Portal O Debate
Grupo WhatsApp


É importante reduzir a maioridade penal?

É importante reduzir a maioridade penal?

22/02/2007 Da Redação

Reduzir a maioridade penal para 16 anos será o fim de uma hipocrisia, pois nada se faz por crianças e jovens de menos de 18 anos, para afastá-los da criminalidade.

A opinião é do coronel Antônio Menezes, consultor do site fiquetranquilo.com ,do Grupo Nordeste, líder em segurança privada do Brasil. Mas só isso não resolverá o “desanimador” problema da segurança pública, salienta Menezes: “a desagregação familiar, a falta de valores e os péssimos exemplos que vêm de cima, das autoridades, estimulam o crime”.

O especialista ressalta que, de um lado, a lei não permite que jovens, “que já podem dirigir, se os pais autorizarem, e até votar em presidente da República”, arquem com os crimes que cometem. De outro, “deixa-os nos faróis das grandes e médias cidades, sem qualquer tipo de formação que os afastem da criminalidade e da violência”. O coronel Menezes também critica os chamados “crimes do colarinho branco”, que ajudam a criar um clima de desrespeito aos valores mais básicos da sociedade.

“Anões do orçamento, mensaleiros, parlamentares que querem dobrar seus salários são péssimos exemplos para jovens criados em famílias desagregadas, à base de alcoolismo, drogas e violência doméstica”, adverte o coronel Menezes. 

Para reverter a violência crescente no Brasil, que gera crimes como a morte de um menino de seis anos, no Rio de Janeiro, sob as rodas de um carro roubado, a receita é simples e, paradoxalmente, muito difícil de ser utilizada.“Precisamos fortalecer a família, os valores básicos , reduzir a maioridade penal para, ao menos, 16 anos, e combater os crimes de colarinho branco”.

As medidas são bem conhecidas, mas colocá-las em prática é bem mais difícil do que parece, conclui o coronel.

Fonte: Carlos Thompson



Os candidatos avulsos e os partidos

Por iniciativa do ministro Luiz Roberto Barroso, o STF (Supremo Tribunal Federal) abre a discussão sobre a as candidaturas avulsas, onde os pretendentes a cargo eletivo não têm filiação partidária.


Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.