Portal O Debate
Grupo WhatsApp

E-commerce: um oceano de oportunidades

E-commerce: um oceano de oportunidades

22/12/2014 Marcio Eugênio

Empreender. Esta palavra está presente no desejo de três em cada quatro brasileiros, de acordo com uma pesquisa realizada pela Endeavor.

Muitas pessoas desejam ter seu negócio próprio e os motivos são diversos.. Porém, tirar a ideia do papel e executá-la, pode ser um pouco complicado. Apesar de possuirmos o desejo de empreender, não possuímos a cultura do empreendedorismo - que implica, consequentemente, na cultura do planejamento. Muitas pessoas acabam optando por começar seu primeiro negócio através do e-commerce, devido à simplicidade de colocar uma loja virtual no ar.

Entretanto, o que muita gente não sabe é que os riscos existentes em um negócio online são tão possíveis quanto no varejo tradicional. Enquanto a taxa de sobrevivência no micro e pequeno negócio num geral gira em torno dos 76% nos dois primeiros anos, um terço das lojas virtuais costumam fechar antes de completar dois anos no mercado. A mortalidade virtual é maior por dois motivos: além da alta competitividade com os grandes players, muitos empreendedores começam o negócio sem nenhum planejamento.

Ainda assim, investir no comércio digital é uma boa ideia. Os números no mercado do e-commerce são extremamente otimistas, com taxas de crescimento que, ano a ano, superam os dois dígitos no percentual. De acordo com o E-bit, o comércio eletrônico faturou no primeiro semestre deste ano R$ 16 bilhões — o que representa um crescimento de 26% em comparação ao mesmo período do ano passado. Para se ter uma ideia, o varejo tradicional cresceu apenas 4% neste mesmo período de tempo.

A previsão é de que o comércio eletrônico feche 2014 com um crescimento nominal de 21% em comparação a 2013. Em contrapartida, espera-se que o varejo tradicional feche o ano com o crescimento de 4,7%. Os números e projeções apresentados acima mostram o cenário de um mercado relativamente novo, mas que está cada vez mais consolidado no país. Na última década, os investimentos no e-commerce aumentaram 127%, de acordo com a Fundação Getúlio Vargas.

Espera-se, ainda, que este ano feche com 11,6 milhões de novos consumidores online, somando um total de 63 milhões de pessoas no Brasil que utilizam a internet para adquirir produtos como eletrodomésticos, vestuário, calçados e perfumaria. Sabendo que o cenário é próspero, é preciso tomar medidas para que a empresa seja saudável e vingue por muitos anos. Se existisse um médico para isso, a única receita que ele passaria seriam altas doses de planejamento.

Os motivos são vários. Primeiro porque evita que o empreendedor abra um negócio por impulso, outro porque um bom planejamento faz com que uma loja virtual consiga enfrentar a fortíssima concorrência vinda das gigantes do varejo eletrônico. Para quem quer entrar neste mercado, seja muito bem-vindo, porém planeje muito. O mercado é amplo, vindouro, e está para peixe. Cabe, porém, ser um bom pescador, pegar seus equipamentos e escolher que tipo de peixe você quer pescar.

*Marcio Eugênio é especialista em e-commerce e sócio fundador da D Loja Virtual, plataforma de e-commerce para PME.



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.