Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Decepção amorosa e suicídio

Decepção amorosa e suicídio

28/04/2016 Flávio Melo Ribeiro

Essa é uma estória de ficção, mas baseada em diversos relatos de clientes.

Se passa num shopping, cinco horas da tarde de uma sexta-feira, começa o movimento na praça de alimentação. E lá está uma jovem de 19 anos, pensativa e arrasada pelo término do seu namoro.

Era a terceira vez que acontecia em menos de dois meses. Dessa vez o namorado despejou toda a culpa das desavenças em cima dela. Apontou o quanto ela era mimada, egocêntrica e exigia demais dele, e o fez com cruel frieza.

Virou as costas e a deixou só no meio de uma multidão que não vê ninguém, apenas vitrine e seus próprio interesses. Por duas horas lembrou de quando morava numa cidade pequena do interior, onde todos se conheciam, mas nessa época ela já se sentia sozinha.

Não queria ser igual aos seus pais, que tinham muitos amigos, mas eram frios entre eles e com os filhos. Nada a faltava, mas a seu ver não teve amor na sua educação e sim, muita exigência. Semanas mais tarde seus pais relatam convivência familiar muito diferente do que ela considerava ter vivido e foi confirmado pelos irmãos.

Mas nessa tarde no shopping o que valia era o que considerava. Lembrou em detalhes o que viveu na sua infância e depois com o namorado, o quanto ela sentia-se acolhida e amada. Pensou que não encontraria mais ninguém como ele e sua tristeza foi tão grande que o sentimento de abandono ampliou ao infinito.

O desamparo tomou conta do seu ser e a desesperança inundou sua consciência. Ela não viu mais sentido continuar viva. Na verdade, não queria ter que explicar à ninguém que novamente tinha dado errado num namoro. Não queria escutar que agindo do seu jeito ninguém vai ficar com ela.

Considera que ficou independente nos seus posicionamentos para se defender. Para não deixar ninguém mais se aproveitar dela, como considerava que os pais lhe exploraram. Mas ao mesmo tempo mostrava uma fragilidade, tanto que ao acumular funções e não se sentir apoiada, passava a dedicar-se ao máximo, pois não aceitava o fracasso, mantinha o foco nas tarefas até esgotar.

Tanto que um ano antes dessa tarde no shopping tinha entrado em depressão. Esse namoro foi de uma aposta muito grande. Tinha expectativa que encontrou a pessoa que iria compreende-la, entenderia suas necessidades e lhe apoiaria nos seus afazeres e projetos.

O término foi um golpe muito forte. Nos últimos quinze minutos passou a lembrar e a sentir as “coisas ruins” que sentia quando em depressão. Levantou com náuseas e caminhou em silêncio até o vão central no quinto andar.

Junto as lojas mais caras, ultrapassou a mureta de vidro, apoiou-se na ponta da laje e ainda segurava com as duas mãos o cano metálico da mureta quando se inclinou para frente e deu um passo se projetando para o vazio. Um pouco mais de dois segundos foi o suficiente para percorrer os vinte metros que a separavam do solo e finalizar com 19 anos de esperança e projetos para toda uma vida.

O seu futuro foi encerrado no momento em que o estrondo da queda ecoou até a praça de alimentação e por um momento interrompeu o lanche de alguém que nem soube o que aconteceu. E esse tempo já não mais a pertencia.

Preste atenção em seus familiares e amigos em depressão, procure identificar desesperança nos discursos. Pois é muito mais sério que a tristeza, as dores e as lamentações que aparecem no dia-a-dia, a desesperança mata.

* Flávio Melo Ribeiro é Psicólogo.



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa