Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Cultive sonhos e viva mais

Cultive sonhos e viva mais

27/03/2018 Milton Nonaka

Cada pessoa deve renovar seus sonhos todos os dias.

Cultive sonhos e viva mais

A eterna juventude está na capacidade que as pessoas têm de cultivar sonhos, no eterno desejo de avançar, de crescer material e espiritualmente. O aspecto físico pode mudar e as forças esmorecerem com o passar dos anos, mas elas permanecem sempre jovens se nunca perderem a capacidade de idealizar, criar e realizar.

“Trabalhar faz parte da natureza humana. Cada indivíduo possui capacidade de criar coisas conforme sua personalidade. E o trabalho nunca fica sem recompensa. Quando essa recompensa chega, ela enche a alma de alegria”, diz o mestre japonês Ryuho Okawa no livro Trabalho e Amor, que aponta caminhos e estratégias para a construção de uma carreira brilhante.

O espírito jovem é fonte de mais vida e emana da força interior de cada pessoa, construída sobre a fé e a compreensão da própria vocação divina – sem deixar de lado o entusiasmo em trabalhar pela própria felicidade e a felicidade dos outros.

Esse espírito nos leva a ter prazer no trabalho e nos torna pessoas úteis na construção de um mundo melhor, a começar pela comunidade em que vivemos. Pessoas assim ganham o respeito e a simpatia de todos. A ausência de sonhos, em qualquer faixa etária, trava o crescimento espiritual e material.

É animador conviver com idosos que se comportam como se fossem viver para sempre. Na contramão, é triste encontrar jovens vivendo como se estivessem à beira da morte. Pessoas sem esperança, sem perspectivas, costumam se deixar levar por pensamentos negativos. Não conseguem enxergar – ou não querem enxergar – suas virtudes e capacidades.

Preferem se portar como vítimas perante tudo e todos, buscando a piedade dos outros e vestindo o manto do desânimo. São pessoas que tornam o ambiente pesado, negativo. O mundo de hoje, com suas múltiplas facilidades tecnológicas, está contribuindo para corroer a capacidade de as pessoas preservarem seus valores, sua fé e sua força interior.

É comum deparar com pessoas depressivas e sem sonhos, a ponto de muitas precisarem de cuidados médicos. Funcionários assim se tornam improdutivos. Podem ser competentes, mas se tornam um problema para as organizações – além de ser um desafio para suas famílias também.

“Para ser capaz de dedicar a vida ao trabalho, a coisa mais relevante é, sem dúvida, o entusiasmo. Você deve avançar acreditando que esta é sua vocação divina”, afirma Okawa (também em Trabalho e Amor).

“As pessoas que são incapazes de encontrar prazer onde deveriam, que nunca estão satisfeitas, irão tentar de tudo, dedicando-se a uma variedade de coisas, mas sem nunca conhecer a verdadeira satisfação”.

Que cada um, em qualquer idade, consiga renovar seus sonhos de crescimento interior, de felicidade e também de justas conquistas materiais. A cada dia é possível dar um passo adiante – no conhecimento da Verdade, no combate a um vício, na aprendizagem de um idioma, na conclusão de um curso, na formação de uma poupança para a compra de uma casa, de um carro, ou na preparação de uma viagem.

Neste ano de 2018, em especial, cultivemos sonhos de novos tempos para nosso país, compartilhando otimismo e entusiasmo com os que nos cercam. Se todos cultivarem pensamentos positivos, o Brasil será melhor.

Ryuho Okawa, no livro As Leis da Invencibilidade, diz que “nossos sonhos devem criar um mundo ideal, mesmo que nosso poder seja pequeno. Nosso objetivo deve ser o de florescer totalmente dentro de nossa vocação de vida, viver nosso tempo aqui na Terra da maneira mais plena possível e sentir orgulho por nosso modo de vida. Também devemos aspirar fazer com que nossa sociedade, nossa nação e nosso mundo se tornem lugares melhores.”

Sonhos não têm prazo de validade. Portanto, cada pessoa deve renovar seus sonhos todos os dias.

* Milton Nonaka é consultor de novos negócios da editora IRH Press do Brasil, que publica em português as obras de Ryuho Okawa.

Fonte: Press Página



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.