Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Da hora, tio!

Da hora, tio!

20/10/2017 Francisco Haberman

Confesso que estou com saudade dos tempos já vividos.

Dos tempos em que às oito da matina as crianças já estavam na escola desde às sete e Marta e eu já no trabalho. Agora, ando implicado com o relógio. Acordo cedo, mas me surpreendo com a celeridade das horas.

Como os ponteiros andam depressa, gente! E, nessa semana, piorou. Esse tal de horário de verão faz o tempo deslizar. Quando se percebe, a manhã ou o dia já passaram. Dizendo assim, parece que é falta do que fazer mas não é isso verdade, não.

Estou sempre devendo serviço, aqui, ali e acolá, além das obrigações profissionais inadiáveis. E tem mais, vivo entre jovens, e, com eles, fico surpreso. Quando pergunto aos jovens modernos como eles estão vendo a vida, respondem: tá “massa”, tio.

Entendo que tudo esteja como eles querem, ou seja, “tá legal”, “muito louco”, “fera”, muito “top”. Assim eles dizem da vida. Eu fico na minha, claro. Mas de olho no relógio... Como demoro em acertar meu ritmo pessoal com os ponteiros do novo horário, fico, agora, comparando a intensidade do brilho do sol e as horas que passam.

Antigamente, isso era muito importante por dois motivos. O primeiro era a deficiência tecnológica geral que não permitia o trabalho confortável após o término do ciclo diário com o brilho e o calor solar. Nem luz artificial brilhante adequada havia para estudar à noite, por exemplo. Era uma luz amarela, fraquinha.

O segundo era a implacável exigência do trabalho manual para quase toda a atividade extenuante diária. Dela dependia a sobrevivência humana (como acontece hoje) e não permitia (ou não permite ainda) intervalo durante o dia. Após essas observações tenho tido gostosas surpresas.

Uma delas é, de novo, com os jovens. Quando pergunto se estão gostando do novo horário de verão, eles rapidamente respondem: esse horário é “da hora”, tio. A noite chega logo prá balada... Então, já vi tudo. O tio aqui tá mesmo é passando da hora. E com uma dúvida cruel: Tô “fera” ou fora? “Bora” pro “trampo”! Tá na hora.

* Francisco Haberman é professor da Faculdade de Medicina da Unesp de Botucatu.



LGPD: é fundamental tratar do sincronismo de dados entre todas as aplicações

Se um cliente solicita alteração nos dados cadastrais ou pede a sua exclusão da base de dados que a empresa possui, o que fazer para garantir que isso ocorra em todos os sistemas e banco de dados que possuem os dados deste cliente ao mesmo tempo e com total segurança?


As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.


O poder da gentileza

O mês de novembro traz uma comemoração muito especial e essencial para estes tempos pandêmicos e de tanta polarização política: o Dia da Gentileza.


Branco no preto

As pessoas pretas no Brasil vivem pior do que as pessoas brancas, independentemente de qualquer situação.