Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Crise do aprendizado: formação da Geração nem-nem

Crise do aprendizado: formação da Geração nem-nem

06/04/2018 Renato de Oliveira Brito

É consenso que a escolarização da população é necessária e traz benefícios para a sociedade.

Crise do aprendizado: formação da Geração nem-nem

Problemas pertinentes à escolaridade frequentemente estão ligados à pobreza, o que se configura como uma barreira ao desenvolvimento pleno do ser humano. O nível educacional da população adulta de um país é resultante do investimento em educação por décadas e devem ser considerados quando pensamos no grau de desenvolvimento de determinados países.

Os investimentos em educação no Brasil representaram 4,9% do Produto Interno Bruto em 2014 (último dado disponível no estudo), segundo as informações da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) que são, insuficientes diante dos elevados déficits que, se acumularam ao longo de uma história educacional de omissões.

Segundo o Censo Escolar 2017, publicado recentemente, o número de alunos matriculados na Educação Básica no Brasil diminuiu sutilmente de 2016 para 2017. Em 2016, havia 48,8 milhões alunos no sistema educacional brasileiro, enquanto fechamos 2017 com 48,6 milhões de alunos.

O que causa preocupação não são somente os dados de uma leve queda de um ano para outro mas sim, o déficit que já acumulamos desde 2013: 14,2% neste período a menos de matriculados no último ano do ensino fundamental. Dessa forma, é inevitável uma queda brusca de matriculas no Ensino Médio. O aluno já desmotivado no seu último ano de fundamental, não terá interesse algum em iniciar um novo ciclo de estudos no nível médio e mesmo no profissionalizante.

Temos tido várias discussões e reflexões acerca do tão alto índice dos jovens que vem formando a geração “nem-nem”, que não estudam e não trabalham, mas há situações que agravam diretamente este cenário como por exemplo, termos cerca de 15% dos nossos docentes que atuam na educação básica, sem ensino superior ou mesmo termos 24,3% dos que atuam na educação infantil, sem formação específica para tal (Censo Escolar 2017).

Não há oportunidades para se falar em uma educação motivadora, com o protagonismo docente comprometido pela ausência de formação e de planos de carreiras e mesmo um espaço de trabalho sem condições adequadas para receber e constituir uma comunidade escolar. Ou seja, a escola deixa de ser convidativa ao aluno e ao professor.

Para que o sistema educacional consiga ser transformador da sociedade que o envolve, ele deve conseguir prover o acesso universal à educação de qualidade, a partir do incentivo e do reconhecimento do papel do professor, do investimento qualitativo e quantitativo na educação básica, da promoção da autonomia e do incentivo à gestão participativa, que envolva a escola e a comunidade.

Entretanto, alguns desses gastos pressupõem um planejamento de longo prazo e vale salientar que, o investimento por si só, não reverte este cenário. Vemos sinais alarmantes de uma grave crise de aprendizado no cenário educacional brasileiro.

O efeito é “dominó”: se tenho um professor desmotivado, tenho um aluno futuro evadido e por conseguinte, uma escola fracassada.

* Renato de Oliveira Brito é doutor em Educação (Gestão e Políticas Públicas) pela Universidade Católica de Brasília, onde também atua como pesquisador.

Fonte: Renata Senlle



Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira