Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Defensor Público na porta de cadeia?

Defensor Público na porta de cadeia?

23/06/2015 Wagner Dias Ferreira

A expressão Porta de Cadeia criou grande estigma para profissionais do direito que atuam na área criminal.

O advogado que comparece a uma delegacia para exercer suas prerrogativas funcionais passa a ser considerado como alguém de segunda classe.

A carga negativa da expressão precisa ser superada para afastar o preconceito e discriminação com um tipo de profissional absolutamente necessário à evolução da sociedade brasileira.

Permitindo assim que venha para este local outro profissional ali muito necessário: o Defensor Público.

Estudos mostram que o encarceramento de pessoas pela primeira vez serve ao seu aprofundamento no universo do crime e da violência, já que esta pessoa sairá do cárcere mais comprometida com o crime do que com a sociedade e o Estado Democrático de Direito.

Neste contexto o profissional do direito que na porta de cadeia apresenta embaraços ao encarceramento contribui para o combate à violência e produz a economia do Estado com os custos do aprisionamento.

Historicamente calabouços e prisões eram destinados a esquecer as pessoas ali lançadas. Na evolução da humanidade, este lugar passou a receber certa dose de cidadania.

Na medida em que a humanidade melhorava e se desenvolvia ela era mais capaz de incorporar novos espaços e pessoas em seu universo de existência cidadã.

A simbologia histórica da Queda da Bastilha na Revolução Francesa é reveladora. Numa sociedade que já vinha sofrendo necessidades, principalmente a falta de alimentos, e com diferenças sociais expressivas, a bastilha, como lugar de aprisionamento, simbolizava a força do Estado Monárquico.

Outro fator que provavelmente tornou pejorativa a presença do advogado na porta de uma cadeia advém do período de ditadura. A cadeia precisava afastar advogados e outros profissionais do direito, para que ali se pudesse conduzir investigações permeadas por torturas e abusos.

Daí que a disseminação e a desqualificação do advogado que se encontre atuando numa delegacia somente serve àqueles que desejam agir fora da lei.

A delegacia de polícia, presídio ou cadeia pública são lugares legítimos para presença de advogado ou defensor público. De modo que a expressão advogado de porta de cadeia precisa ser revista para mostrar aos novos profissionais que este é um lugar comum de exercício da profissão.

A legislação estadual de Minas Gerais fez previsão expressa para atuação dos defensores públicos em delegacias e cadeias. No Art. 5º, incisos X e XI da Lei Complementar Estadual 5/2003, está claro que o Defensor Público deverá atuar em juízo e administrativamente utilizando as palavras “órgãos policiais” para designar um local de trabalho possível para o defensor público.

Isso permite que mesmo aquelas pessoas pobres e carentes, tenham ali amparo e orientação jurídica para situações que irão enfrentar, como prestar depoimento em Auto de Prisão em Flagrante.

Assim é necessário repensar o aspecto negativo da expressão Porta de Cadeia, reconhecendo que é neste lugar que se deve garantir o advogado, o defensor público e outros profissionais do direito. Na porta da cadeia.

Daí ser este profissional um fator de evolução do direito e via de consequência da humanidade, garantindo legalidade e cidadania na existência em sociedade.

* Wagner Dias Ferreira é Advogado e Membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB/MG.



Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira