Portal O Debate
Grupo WhatsApp

É possível recuperar um cristianismo ecológico?

É possível recuperar um cristianismo ecológico?

17/08/2020 Luiz Alexandre Solano Rossi

A resposta, decididamente, é sim! O próprio São Francisco de Assis se apresenta como um modelo de postura ecológica e contrário à brutalização da vida.

Para ele, a relação com a natureza jamais poderia ser considerada de caráter mercantil, mas sim de cumplicidade na sobrevivência.

São Francisco de Assis pode ser considerado um paradigma que nos coloca com a natureza como irmãos e irmãs em contraposição ao paradigma da brutalização que nos coloca sobre a natureza, como senhores.

Todavia, é necessário assumir de forma coletiva nossa responsabilidade pela criação do mundo e de nós mesmos. Caso contrário, corremos o sério risco de mantermos o espírito de brutalização presente no cotidiano.

Nesse sentido, é preciso reconhecer que o social, o ecológico e o religioso se encontram cada vez mais intimamente ligados.

A consequência dessa percepção nos levará a reconhecer como um único e mesmo corpo, em uma profunda interdependência, de tal forma que se eliminarmos uma parte, todo o corpo se sentirá agredido.

Talvez seja necessário redescobrir que o ser humano é uma criatura entre tantas outras. Na comunidade da criação o ser humano está inserido como membro dela e não seu senhor.

O ser humano não exerce domínio senhorial sobre o sistema-terra, mas dele é dependente em suas relações de trocas e sobrevivência. Por isso, jamais está acima, mas lado a lado; não é diferente, mas igual.

Estamos, portanto, diante de um pensamento eco-teológico que reflete a plena consciência ecológica que está latente no ser humano que é, simultaneamente, imagem de Deus e imagem do mundo.

E é nesse encontro, nessa síntese de imagens que prevalece a opção ecológica inevitável a todo ser humano. Ele vive, fala e age pelo mundo; ele é sacerdote para o sistema-terra e dela faz o seu sacramento.

Percebe-se que a natureza, nesse caso, surge como uma extensão do corpo físico e também do corpo social onde vive o ser humano em suas relações comunitárias com outros seres humanos e logicamente com as outras criações e em estreita interdependência.

Assim, diante da brutalização, São Francisco de Assis nos apresenta uma atitude alternativa e de recuperação do cristianismo: uma atitude que se confraterniza, se enche de compaixão e respeito diante de cada representante da comunidade cósmica e planetária.

Procura-se resgatar a centralidade do sentimento e a importância da ternura nas relações humanas e cósmicas.

São Francisco de Assis, na verdade, é o paradigma que nos ensina a viver adequadamente numa casa planetária comum, mas também a viver bem entre todos os existentes nessa casa comum!

* Luiz Alexandre Solano Rossi é doutor em Ciências da Religião e professor da graduação em Teologia Interconfessional do Centro Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Pg1 Comunicação



Que ingratidão…

Durante o tempo que fui redactor de jornal local, realizei numerosas entrevistas a figuras públicas: industriais, grandes proprietários, políticos, artistas…


Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?