Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Da hora, tio!

Da hora, tio!

20/10/2017 Francisco Haberman

Confesso que estou com saudade dos tempos já vividos.

Dos tempos em que às oito da matina as crianças já estavam na escola desde às sete e Marta e eu já no trabalho. Agora, ando implicado com o relógio. Acordo cedo, mas me surpreendo com a celeridade das horas.

Como os ponteiros andam depressa, gente! E, nessa semana, piorou. Esse tal de horário de verão faz o tempo deslizar. Quando se percebe, a manhã ou o dia já passaram. Dizendo assim, parece que é falta do que fazer mas não é isso verdade, não.

Estou sempre devendo serviço, aqui, ali e acolá, além das obrigações profissionais inadiáveis. E tem mais, vivo entre jovens, e, com eles, fico surpreso. Quando pergunto aos jovens modernos como eles estão vendo a vida, respondem: tá “massa”, tio.

Entendo que tudo esteja como eles querem, ou seja, “tá legal”, “muito louco”, “fera”, muito “top”. Assim eles dizem da vida. Eu fico na minha, claro. Mas de olho no relógio... Como demoro em acertar meu ritmo pessoal com os ponteiros do novo horário, fico, agora, comparando a intensidade do brilho do sol e as horas que passam.

Antigamente, isso era muito importante por dois motivos. O primeiro era a deficiência tecnológica geral que não permitia o trabalho confortável após o término do ciclo diário com o brilho e o calor solar. Nem luz artificial brilhante adequada havia para estudar à noite, por exemplo. Era uma luz amarela, fraquinha.

O segundo era a implacável exigência do trabalho manual para quase toda a atividade extenuante diária. Dela dependia a sobrevivência humana (como acontece hoje) e não permitia (ou não permite ainda) intervalo durante o dia. Após essas observações tenho tido gostosas surpresas.

Uma delas é, de novo, com os jovens. Quando pergunto se estão gostando do novo horário de verão, eles rapidamente respondem: esse horário é “da hora”, tio. A noite chega logo prá balada... Então, já vi tudo. O tio aqui tá mesmo é passando da hora. E com uma dúvida cruel: Tô “fera” ou fora? “Bora” pro “trampo”! Tá na hora.

* Francisco Haberman é professor da Faculdade de Medicina da Unesp de Botucatu.



Aos mestres, com carinho, nossa gratidão!

“Vivemos um tempo atípico” e “Precisamos nos reinventar” são algumas das frases mais pronunciadas nesses últimos meses.


Como a crise ajudou na popularização do Bitcoin?

Com a notícia da pandemia do coronavírus todo o mercado de investimentos tradicional e digital foi impactado com a notícia.


O receio de opinar

Antes de me aposentar, prestei serviço em empresa, que possuía e possui, milhares de trabalhadores.


Uso consciente do crédito pode ajudar a girar o motor da economia

Muita gente torce o nariz quando o assunto é tomar empréstimo, pois quem precisa de crédito pode acabar não conseguindo honrar essa dívida, tornando esse saldo devedor uma bola de neve.


Voltar primeiro com os mais velhos: mais autonomia e continência

Nunca pensei que chegaria esse dia, mas chegou! Um consenso global sobre o valor da escola para as sociedades, independentemente do seu PIB.


Adolescentes, autoestima, família: como agir, o que pensar?

A adolescência é um tempo intenso, tanto pelo desenvolvimento físico, quanto neurológico, hormonal, social, afetivo e profissional.


Digital: um tema para o amanhã que se tornou uma demanda para ontem

Durante muito tempo, a Transformação Digital foi considerada uma prioridade para o futuro dos negócios.


Compliance como aliado na estratégia ESG das organizações

A temática que atende aos princípios ambientais, sociais e de governança, ou seja, o ESG (Environmental, Social and Governance), está em forte evidência.


A humanização da tecnologia no secretariado remoto

A tecnologia deu vida a inúmeras oportunidades de negócios, como o trabalho à distância.


Bolsa vs Startups. Porque não os dois?

Vivemos um momento de grandes inovações e com os investimentos não é diferente.


Os pecados capitais da liderança

“Manda quem pode, obedece quem tem juízo.”


“Pensar Global, Agir local”: O poder do consumo consciente

A expressão “Pensar Global e Agir local” já é lema em muitas esferas de discussões políticas, econômicas, sobre sustentabilidade e solidariedade.