Portal O Debate
Grupo WhatsApp


E agora, Brasil?

E agora, Brasil?

18/05/2017 Wellington Anselmo Martins

O certo (democrático e legítimo) é devolver o poder de decisão ao povo, convocando eleições diretas.

Porém, também existe o errado (não necessariamente ruim para a estratégia eleitoral e política da esquerda) que é Michel Temer renunciar agora e esse Congresso conservador colocar como presidente do Brasil alguém simpático ao PMDB-PSDB e que vá fazer avançar o programa anti-trabalhista que Temer já vinha promovendo.

Essa segunda opção é um absurdo! É imoral, golpista e acaba de destruir a democracia atual. Porém, esse aprofundamento do golpe e a violência com que ele está sendo imposto sobre o país irá gerar um movimento social de resposta. Tal reação popular se dará na medida da força do golpe, nunca menor.

Enfim, os golpistas escolheram o caminho do crime: eles derrubaram Dilma sob um pretexto desproporcional, promovem um governo impopular e ilegítimo, tentam prender Lula, o político mais aclamado do país, sem provas, e agora fecham o golpe de modo grosseiro, com a renúncia de Temer e empossamento de mais um golpista no seu lugar.

Ora, isso não ficará sem resposta! A maioria dos brasileiros reagirá, no voto ou na força (ou ambos), contra esse Congresso conservador e contra a usurpação da presidência da República. No fim, a esquerda voltará ao poder central.

* Wellington Anselmo Martins é Mestre em Comunicação (Unesp), graduado em Filosofia (USC).



Poderes em conflito – Judiciário x Executivo

Os Poderes da união que deveriam ser independentes e harmônicos entre si, cada qual com suas funções e atribuições previstas na Constituição, nos últimos dias, não têm se mostrado tão harmônicos.


A Fita Branca

Em março de 1963, um ano antes do golpe que defenestrou o governo populista de João Goulart, houve um episódio que já anunciava, sem ranhuras, o que estava por vir.


Como ficarão as aulas?

O primeiro semestre do ano letivo de 2020 está comprometido, com as crianças, adolescentes e jovens em casa, nem todos entendendo bem o que está acontecendo, principalmente as crianças menores.


Dizer o que não se disse

A 3 de Janeiro de 1998, Fernando Gomes, então Presidente da Câmara Municipal do Porto, apresentou o livro de Carlos Magno: “O Poder Visto do Porto - e o Porto Visto do Poder”.


Pegando o ônibus errado

Certo dia, o cidadão embarca tranquilamente na sua costumeira condução e, quadras depois da partida, em direção ao destino, percebe que está dentro do ônibus errado.


Resiliência em tempos de distanciamento social

Em meio à experiência que o mundo todo está vivendo, ainda não é possível mensurar o impacto do distanciamento social em nossas vidas, dada a complexidade desse fenômeno e a incerteza do que nos aguarda.


Nasce a organização do século 21

Todos sabemos que a vida a partir de agora – pós-epidemia ou período de pandemia, até termos uma vacina – não será a mesma.


Luto e perdas na pandemia: o que estamos vivendo?

Temos presenciado uma batalha dolorosa em todo o mundo com o novo coronavírus (COVID-19).


Encare a realidade da forma correta

Em algum momento todos nós vamos precisar dessa mensagem.


Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.