Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Discurso não muda comportamentos

Discurso não muda comportamentos

29/07/2021 Leandro Franz

Spinoza é conhecido como o filósofo dos afetos, tendo dissecado dezenas deles (amor, ódio, melancolia, ciúme, soberba, inveja, desejo etc.).

Viveu em Amsterdã no séc. XVII, morreu aos 44 anos com uma obra imensa escrita e teve Einstein como seu seguidor mais famoso. Portanto, dispensa apresentações mais longas e podemos ir direto para os seus ensinamentos.

Um grande aprendizado de sua filosofia que pode ser trazido para o mundo corporativo é que apenas um afeto mais forte nos “liberta” de outros afetos.

Se você tem tido dificuldade em transformações culturais ou mudança de comportamentos na equipe, analise se é possível fazer diferente.

Por exemplo, muitas vezes, um time comercial não segue os processos ou políticas definidas e os gestores passam anos tentando em reuniões estressantes mudar esses comportamentos, buscando maior controle de rotinas, disciplina na execução, planejamento, mas discursos não mudam comportamentos.

O que está na raiz dessa “desorganização”? Um dos maiores afetos que move qualquer comercial é sua busca em bater metas. Está na natureza deste perfil e é o que aumenta a potência de sua atuação.

Um bom comercial vai dormir pensando em como bater a meta do dia seguinte, acorda planejando como realizar mais negócios e vira o mês comemorando ou não se conseguiu. Seu maior afeto é celebrar uma venda. Ele foi contratado para isso.

Vender e estar com clientes sempre será sua prioridade em relação preencher planilhas de controles, seguir processos burocráticos ou detalhar entediantes planos de ação anuais.

Discursos de conscientização (“sigam nossos processos, respeitem a política comercial”, “preencham o planejamento” etc.) nunca serão priorizados, não afetam comportamentos.

Se um bom vendedor tiver um dilema de usar tempo para vender mais ou preencher planilhas, priorizará sempre o primeiro. É de sua natureza, é seu afeto mais forte. 

Organizações inteligentes e que entendem esse ensinamento de Spinoza buscarão agir na raiz do problema, tentarão modificar o afeto por meio de outro mais intenso.

Como são construídas as metas de sua empresa? Focam apenas no volume de vendas ou são balanceadas por outros indicadores estruturantes? É possível balancear com metas de aderência a processos?

Indicadores de dispersão de descontos ou aderência à política comercial estão incluídos? A calendarização das vendas respeita a sazonalidade do negócio ou incentiva a “adiantamentos” artificiais de receita para todo final de trimestre?

Os vendedores são celebrados por bater o orçamento de qualquer maneira? Por fim, avançando ainda mais para a causa raiz das “vendas de baixa qualidade”, como seu orçamento é construído?

Ele se divide de maneira realista para cada comercial? Está de acordo com um potencial alcançável de receita para cada região de atuação?

Muitas vezes, já na definição das metas, números inviáveis (famoso top down) são estabelecidos e, desde o início, direcionam comportamentos e táticas comerciais que desviam das políticas e processos buscados pelas organizações.

Segundo Spinoza, “fica evidente que somos agitados pelas causas exteriores de muitas maneiras e que, como ondas do mar agitadas por ventos contrários, somos jogados de um lado para o outro”. As metas são as ondas mais fortes que afetam o comportamento da equipe comercial.

Nenhum workshop ou discurso de conscientização atingirá esses comportamentos se outros afetos mais fortes não forem valorizados no dia a dia do seu time.

E uma maneira de fazer isso é repensar rituais de gestão e reconstruir indicadores e metas mais adequados aos desafios da organização. 

Na próxima vez em que você verificar comportamentos desalinhados em sua equipe, analise com maior profundidade quais as reais causas desse cenário.

Reclamar do time, demitir em massa ou fazer discursos de conscientização nunca são as melhores respostas. Mude sua estratégia e analise como redirecionar os afetos. Spinoza e Einstein agradecem.

* Leandro Franz é sócio e consultor da People+Strategy, mestre em Economia com especialização em Teoria dos Jogos pelo Insper e economista pela UFSC.

Para mais informações sobre comportamentos clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Conecte Comunicação



Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.


2021 – A ironia de mais um ano que ficará marcado na história

Existe um elemento no ano de 2021 que imputou e promoveu uma verdadeira aposta de cancelamentos e desejos para que ele seja mais um ano apagado da memória de milhares de pessoas: A pandemia, que promoveu o desaparecimento definitivo de milhares de pessoas.


Negócios do futuro: por que investir em empreendedorismo no setor financeiro

Você sabia que 60% dos jovens de até 30 anos sonham em empreender?


A importância de formar talentos

Um dos maiores desafios das empresas tem sido encontrar talentos com habilidades desenvolvidas e preparados para contribuir com a estratégia da empresa.


Sustentabilidade em ‘data center’: setor se molda para atender a novas necessidades

Mesmo que a sustentabilidade ainda seja um tema relativamente novo no segmento de data center, ele tem se tornado cada vez mais necessário para as empresas que querem agregar valor ao seu negócio.


Tendência de restruturações financeiras e recuperações judiciais para o próximo ano

A expectativa para o próximo ano é de aumento grande no número de recuperações judiciais e restruturações financeiras, comparativamente, aos anos de 2021 e 2020.