Portal O Debate
Grupo WhatsApp

É importante reduzir a maioridade penal?

É importante reduzir a maioridade penal?

22/02/2007 Divulgação

Reduzir a maioridade penal para 16 anos será o fim de uma hipocrisia, pois nada se faz por crianças e jovens de menos de 18 anos, para afastá-los da criminalidade.

A opinião é do coronel Antônio Menezes, consultor do site fiquetranquilo.com ,do Grupo Nordeste, líder em segurança privada do Brasil. Mas só isso não resolverá o “desanimador” problema da segurança pública, salienta Menezes: “a desagregação familiar, a falta de valores e os péssimos exemplos que vêm de cima, das autoridades, estimulam o crime”.

O especialista ressalta que, de um lado, a lei não permite que jovens, “que já podem dirigir, se os pais autorizarem, e até votar em presidente da República”, arquem com os crimes que cometem. De outro, “deixa-os nos faróis das grandes e médias cidades, sem qualquer tipo de formação que os afastem da criminalidade e da violência”. O coronel Menezes também critica os chamados “crimes do colarinho branco”, que ajudam a criar um clima de desrespeito aos valores mais básicos da sociedade.

“Anões do orçamento, mensaleiros, parlamentares que querem dobrar seus salários são péssimos exemplos para jovens criados em famílias desagregadas, à base de alcoolismo, drogas e violência doméstica”, adverte o coronel Menezes. 

Para reverter a violência crescente no Brasil, que gera crimes como a morte de um menino de seis anos, no Rio de Janeiro, sob as rodas de um carro roubado, a receita é simples e, paradoxalmente, muito difícil de ser utilizada.“Precisamos fortalecer a família, os valores básicos , reduzir a maioridade penal para, ao menos, 16 anos, e combater os crimes de colarinho branco”.

As medidas são bem conhecidas, mas colocá-las em prática é bem mais difícil do que parece, conclui o coronel.

Fonte: Carlos Thompson



O efeito pandemia nas pessoas e nos ‘in-app games’

É fato que a Covid-19 balançou as estruturas de todo mundo, trazendo novos hábitos, novas formas de consumir conteúdo, fazer compras… E, claro, de se entreter.


A violência e o exemplo dos parlamentos

O péssimo exemplo que os políticos, em geral, dão nos parlamentos, insultando, ridicularizando os antagonistas, leva, por certo, a população a comportar-se de modo semelhante.


Brasileiro residente no exterior, por que fazer um planejamento previdenciário?

É muito comum no processo emigratório para o exterior ter empolgação e expectativas sobre tudo o que virá nessa nova fase da vida.


LGPD: é fundamental tratar do sincronismo de dados entre todas as aplicações

Se um cliente solicita alteração nos dados cadastrais ou pede a sua exclusão da base de dados que a empresa possui, o que fazer para garantir que isso ocorra em todos os sistemas e banco de dados que possuem os dados deste cliente ao mesmo tempo e com total segurança?


As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.