Portal O Debate
Grupo WhatsApp

De quem é a responsabilidade?

De quem é a responsabilidade?

10/05/2018 Julio Gavinho

O mal que corrói nossa sociedade bem aqui, ao alcance do nosso braço.

A GloboNews informou-me que os moradores do prédio que ruiu depois do incêndio em São Paulo, eram mantidos cativos no imóvel à noite, entre 23:00 e 06:00.

A coordenação, manutenção, operação e cadastro dos moradores do prédio federal invadido eram feitos pelo MTST que além do cárcere, cobrava uma “taxa de manutenção” dos moradores/invasores.

Os MTST são os maiores Stalinistas fora da Rússia, depois do próprio Stalin. A apropriação da miséria pela organização política que clama por representá-la. O “dia da marmota” comunista, repetido a 100 anos só para o bem da cúpula do partido. Ao menos um morto e vários feridos podem ser colocados na conta deste grupo.150 Famílias, com cerca de um quarto de estrangeiros.

Ok, não sejamos tão duros com eles: divida aí esta tragédia em quatro quartos sendo um do MTST e de sua organização desorganizada que incitou a invasão de um imóvel inabitável; outro quarto para a prefeitura que catalogou os moradores na sua “cota particular de miseráveis” mas tampouco fez qualquer coisa para preservar a vida; mais 25% na conta do governo do estado de SP que permitiu através dos bombeiros e da defesa civil, que estas pessoas habitassem um imóvel em condições pré-ruína e, finalmente; o quarto final no governo federal, dono do imóvel que fez ouvidos moucos aos gritos de desespero das famílias invisíveis as benesses do Planalto.

Se eu pudesse criar um quinto quarto, dadas as proporções exageradas da quase tragédia, eu reservaria para você. Você que gasta sua energia com o topo da administração, seja o supremo, o congresso ou o palácio, e se esquece do mal que corrói nossa sociedade bem aqui, ao alcance do nosso braço. Estamos condenados.

* Julio Gavinho é executivo da área de hotelaria com 30 anos de experiência, fundador da Doispontozero Hotéis, criador da marca ZiiHotel, sócio e Diretor da MTD Hospitality.

Fonte: Vervi Assessoria



Gestão empresarial e perspectivas para 2022

Após mais um ano de pandemia, a alta administração das empresas priorizou a sobrevivência enquanto teve de lidar com expectativas frustradas.


O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.