Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Dicas para o momento da escolha e compra de um imóvel

Dicas para o momento da escolha e compra de um imóvel

19/09/2017 Carlos José Berzoti

Os cuidados na hora de escolher e comprar um imóvel.

Comprar imóvel é o sonho de todo o brasileiro e a aquisição desse bem envolve um grande valor sentimental e por isso, deve-se tomar muito cuidado e senso crítico, negociando o valor e condições, principalmente se a unidade for nova.

Há sempre boas ofertas disponível, unidades remanescentes ou distratadas que voltam ao mercado com preços interessantes. Isso ocorre porque não interessa ao incorporador ficar com uma ou outra unidade de um empreendimento em estoque.

Além da desvalorização de seu capital, há o custo de manutenção. Também é preciso ler todas as cláusulas do contrato atentamente, inclusive sobre multas e penalidades por não cumprimento de obrigações financeira, além de observar qual o custo de ITBI e cartório, que hoje são de cerca de 5% do valor da compra.

Outro ponto que deve ser levado em consideração é o condomínio estimado. Afinal, trata-se de uma despesa crescente, mas que sempre deve estar adicionada ao orçamento. Hoje em dia, a maioria absoluta das pessoas quer saber o valor aproximado da cota condominial.

Para esses mais detalhistas, há empresas especializadas neste segmento que podem, já no lançamento do empreendimento, apresentar uma avaliação segura e real de custo. Às vezes, os futuros compradores não possuem o valor à vista e optam pelo financiamento para levantar o montante ao invés de ficar no aluguel.

Para se ter uma ideia, ao concluir a negociação é preciso ter pelo menos 20% de sinal a ser pago no ato da compra e já assumir parcelas de financiamento. Neste sentido, é preciso avaliar bem a questão, pois aquela máxima que alugar um imóvel é jogar dinheiro fora, nem sempre é verdadeira.

Se você a família possui as contas em dia ou é minimamente organizada, poderá se manter ainda no contrato de locação, aplicando no mercado financeiro a diferença entre o valor da prestação do banco e o aluguel.

Ao final de dez anos aproximadamente, chegará na quantidade necessária para a quitação, encurtado o prazo de dívida em 20 anos, pois a maioria dos financiamentos imobiliários é de 30.

* Carlos José Berzoti é empresário e palestrante especializado no mercado imobiliário.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.