Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Dizer o que não se disse

Dizer o que não se disse

01/06/2020 Humberto Pinho da Silva

A 3 de Janeiro de 1998, Fernando Gomes, então Presidente da Câmara Municipal do Porto, apresentou o livro de Carlos Magno: “O Poder Visto do Porto - e o Porto Visto do Poder”.

Nessa ocasião, afirmou: “É um grande gozo ler crónicas sobre frases que não proferi e conceitos que não defendi.”

Cai aqui bem, o que escreveu Padre António Vieira: “Ah, Senhor, quantos falsos testemunhos vos levantaram! Quantas vezes ouço dizer que são palavras Vossas o que são imaginações minhas, que me não quero excluir deste número.”

O cristianismo anda tão infestado de leigos ignorantes, e falsos pregadores, que muito que se diz, não passam de pura caricatura.

Numa recente sondagem, realizada em Portugal, muitos “crentes”, declararam-se católicos…mas não acreditavam em Deus!… São crentes, em quê?!

Sacerdotes há (católicos e evangélicos) que não pregam a Palavra, mas suas palavras, com roupagens convenientes…

Também há, quem acredite em Deus e na Bíblia, mas adaptam a Palavra, consoante os interesses: “Dizem o que Ele nunca disse”.

Até há, quem pregue o que querem ouvir, e afirmam, a pés juntos, que é preciso retirar versículos, porque se encontram desatualizados!…

Pastor evangélico, chegou-me a dizer: que devia ignorar Epistola, porque ensinava doutrina diferente ao que ensina sua denominação!

Outros, alteram a pontuação, de certas passagens bíblicas, para alterarem o sentido do texto sagrado.

É como disse o Padre António Vieira: “Quantas vezes ouço dizer que são palavras Vossas, o que são imaginações minhas”.

Quem quer conhecer a doutrina de Jesus, pegue no Novo Testamento e leia-O. Lá encontrará a verdadeira doutrina de Cristo.

O Evangelho, é a única fonte, onde se pode beber a água cristalina, límpida e desincrustada de preconceitos e subtis infiltrações.

* Humberto Pinho da Silva

Fonte: Humberto Pinho da Silva



Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.