Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Desenvolvimento e metodologias em Economia

Desenvolvimento e metodologias em Economia

30/03/2018 Valdemir Pires

As metodologias e análises que optam por uma abordagem histórica foram abandonadas pelos economistas

Nas últimas três-quatro décadas, o ensino, a pesquisa e o exercício profissional na área da Economia têm sido fortemente marcados por uma abordagem metodológica quantitativista, que se ampara em duas causas proeminentes, entre outras: primeiro, a facilidade proporcionada pelas novas tecnologias de armazenamento e processamento de informações, que fazem das modelagens e cálculos brincadeira de criança; segundo, o prestígio que a suposta capacidade de previsão (quando não predição) de tais modelos e cálculos dá aos economistas.

Moleza e prestígio se juntam e fazem desse profissional o novo sacerdote do Deus-Mercado. Outro aspecto notável dessa tendência é que esses sacerdotes estão usando as técnicas econométricas fundamentalmente para buscar evidências da ineficiência do Estado, que culminam em recomendações para desregulamentações, privatizações, freios fiscais e políticas assemelhadas.

Tudo para que o demônio da intervenção governamental não estrague o paraíso mercantil. As metodologias e análises que optam por uma abordagem histórica ou que, pelo menos, considerem a História, foram praticamente abandonadas pelos economistas, sobrevivendo marginalmente. Até mesmo o institucionalismo, claramente propenso a este viés, tem sido depurado deste “defeito”...

Parece não ter importância o fato de que com toda sua competência para a modelagem e para os cálculos, a mainstream “não se deu conta” do que foi se acumulando para dar no que deu o neoliberalismo dos anos 1980-2000: a profunda crise iniciada com o estouro de 2008.

No Brasil, universidades e centros de pesquisa, órgãos governamentais e frações importantes da opinião pública consomem as análises e recomendações dessa vertente perigosa da Ciência Econômica, ostentando o domínio do “estado-da-arte”. E o estado-da-arte consiste na arte de rechaçar o Estado, basicamente.

Cabe lançar um desafio a esse tipo de analista, no Brasil (para restringir o escopo da problemática): demonstrem, com dados e fatos históricos, que o mercado, deixado por si só, tendo suas leis e forças totalmente livres para determinar a atividade e o desempenho econômico, foi, em algum momento, causa ou motivo para se chegar ao nível atual de desenvolvimento do país; comprovem, também com metodologia que respeite a História, que algum dia o Brasil vivenciou condições mercantis “puras” ou próximas disso, para que, aqui, as relações econômicas estritamente liberais produzissem o que se afirma abstratamente que produzem.

Se, entretanto, não desejarem aceitar esse desafio de mudar seus fundamentos metodológicos, aceitem um menor: ampliem o alcance preditivo de seus modelos, reduzindo, assim, as limitações do tipo: “sob a hipótese de vacas cilíndricas”, a produtividade do setor leiteiro pode ser ampliada mediante o fim de subsídios aos produtores.

Não vai nesta crítica nenhuma aversão à Matemática, à Estatística, à Econometria, aos esforços de quantificação e cálculo, tão fundamentais na Ciência Econômica, mas uma repulsa explicita à redução do mundo a esses elementos, redução que só é ouro para tolo: embasbaca quem não sabe fazer conta e se admira diante de quem parece saber (sem se dar conta de que “rodar o modelo” no computador não é tão difícil assim, com os pacotes estatísticos disponíveis).

O fundamental, nesse momento da economia mundial e nesta fase de encalacramento da economia brasileira, é produzir análises que, longe da prepotência pseudocientífica, atentem para as estruturas de poder e geopolíticas, para as relações estratégicas, para os interesses em confronto, na busca de um projeto de desenvolvimento, ou seja, uma articulação entre instituições mercantis e estatais que, no atual contexto global, viabilize as condições materiais para a sobrevivência dos que habitam as fronteiras do que vimos chamando de Brasil desde 1500.

De preferência com um pouco mais de perspectivas inclusivas do que tem sido feito até aqui; de preferência incluindo nos cálculos elementos pertinentes à necessidade de melhor distribuição da riqueza e da renda.

* Valdemir Pires é economista, professor e pesquisador do Departamento de Administração Pública da Faculdade de Ciências e Letras da Unesp de Araraquara.

Fonte: Oscar Alejandro Fabian D Ambrosio - ACI



O metaverso vem aí e está mais próximo do que você imagina

Você, assim como eu, já deve ter ouvido falar no Metaverso.


Indulto x Interferência de Poderes

As leis, como de corriqueira sabença, obedecem a uma ordem hierárquica, assim escalonadas: – Norma fundamental; – Constituição Federal; – Lei; (Lei Complementar, Lei Ordinária, Lei Delegada, Medida Provisória, Decreto Legislativo e Resolução).


Você e seu time estão progredindo?

Em qualquer empreitada, pessoal, profissional ou de times, medir resultados é crucial.


Propaganda eleitoral antecipada

A propaganda para as eleições neste ano só é permitida a partir do dia 16 de agosto.


Amar a si mesmo como próximo

No documentário “Heal” (em Português, “Cura”), disponível no Amazon Prime, há um depoimento lancinante de Anita Moorjani, que, em Fevereiro de 2006 chegou ao final de uma luta de quatro anos contra o câncer.


O peso da improbidade no destino das pessoas

O homem já em tempos pré-históricos se reunia em volta das fogueiras onde foi aperfeiçoada a linguagem humana.


Mercado imobiliário: muito ainda para crescer

Em muitos países, a participação do mercado imobiliário no Produto Interno Bruto (PIB) está acima de 50%, enquanto no Brasil estamos com algo em torno de 10%.


Entender os números será requisito do mercado de trabalho

Trabalhar numa empresa e conhecer os seus setores faz parte da rotina de qualquer colaborador. Mas num futuro breve esse conhecimento será apenas parte dos requisitos.


Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.