Portal O Debate
Grupo WhatsApp

É hora de colocar saúde mental e checagem de informações no currículo escolar?

É hora de colocar saúde mental e checagem de informações no currículo escolar?

26/08/2021 Antonio Rios

Quando estudamos a história do mundo e da sociedade, entendemos que a evolução humana é dividida em ciclos.

E, ao encerrar cada um desses ciclos, a humanidade avança para um novo nível, com novos aprendizados e, consequentemente, novos desafios.

Durante nossa história, fomos divididos em três grandes revoluções, ou seja, momentos que marcaram cada mudança de ciclo. São elas: a cognitiva, a agrícola e a científica.

Em teoria, a humanidade ainda vive na era científica. Mas será que já não estamos passando por uma quarta revolução?

Quando o homem passou a desenvolver a ciência e buscar novos conhecimentos, ele aprendeu a acumular alimentos e pôde utilizar o tempo, antes gasto com a sobrevivência, com o desenvolvimento de novas tecnologias, habilidades e estudos.

Foi nesse momento que a sociedade viveu os maiores avanços de todos os tempos. Foram estudados desde os menores insetos até as maiores galáxias. Descobriu-se tudo e mais um pouco.

A cada nova lição, o mundo parava novamente e via como era possível crescer e melhorar a partir do conhecimento. E, a cada nova descoberta, o ser humano percebia sua capacidade de controlar o mundo, a natureza, o tempo…

Na Idade Média, a peste negra se mostrou um grave problema pois, naquele tempo, não existiam remédios. A gripe espanhola também teve um impacto enorme pela falta de conhecimento e de tecnologias que pudessem combater a doença.

Mas e agora? Com remédios, estudos, evolução e muito conhecimento, quem pode parar a covid-19 e controlar os males causados pelos transtornos mentais?

Nessa nova revolução da humanidade estamos aprendendo a lidar com toda essa informação. Ter mais acesso ao conteúdo foi um avanço, mas o excesso dele começa a trazer problemas como ansiedade, depressão, briga de egos e outros males.

E não apenas para os adultos, experientes neste jogo chamado “viver em sociedade”, mas também para as crianças, que já nasceram inseridas em uma realidade na qual a informação está ao alcance de um clique.

O excesso de dados e regras pode impactar profundamente a saúde mental dos pequenos, que são ainda mais frágeis e suscetíveis a erros.

Então, como prepará-los para filtrar o que “pipoca” freneticamente nas telas de computadores, smartphones e televisões, que já fazem parte da rotina da grande maioria das crianças?

O tema é debatido há vários anos pelo autor e professor israelense Yuval Harari. “Em um mundo inundado de informações, clareza é poder”, afirma o educador, que deixa clara a necessidade de aprendermos a controlar todo o conteúdo que é produzido nos tempos atuais.

De nada adianta sabermos muito se raciocinamos pouco. E, claro, ao tomar a decisão de filtrar conhecimentos e apresentar uma abordagem mais concisa e direta, poderemos focar nossas atenções em novas descobertas, como nossos antepassados fizeram, sem deixar as pessoas perdidas em um “mar de inutilidade”.

Para navegar nesse universo infindável, Harari nos mostra que a pandemia foi um divisor de águas para que a sociedade separasse o “joio do trigo” no âmbito das informações.

Para ele, a pandemia é mais do que um teste para o conhecimento científico. É uma prova de cidadania global. As decisões tomadas no combate à covid-19 estão moldando o mundo das próximas décadas.

Caso as pessoas não acreditem nas informações que recebem e não confiem naquilo que é passado, poderão seguir vivendo nas chamadas “bolhas”, ou, até mesmo, serem obrigadas a viver em um regime de monitoramento.

Assim, chegamos à quarta revolução da humanidade, quando aprendemos a controlar os monstros que criamos.

Mas tudo isso pode (e deve) ser evitado. E a escola tem papel fundamental nesse processo. A tal reforma nas salas de aula brasileiras, tão debatida por pais e professores, pode dar uma prévia de como vencer a batalha pela informação verdadeira e confiável.

Quem sabe, difundir novas disciplinas e conhecimentos que abordem temas como checagem de dados, visão analítica e saúde mental, por exemplo?

A guerra da informação e os problemas sociais estão aí nos rondando, mas a educação é o único caminho para construirmos uma sociedade cada vez mais harmoniosa e alinhada às demandas do mundo moderno - sem deixar de lado a nossa essência, de amor e compaixão.

Esses sim, grandes diferenciais frente às inteligências artificiais das máquinas que insistem em nos controlar.

* Antonio Rios é Superintendente do Grupo Marista.

Para mais informações sobre saúde mental clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Central Press



Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.