Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Desafios do consumo e varejo no pós-pandemia

Desafios do consumo e varejo no pós-pandemia

16/12/2021 Fernando Gambôa e Paulo Ferezin

Conforme o mundo emerge da pandemia da covid-19, empresas e consumidores percebem o aumento de preços de serviços e bens de consumo.

Este efeito é global e, assim como a crise financeira global, entre 2008 e 2009, desta vez, a doença e as restrições sociais causadas por ela levaram o crédito por esse efeito na economia atual, porque reduziram a demanda, o que, por sua vez, deprimiram os preços.

À medida que a campanha de vacinação avança, as empresas e a população geral conseguem perceber quais foram os efeitos concretos da pandemia que ainda não terminou.

Certos insumos para a produção e transporte de produtos vendidos estão registrando valores muito altos em relação aos apontados antes da crise sanitária.

Mas, muitas dessas altas podem não durar pelos próximos trimestres enquanto outras aparecem com um caráter mais permanente. Tal incerteza deixa as empresas de consumo e varejo em dúvida.

Manter os preços estáveis em uma tentativa de chamar clientes ou subir os valores das mercadorias para equilibrar as margens de gastos e lucros?

Diversos varejistas e empresários da indústria de consumo se deparam com processos inflexíveis de avaliação de preços e promoções e não conseguem responder adequadamente aos custos de insumos que aumentam rapidamente e à diminuição de estoques de produtos com alta demanda.

Levando em conta a realidade tão dinâmica e conectada que vivemos, com um comércio digital em amplo crescimento, as empresas do setor devem encontrar a melhor maneira de redesenhar processos de preços e promoções para atender à demanda do cliente e enfrentar custos crescentes dos insumos.

Os mais afetados são os serviços de alimentos, bebidas, bens de consumo, varejo e restaurantes - basicamente onde existe a necessidade do trabalho presencial e, consequentemente, da manutenção dos protocolos de segurança e distanciamento social.

Com toda a situação, profissionais do setor compreendem a incerteza quanto à temporariedade dos aumentos dos preços.

O caminho atual da economia está diretamente ligado à trajetória do vírus e aos efeitos dele na população e, por isso, as empresas precisam pensar em como lidar com os impactos na rentabilidade e nos caixas.

A escassez de mão de obra, restrições nas cadeias de suprimentos e inflação de preços não devem necessariamente levar à falência de empresas que gerenciam proativamente as próprias estruturas de custo e receita para proteger as margens.

Mas, é importante entender que a pandemia resultou na ativação de vários gatilhos comuns de melhoria de desempenho e em várias alavancas que podem ser acionadas para neutralizar o resultado financeiro negativo.

* Fernando Gambôa é sócio-líder de consumo e varejo da KPMG no Brasil e na América do Sul.

* Paulo Ferezin é sócio-líder do segmento de varejo da KPMG no Brasil.

Para mais informações sobre indústria de consumo clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Ricardo Viveiros & Associados - Oficina de Comunicação



Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.


Burnout: um diagnóstico impossível

Inicialmente, preciso dizer que ao apresentar minhas opiniões sobre burnout não estou questionando o sofrimento alheio, nem colocando em dúvida que pessoas que tenham recebido o “diagnóstico” de burnout não estejam em sofrimento, eventualmente grave.


Mercado de equipamentos médicos brasileiro é promissor

Preço, qualidade e eficácia. Esses são alguns pilares fundamentais para que qualquer produto receba destaque no mercado.


Saúde não tem preço. Mas tem custo

A água de boa qualidade é como a saúde. Só percebemos o valor dela quando acaba.


Aprender a aprender

Uma querida amiga que esteve na linha de frente da Covid contou um divertimento algo sádico como os negacionistas e anti vacinas, que chegavam no hospital batendo no peito e berrando que não tinham medo do tal do Coronavírus, até começarem os primeiros sinais de febre ou de falta de ar.


Trabalho e Inclusão

O trabalho é um direito das pessoas, em especial daquelas com deficiência, já que o seu exercício possibilita a concretização das capacidades individuais e, assim, das dignidades coletivas e sociais.


Como o estilo de vida do século 21 transforma a saúde e a fertilidade

A fertilidade feminina pode ser alterada por diversos fatores. Nem sempre conhecidos, muitas mulheres acabam tendo dificuldade em engravidar.