Portal O Debate
Grupo WhatsApp

E agora?

E agora?

16/09/2016 Fábio Yamamoto

A economia vai melhorar? O desemprego vai diminuir? O dólar vai se estabilizar?

A despeito da euforia que tomou conta do país após aprovação definitiva do impedimento da presidente, as perguntas que não saem da cabeça das pessoas: E agora? A economia vai melhorar? O desemprego vai diminuir? O dólar vai se estabilizar? É difícil fazer qualquer previsão.

Os problemas estruturais do país não desapareceram após o Impeachment, ou seja, até o momento, continuamos nas últimas posições nos rankings de competitividade e nas primeiras posições nos rankings de corrupção. O país permanece em recessão, o ajuste fiscal é um remédio amargo que tende a ocasionar ainda mais retração econômica.

Uma coisa é fato, nós não recuperaremos o grau de investimento da noite para o dia. Além disso, as taxas de juros deverão permanecer altas por um tempo ainda, o que significa que os investimentos continuarão caros e, por consequência, escassos, e o dólar tende a se estabilizar, contudo dificilmente retomará aos patamares dos R$ 2,00.

Além da delicada situação econômica do País o cenário mundial também não é dos mais favoráveis. A China grande motor do mundo nas últimas décadas já não cresce com o vigor de alguns anos atrás, e atingiu o menor índice de crescimento desde 1990 (fonte: Banco Mundial) 6,9%, isto significa que o mercado externo pouco poderá nos ajudar neste momento.

No mercado interno todos os setores da nossa economia apresentaram queda em 2015, exceto o setor agropecuário, e as projeções para 2016 apontam para um cenário exatamente igual, retração geral, crescimento apenas do setor agropecuário.

Tudo isso indica que a taxa de desemprego deve permanecer alta, ou, no melhor dos cenários deve se estabilizar - com o aumento da oferta de mão de obra a renda dos trabalhadores deve reduzir – e aponta também que velhas práticas devem voltar a moda, como, por exemplo, a informalidade, o que também contribui para reduzir a renda média do trabalhador registrado. O cenário parece caótico.

Então, e agora? A verdade é que as recessões são cíclicas, retornam de tempos em tempos, e a bem da verdade até ajudam a separar o joio do trigo, e os quem sobrevivem levantam mais fortes e preparados. Os empresários dão mostras de otimismo, as projeções estão sendo revisadas para melhor ou ao menos para uma piora menor.

A confiança do consumidor pouco a pouco vai sendo retomada, aquecendo a economia, gerando empregos e renda. Também na crise surgem oportunidades e do desemprego brotam empreendedores, pequenos negócios que representam uma parcela significativa da economia do país.

O governo dá sinais de que caminha para incentivar esse otimismo, e, ao menos no discurso, busca condições para diminuir o peso da máquina pública e dar condições para economia se recuperar e para os negócios prosperarem. Agora é o momento de começarmos a mudar, é o momento de melhorarmos o que precisa ser melhorado.

Agora existe uma luz no fim do túnel, e não é o trem vindo na direção contrária.

* Fábio Yamamoto, sócio da Tiex, empresa de gestão e consultoria corporativa.



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa