Portal O Debate
Grupo WhatsApp

De volta

De volta

06/01/2009 Divulgação

À mesa, uma ceia esplendida brilhava. Pernil, frango, arroz com uvas passas. Havia pratos outros, verdadeiras iguarias. Bebida farta. Nada para incentivar o alcoolismo, apenas com a intenção de regar a animação. Muitos risos. Uns contavam vantagens, outros lamentavam a má sorte. Crianças corriam, gritavam, choravam cá e lá. Algazarra. Adolescentes que apostavam quantos copos fariam a tia Tal chorar ou o tio Tal ficar vermelho e começar a brigar com o mundo? A atitude ridícula, mas fazia parte da ceia de natal. Ano houve sem baixaria. Não teve graça.

Uma família brasileira. Quem a visse se animaria. Porém, se fosse um introspectivo, casmurro, solitário fechado provável a abominasse. O espectador, alojado no pequeno canto da sala de estar, é desses que conspira contra a alegria espontânea dentro do paraíso. Queria coisa diferente. Invejava colegas da empresa que puderam ir para Orlando, USA, ou Paris, ou para Búzios. Lugar badalado. Com gente fina e elegante. Circular em Nova Iorque, com neve caindo, tipo no filme Um Homem De Família, mas sem família, claro. Queria estar sozinho, com a namorada. Mas a namorada deixar a família na noite de natal? Impossível. Tudo bem. Iria sozinho se ela não quisesse acompanhar. Numa primeira classe para qualquer canto facilmente encontraria qualquer uma companhia à altura.

“Eh, menino, se achega para cá”, a avó lhe pede para largar o isolamento. Gostava da avó. Hoje, contudo, a estupidez incorporada na alma, restou apenas dizer um desaforo e servir-se de caipirinha. Tinha se enchido de cerveja e vinho, dando inveja ao estômago de um avestruz.

Uma da manhã. A Missa do Galo ainda passava na TV e após mandar para dentro o delicioso champanha, ele resolveu dar uma volta no quarteirão. Tirou o carro da garagem. Circularia na cidade que o viu crescer e da qual só se afastou quando do tempo da faculdade. Se houve o acidente de carro, não é só para dizer que bebida e volante não combinam.

O acidente nada teve de cinematográfico.  Contudo fora violento. O rapaz socorrido pelo resgate foi levado ao hospital. Corria risco de morte? Não. As costelas quebradas, o nariz a refazer-se por intervenção cirúrgica lhe tomaria semanas no hospital e tantas horas fora em fisioterapia.

Ainda que estivesse ébrio antes do impacto, pôde perceber o carro girar, o freio que se recusava obedecer e a frase involuntária me ferrei.  Antes de bater na lateral do ônibus e ir chocar-se num poste, pediu “Deus, ajuda”. Passado o susto e sabendo-se vivo, cederia em poucos instantes a satisfação de estar existindo diante da frase tinha que acontecer comigo, que azar.

Noite do dia trinta e um. Olhava pela janela do hospital. Lá fora, os fogos se anunciando. Podia adivinhar a roupa branca, a gritaria dentro de casa, a TV exibindo um programa musical qualquer, o vinho, a cerva educadamente gelada, o tira-gosto. Animação. Desde pirralho, adorava a noite do dia 31 de dezembro. Mesmo na fase mais brava de sua vida, a animação vinha regada a vinho Sangue de Boi, rabanada e papo gostoso com a galera na rua, mas vinha. Agora, ganhando bem mais que os colegas de adolescência e bem-sucedido na profissão... Estava entrevado num leito hospitalar.

Que alegria teve quando a avó e a mãe entraram lá pela meia noite no quarto do hospital. Além do sorriso, elas traziam rabanada, castanha e muito afeto. Afeto que muitos dariam tudo para ter nesse momento, mas que não valorizaram quando tiveram a chance. “Ano que vem eu me remendo. Vou dar valor por estar de volta à vida. Juro”, disse para si. Tomara que não seja mera promessa de ano novo.

*Ronaldo Duran, escritor, autor do romance Ando de Ônibus, Logo Existo! Livraria www.corifeu.com.br 



Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

Um domingo ensolarado é um dia perfeito para exercitar a felicidade, passear no parque, levar as crianças na piscina ou encontrar os amigos com seus sorrisos largos e escancarados.


Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

No semáforo, a cor amarela é frequentemente associada com desaceleração. O motorista precisa reduzir a velocidade ou até mesmo parar.


Da apropriação ilícita dos símbolos da Nação

Uma nova prática vem sendo efetivada por políticos e partidos radicais em âmbito mundial, a apropriação dos símbolos da nação como se fossem bandeiras de suas filosofias.


Tecnologia é fundamental para facilitar o processo de legalização de novos negócios no Brasil

Imagine se todo o recurso humano e dinheiro envolvidos no processo de abertura e legalização de uma empresa no Brasil fossem utilizados para promover mais eficiência e valor agregado para a sociedade?


Como a tecnologia pode criar uma cultura de reciclagem

Diante das diversas transformações no mundo dos negócios e no modelo de atendimento aos consumidores, empresas de todos os segmentos estão sendo obrigadas a buscarem soluções que permitam acelerar a inovação e a eficiência de seus negócios.


As regras essenciais para o uso de vagas de garagem em condomínios

A garagem traz para o condômino segurança e comodidade para os moradores.


Como usar a sua voz para compartilhar as suas ideias?

Você já se perguntou quantas palavras fala diariamente?


A jornada de inovação dos caixas eletrônicos

Quando os primeiros caixas eletrônicos chegaram ao Brasil, no início dos anos 1980, a grande novidade era a possibilidade de retirar dinheiro ou emitir um extrato de forma automatizada.


A nota oficial do Presidente da República

Após o excesso de retórica do mandatário maior da nação ocorrida no dia de uma das maiores manifestações já realizadas e vistas pelo povo brasileiro, o Presidente da República, veio a público, através de nota oficial, prestar a seguinte declaração, da qual destaca-se os seguintes parágrafos:


Combate ao terrorismo após 11 de setembro: incertezas e desafios

Faz 20 anos que acompanhamos, principalmente pela televisão, o maior ataque terrorista da história contemporânea.


ESG qualifica empresas na busca por investidores

Segundo a Morningstar, no início do segundo semestre o volume global investidos em fundos ESG ultrapassou o montante de US$ 2,3 trilhões.


A vacina é para todas as idades

Em todas as fases da vida manter a caderneta de vacinação em dia é muito importante.