Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Dilema no mercado de TI: jovem demais ou velho demais?

Dilema no mercado de TI: jovem demais ou velho demais?

09/09/2013 Ezequias Sena

Existem grandes empresários e excelentes executivos da área de Tecnologia da Informação capazes de equilibrar equipes de trabalho, utilizando as principais virtudes dos jovens na casa dos vinte e poucos anos e dos nem tão jovens, já passados dos 40 anos.

Mas ainda há muitos empregadores engessados, que de antemão condenam o interessado na vaga disponível ou por ser ‘jovem demais’, ou ‘velho demais’. Mais do que uma questão conceitual, é preciso que se destaque o impacto que essa falta de visão pode gerar no processo de melhoria contínua de uma empresa, condenando-a à falta de criatividade ou ainda ao amadorismo, pela falta de experiência.

Sendo assim, o que aparentemente seria um problema da área de recursos humanos, passa a ser uma questão muito mais abrangente, com repercussão nas áreas de desenvolvimento, comercial e administrativa. Numa análise mais profunda, quando um jovem acha que a falta de experiência conta negativamente em seu currículo, ele não está errado. Também não está longe da verdade o executivo com mais de 50 anos de idade que se constrange pelo excesso de informações em seu perfil. Mas isso não é motivo para pessimismo.

Empresas que normalmente estão no topo de rankings, como o ‘Fortune 500’, por exemplo, costumam investir fortemente na contratação de jovens – que chegam sem experiência, mas com muito entusiasmo para aprender e, principalmente, com um salário muito mais baixo do que um profissional com mais de dez ou vinte anos trabalhados. Isso não quer dizer que esses gigantes do mercado não necessitem, também, de consultores, CEOs e CIOs com uma extensa bagagem.

Mas, como se pode contar nos dedos tais posições, esse fato não deve desanimar o profissional experiente em busca de oportunidade. Existem, também, empresas menos interessadas em mão de obra pouco qualificada, que valorizam o conhecimento agregado por pessoas com mais experiência de mercado e visão estratégica. Essas, igualmente, criarão oportunidades para interessados mais jovens em funções menos exigentes. Nas duas situações, é possível perceber que há oportunidades para todos, embora bastante desequilibradas.

Isso pode gerar certa tensão no ambiente de trabalho, exigindo um esforço extra do próprio candidato à vaga, que, a rigor, deveria eleger lugares para trabalhar em que seja valorizado e possa crescer. Ninguém sensato deveria se sentir bem numa empresa que promove apenas os mais jovens e faz com que os mais velhos sintam-se estagnados, como que esperando que tomem a iniciativa de sair. O inverso também é verdadeiro. Dito isto, avançamos para a arte de formar grupos.

Talvez poucos profissionais tenham se dado conta do quanto selecionar pessoas para integrar equipes e departamentos requer um pensamento mais elaborado e sofisticado, com o objetivo final de que a engrenagem trabalhe com sua capacidade máxima. Isso requer, também, uma visão abrangente sobre o perfil das faixas etárias – principalmente, as gerações X e Y. Preparar uma empresa para ser eficiente exige abandonar a rigidez que leva os gestores a tratar com pessoas na faixa dos 40, 30 e 20 anos da mesma forma e perceber o que exatamente os motiva.

Sinalizar que existe abertura para que os mais jovens se expressem livremente e sejam reconhecidos por sua inventividade é um dos gatilhos de incentivo. Também é preciso reconhecer que, geralmente, têm um traço de insubordinação que precisa ser trabalhado. É nesse ponto que se pode contar com os mais experientes.

A Geração X, na casa dos 40 anos, é mais prática, mais autoconfiante – principalmente pela experiência acumulada – e costuma dar líderes mais alinhados com o crescimento das empresas. O contraponto, neste caso, é que esses mesmos líderes têm de aprender a enxergar e valorizar as qualidades de sua jovem equipe de trabalho. Não se trata de tarefa fácil, mas urgente e necessária – que obriga a empresa, inclusive, a ter um sistema muito bom para reter o conhecimento, independentemente das pessoas.

*Ezequias Sena é diretor comercial da Online Data Center.



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa