécie de mal estar nos doutrinadores e demais juristas admitir o óbvio. Que em nosso ordenamento jurídico pululam regras que preveem punição para pessoas que simplesmente não fizeram mal a ninguém, e, quando deparados com tais normas, incapazes de identificar quem foi prejudicado pelo criminoso, ao invés de simplesmente confirmarem a correição da teoria tripartite, sentem-se obrigados a encontrar uma vítima, que frequentemente é o conceito abstrato de toda a sociedade.

É uma tremenda insensibilidade negar o fato de que o nosso Estado diuturnamente prive de sua liberdade, sua propriedade e por vezes até da própria vida pessoas que não fizeram mal a ninguém. Isto é injusto, imoral e desumano, e em respeito à estas pessoas, me recuso à participar deste jogo de autoengano. Se há uma vítima nos casos de crimes vagos, são os próprios "criminosos", estes sim, verdadeiras vítimas da sociedade.

* Luiz Elídio Menezes é Programador, Acadêmico de direito e Especialista do Instituto Liberal.



A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.


As décadas de 20

A mais agitada década de vinte de todas foi a do século XX.


Nós acreditamos!

A história ensina lições. Muitas lições.


A saúde do profissional de educação em tempos de pandemia

Muitos profissionais tiveram que se adaptar por causa da pandemia.



“Quem viva?! …”

Contava meu pai, com elevada graça, que tivemos antepassado, muito desenrascado, que sempre encontrava resposta pronta, na ponta da língua.


Super-mãe. Eu?

Lembro-me de um episódio que aconteceu há alguns anos atrás e que fez com que eu refletisse seriamente sobre meu comportamento de mãe.