Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Cristo, Judas, Deus e o Diabo

Cristo, Judas, Deus e o Diabo

30/10/2009 Fábio P. Doyle

No estilo que está dominando a Internet (seria o twitter?) vamos hoje de notas curtas. Bem curtas, do tamanho da inteligência do… Bem, mudemos de assunto.

AOS que criticaram, em e-mails recebidos sempre com simpatia, os comentários que fiz a respeito das viagens eleitorais do nosso presidente, sempre com sua candidata Dilma a tiracolo, recomendo a leitura das declarações que o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, fez sobre o mesmo assunto. Para meu conforto, diante das críticas que recebi, o ministro disse, com outras e mais sábias palavras, o mesmo que eu tentei passar aos que me leem. Em boa companhia, pois, estou.

A ÚLTIMA declaração de Gilmar sobre os "comícios"(a definição é do próprio Lula) que o presidente e sua candidata, diríamos, pré-candidata, têm feito pelo Brasil, um dos últimos na fronteira de Minas com a Bahia, nas margens do tão agredido e ameaçado São Francisco, é bastante esclarecedora. Em resposta a um jornalista, depois da solenidade de posse de novo ministro do Supremo, o presidente do STF confirmou sua posição contrária ao comportamento de Lula e Dilma: não é contra viagens do presidente, ele que faça quantas julgar necessário, mas não as que podem ser consideradas como campanha eleitoral sob a justificativa de "suposta fiscalização de obras".

AGORA, é esperar para ver o que o Tribunal Superior Eleitoral vai decidir a respeito.

NO Rio, as guerras de sempre, agora bem mais aproximadas das que acontecem em Bagdá, no Afeganistão, no interior da Colômbia, com as tais Farcs. Helicóptero da Polícia Militar foi abatido pelos traficantes, matando dois militares. O que move os bandidos, sabem todos, é o tráfico de drogas. Logo, como já disse antes, o problema não é apenas do governo daquele estado, mas do governo federal. Que nada faz para coibir a importação ilegal de drogas e de armas.

ARMAS e drogas que são vendidas aos criminosos por militares corruptos. Como aqueles que presenciaram o assalto e o assassinato, no Rio, de um integrante da ONG AfroReggae. Presenciaram, não deram socorro ao homem baleado, tomaram as peças de roupa que os bandidos roubaram da vítima e liberaram os criminosos. Tudo gravado por câmeras felizmente bem localizadas na rua. Sem a gravação, nada seria apurado, e tudo não passaria de mais um assalto com morte, registrado em um canto de página dos jornais. Mesmo diante de todo o horror mostrado pela filmagem, um major da PM carioca definiu o episódio como um "desvio de conduta" dos policiais. O governador Sérgio Cabral reagiu com a presteza e veemência que dele se esperava: demitiu o major, que era Relações Públicas da PM.

AINDA no estilo curto e grosso, vale registrar o comportamento de um médico do SUS de Jundiaí, SP: surrupiou 170 reais da carteira de um paciente com problemas de coluna que era por ele medicado. A polícia comprovou o furto e trancafiou o médico-ladrão. Por quanto tempo?

FINALMENTE, para não deixar passar batido, e retornando ao nosso folclórico, falante, gesticulante e até, se me permitem, simpático presidente, lamente-se a incursão que ele fez na história sagrada, ao se personificar como Cristo, deixando para os que com ele se dispõem a coligar em torno da sua Dilma, o papel de Judas. Era o que faltava na crônica de baboseiras de seus improvisos.

ALIÁS, vale repetir o comentário de Jorge Bastos, de O Globo. Diz ele que "não é de hoje, mas desde que o PT nasceu, que Lula vive misturando política com religião. Parece até bispo da Universal. Em 1984, por exemplo, disparou, de São Paulo, contra o então candidato à sucessão de Figueiredo: - Esse Tancredo Neves não é confiável, vive acendendo uma vela para Deus e outra para o Diabo. De Cuiabá, onde se encontrava em campanha, o avô do Aécio revidou: - Confiável deve ser ele, que só acende vela para o Diabo".

O EPISÓDIO deve ser lembrado, especialmente agora, quando as coligações de supostos judas se formam para apoiar o candidato do suposto Cristo.

* Fábio P. Doyle é jornalista e membro da Academia Mineira de Letras. Visite o Blog



O peso da improbidade no destino das pessoas

O homem já em tempos pré-históricos se reunia em volta das fogueiras onde foi aperfeiçoada a linguagem humana.


Mercado imobiliário: muito ainda para crescer

Em muitos países, a participação do mercado imobiliário no Produto Interno Bruto (PIB) está acima de 50%, enquanto no Brasil estamos com algo em torno de 10%.


Entender os números será requisito do mercado de trabalho

Trabalhar numa empresa e conhecer os seus setores faz parte da rotina de qualquer colaborador. Mas num futuro breve esse conhecimento será apenas parte dos requisitos.


Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.