Portal O Debate
Grupo WhatsApp


É importante reduzir a maioridade penal?

É importante reduzir a maioridade penal?

22/02/2007 Divulgação

Reduzir a maioridade penal para 16 anos será o fim de uma hipocrisia, pois nada se faz por crianças e jovens de menos de 18 anos, para afastá-los da criminalidade.

A opinião é do coronel Antônio Menezes, consultor do site fiquetranquilo.com ,do Grupo Nordeste, líder em segurança privada do Brasil. Mas só isso não resolverá o “desanimador” problema da segurança pública, salienta Menezes: “a desagregação familiar, a falta de valores e os péssimos exemplos que vêm de cima, das autoridades, estimulam o crime”.

O especialista ressalta que, de um lado, a lei não permite que jovens, “que já podem dirigir, se os pais autorizarem, e até votar em presidente da República”, arquem com os crimes que cometem. De outro, “deixa-os nos faróis das grandes e médias cidades, sem qualquer tipo de formação que os afastem da criminalidade e da violência”. O coronel Menezes também critica os chamados “crimes do colarinho branco”, que ajudam a criar um clima de desrespeito aos valores mais básicos da sociedade.

“Anões do orçamento, mensaleiros, parlamentares que querem dobrar seus salários são péssimos exemplos para jovens criados em famílias desagregadas, à base de alcoolismo, drogas e violência doméstica”, adverte o coronel Menezes. 

Para reverter a violência crescente no Brasil, que gera crimes como a morte de um menino de seis anos, no Rio de Janeiro, sob as rodas de um carro roubado, a receita é simples e, paradoxalmente, muito difícil de ser utilizada.“Precisamos fortalecer a família, os valores básicos , reduzir a maioridade penal para, ao menos, 16 anos, e combater os crimes de colarinho branco”.

As medidas são bem conhecidas, mas colocá-las em prática é bem mais difícil do que parece, conclui o coronel.

Fonte: Carlos Thompson



A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.


As décadas de 20

A mais agitada década de vinte de todas foi a do século XX.


Nós acreditamos!

A história ensina lições. Muitas lições.


A saúde do profissional de educação em tempos de pandemia

Muitos profissionais tiveram que se adaptar por causa da pandemia.



“Quem viva?! …”

Contava meu pai, com elevada graça, que tivemos antepassado, muito desenrascado, que sempre encontrava resposta pronta, na ponta da língua.


Super-mãe. Eu?

Lembro-me de um episódio que aconteceu há alguns anos atrás e que fez com que eu refletisse seriamente sobre meu comportamento de mãe.