Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Descanso para os cansados

Descanso para os cansados

10/04/2019 Paulo Eduardo de Barros Fonseca

Aceitar o convite e procurar entender Jesus implica no fortalecimento e no entendimento da fé.

Em suas pregações Jesus convida todos que estão cansados e oprimidos a achegarem-se a Ele, para tomarem sobre si o Seu jugo e aprender com Ele, dizendo:

Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, pois assim foi do teu agrado. Todas as coisas me foram entregues por meu Pai. Ninguém conhece o Filho a não ser o Pai, e ninguém conhece o Pai a não ser o Filho e aqueles a quem o Filho o quiser revelar. Venham a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu darei descanso a vocês. Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de mim, pois sou manso e humilde de coração, e vocês encontrarão descanso para as suas almas. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve. (Mateus 11:25-30)

Esse convite enseja entender Jesus e sua mensagem inovadora que atualizou a lei e os profetas ao ensinar que tudo pode ser resumido na prática do amor – amando a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo – e na imortalidade da alma, contextualizando, assim, uma perspectiva de esperança futura.

Procurar entender as lições de Jesus – sobretudo seus atos, os quais guardaram plena convergência com suas falas –, enseja uma nova expectativa existencial, pois há a superação da angústia decorrente da limitada noção de vida futura.

Aquele que analisa os fatos do cotidiano sob o ponto de vista espiritual – e não meramente material – tem uma visão mais ampla, tal qual aquela pessoa que sobe uma montanha – e pode vislumbrar outros horizontes – em relação àquele que ficou fixo ao seu pé.

Procurar entender Jesus possibilita o fortalecimento da fé, que deve ser raciocinada e não simplesmente um sentimento inato, e alivia os sofrimentos da matéria porque, além de trazer consolação aos corações, gera confiança na justiça divina.

Procurar entender Jesus, tanto no aspecto moral como espiritual, ajudará no enfrentamento das vicissitudes da vida material que, aliás, nos trazem valiosos ensinamentos, bem como fortalecerá nosso espírito, porque fará de nós pessoas melhores e, portanto, mais próximas de Deus.

Enfim, aceitar o convite e procurar entender Jesus implica no fortalecimento e no entendimento da fé – reconhecida como a mãe de todas as virtudes – e, como consequência, oferece esperança no futuro e a caridade, pois encontraremos paz, sobretudo, de espírito e seremos capazes de transformar nossas vidas ao elevarmos nossos corações.

* Paulo Eduardo de Barros Fonseca é vice-presidente do Conselho Curador da Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho, mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Fonte: Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo



Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.


Liderança: Arte e Ciência

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?


Reflexões éticas em tempos de Coronavírus

Atualmente, vivemos num cenário de turbulências e preocupações com os impactos sociais e econômicos atuais que virão em decorrência da pandemia do vírus Covid-19.


O direito de ser pedra e o direito de ser vidraça em tempos de pandemia

O pior nessa história toda, desse período de pandemia da Covid-19, tem sido a guerra violenta de versões apresentadas sobre o problema.


O oxigênio da vida

Eles moravam em um dos bairros mais violentos de São Paulo. Estavam perto dos 20 anos. Eram três amigos de infância.


Um vazio de lideranças

Qual o paradeiro dos líderes? Eles possivelmente estão por perto, mas nós não os enxergamos.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


No tempo da pandemia

Nesta época de quarentena, assisti, pela rádio, à transmissão de cerimónia religiosa: missa.


O Mal

Agostinho dizia que o mal não é um ente em si, porque não é possível que um D’us bom tenha criado o mal.


As palavras que faltam

Há muitas coisas em falta no mundo.