Portal O Debate
Grupo WhatsApp

E quando as crianças perguntam sobre sexualidade?

E quando as crianças perguntam sobre sexualidade?

19/08/2014 Aline Abreu, Isabella Barreto e Caroline Greine

Por volta dos 3 anos de idade as crianças já começam a ter curiosidade a respeito da sexualidade.

Nesses momentos, muitos pais ficam inseguros e sem saber o que e como responder às perguntas das crianças. Assim, a criatividade dos pais e as inúmeras informações difundidas sobre o assunto corroboram para aparecimento de mil e uma respostas. Mas será que os pais acertam na hora de conversar sobre sexualidade com as crianças?

A velha história da cegonha

Uma história comumente contada pelos pais quanto os filhos perguntam de onde vem os bebês ou como eu nasci é que a cegonha levou o bebê até a família. O único porém dessa história é que a medida que a criança vai crescendo, ela tem acesso a mais informações e descobre que a historia não é bem assim. Dessa forma, a criança pode sentir-se insegura em relação às respostas que os pais dão para as perguntas sobre esse assunto.

Aula de anatomia?

Ser objetivo e utilizar os termos corretos também é uma dica muito difundida quando aconselha-se as maneiras de falar de sexo com crianças. No entanto, os pais devem ser cautelosos e utilizar termos adequados para idade e nível de desenvolvimento de cada criança. Já pensou se a criança aprende termos corretos, mas inapropriados para a idade, e comenta com os coleguinhas da escola?

Masturbação é feio

Algumas crianças descobrem que acariciar o próprio corpo é prazeroso e os pais, muitas vezes, reprimem esses comportamentos por não saberem como agir. Nesses casos, é importante delimitar os lugares e o tempo que a criança pode acariciar o próprio corpo, por exemplo, na hora do banho.

Apenas reprimir o comportamento, que é muito prazeroso para a criança, bem como um momento de descoberta do corpo, pode desencadear sentimentos de culpa e vergonha. Esses são só alguns exemplos de respostas e ações de pais, que nem sempre são apropriadas, ao depararem com o interesse por sexualidade de seus filhos. O mais importante é sempre promover o diálogo sobre esse assunto, uma vez que ao finalizar a infância a adolescência inicia-se e novos questionamentos surgem.

*Aline Abreu, Isabella Barreto e Caroline Greine, Integrantes da Clínica Link Psicologia.



Onde está a boa educação?

Outrora, o idoso, era respeitado no local de trabalho e na sociedade.


Saneamento básico no Brasil

A infraestrutura que não chega ao esgoto.


Em novos tempos deve-se ter novas práticas

Na Capital fala-se muito em Menos Brasília, Mais Brasil.


Espiritualidade e alegria junina

Junho traz festas de três santos católicos: Antônio, casamenteiro. São João, profeta precursor de Jesus e São Pedro, único apóstolo que caminhou sobre as águas.


Missão do avô

Na família os avós são conselheiros dos pais e dos netos.


A importância das relações governamentais e institucionais

As relações governamentais e institucionais têm sido um instrumento de alta relevância para qualquer organização no atual momento político brasileiro.


Namoro na adolescência: fato ou fake?

O início da adolescência coincide com o final do Ensino Fundamental, fase em que desabrocham as paixões e, com elas, o convite: “quer namorar comigo?”.


Autobiografias: revelações das experiências em família

A curiosidade de muitas pessoas sobre a (auto) biografia de personalidades tem se tornado cada vez mais crescente, nos últimos anos.


What a wonderful world

Louis Daniel Armstrong foi um cantor e instrumentista nascido na aurora do século 20, e foi considerado “a personificação do jazz”.


A violência doméstica

Em Portugal, desde o início do ano, apesar de se combater, por todos os meios, a violência na família, contam-se já mais de uma dezena de mulheres, assassinadas.


O desrespeito ao teto constitucional e o ativismo judicial

O ativismo do Executivo e do Judiciário está “apequenando” o Legislativo.


Indicadores e painéis urbanos aliados à administração pública

A cidade com fatos visualizados está remodelando a forma como os cidadãos e gestores vêm a conhecê-la e governá-la.