Portal O Debate
Grupo WhatsApp

De olho no mercado americano

De olho no mercado americano

31/01/2022 Gustavo Vaz

Ao longo de décadas, a caderneta de poupança foi a aplicação preferida dos brasileiros.

Mas nos últimos anos esse perfil mudou bastante. Os novos investidores hoje esperam rendimentos bem mais robustos, e para isso recorrem cada vez mais às ações, aos títulos públicos e aos fundos de investimentos nacionais.

Isso significa que a educação financeira no país está em processo de avanço. Mas o olhar mais amplo sobre as opções de investimentos com possibilidade de maior retorno exige que o investidor comece a observar uma nova oportunidade à frente: diversificar e adicionar ativos em dólar à carteira.

Isso porque há uma sinalização do Federal Reserve (FED), o banco central norte-americano, de que 2022 vai inaugurar uma política econômica de combate à inflação, que vem perdurando no país por mais tempo do que se imaginava.

As próximas reuniões do FED podem iniciar um fluxo de alta da taxa de juros, que atualmente oscila entre 0% e 0,25%. Para os investidores, há um cenário atraente para recorrer aos ativos americanos.

Com os juros mais elevados, o rendimento também aumenta. Agregado a uma moeda forte como o dólar, esse efeito leva a uma migração de capital para os Estados Unidos que acaba por esvaziar outros mercados de maior risco, sobretudo os emergentes.

Por isso, o resultado, diante da comunicação do FED, foi de queda expressiva das principais bolsas de valores do mundo. No Brasil, a desvalorização do Real foi de 2% frente ao dólar.

Os investimentos nos EUA ficam ainda mais interessantes porque é um excelente caminho em comparação com a instabilidade vista nos últimos anos na B3.

E, claro, estamos falando de um mercado assustadoramente superior: a Bolsa de Nova York movimenta mensalmente cerca de US$ 1,5 trilhão, e tem um valor de mercado que supera os US$ 20 trilhões. Tudo isso graças às suas 2.400 companhias listadas.

A Bovespa, a título de comparação, movimenta por mês R$ 60 bilhões, e tem um valor de mercado pouco acima de US$ 1,13 trilhão, com cerca de 400 empresas listadas. Ou seja, sobram opções de investimentos quando se trata do maior mercado de capital aberto do planeta.

As principais possibilidades são para a compra de ações, Bonds ( Renda Fixa Americana), fundos de investimentos e Exchange Traded Fund (ETF), um tipo de fundo que utiliza como referência um índice de mercado, e que permite comprar ativos de maneira diversificada.

É claro que é importante considerar que o dólar já está relativamente valorizado, mas também é necessário, diante da dolarização da carteira, ater-se ao menor risco do exterior.

Vale a pena fazer uma análise ampla de todo esse cenário. Ademais, fazia tempo que não se via uma boa oportunidade em investimentos no mercado dos Estados Unidos.

Com os juros tão baixos na terra do tio Sam, nossa realidade tupiniquim mostrava-se relativamente competitiva. Mas tudo indica que a moeda Americana tenderá a ficar cada vez mais forte.

* Gustavo Vaz é sócio e head de Ações da Atrio Investimentos.

Para mais informações sobre investimentos clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.